Categorias

Posted on 7/06/2011 in Sem categoria

LEITURA: Game of Thrones, o livro que deu origem à série de maior sucesso atualmente.

Share Button

É dito que cada livro tem a idade certa para ser lido. Também existe uma certa crença que certos gêneros, ao contrario, são dirigidos para públicos de determinada idade. Especificamente, esse filho bastardo da literatura chamado de Fantasia Heróica, que geralmente fica socado nas prateleiras da livraria na seção de “literatura juvenil”. Porém, nem toda a fantasia heróica se resume a Conam, o Bárbaro de Robert E. Howard ou O Senhor dos Anéis, de J.R.R. Tolkien. Existem grandes surpresas no gênero que acabam ficando esquecidas.

Uma destas séries esquecidas que acabou de ser revivida é “Uma Canção de Fogo e Gelo”, cujo primeiro livro, “Um Jogo de Tronos” foi recentemente transformada em série pela HBO, com boa recepção pelas audiências televisivas. Embora o primeiro livro já tenha 20 anos. É coisa de gente grande, em vários níveis, e um livro que nenhum adulto em sã consciência permitiria que seu filho em início de adolescência tivesse na estante.

Sem comentar Spoilers, os livros descrevem as intrigas entre as grandes casas de Westeros, um continente fictício claramente inspirado na Europa Pós Império Romano. Uma dinastia recente está se estabilizando, e eventos acabam por trazer de volta a guerra civil dentro do Reino. Se parece clichê, bem, é por que é. A parte boa é que o Autor, G.R.R. Martin, sabe disso e reverte a mesa na cara do leitor.
O estilo de escrita de Martin lhe rendeu um três prêmios Locus, e indicações a três prêmios Nebula e 3 indicações ao prêmio Hugo, que são os Oscars específicos das publicações de ficção científica e fantasia. Com razão: O autor nos leva pela mão gentilmente, nos apresentando um mundo complexo e fantástico com personagens marcantes. Depois ele permite que o leitor dê um passo à frente, afeiçoando-se.

E depois ele chuta nossos joelhos por trás. Com força. Um dos truques para isto é a forma como escreve. Ao invés de usar o narrador onipresente geralmente usado na literatura, onde podemos ver sentir, e saber tudo que se passa pela cabeça de todos os personagens relevantes da cena, Martin na verdade escreve pelos pontos de vista de personagens específicos, muitas vezes trocando de visão no meio dos acontecimentos. Isto nos sonega informações, algo que Alfred Hitchcock citou a Trouffaut como sendo a alma do suspense. O medo nasce daquilo que não sabemos, ou não conseguimos compreender. Esta sensação de “Que diabo…?” nos segue por boa parte da trama. É como Martin escrevesse os textos em primeira pessoa, e depois refizesse cada capítulo em terceira pessoa mantendo a estrutura básica. “Eu fiz isto” se torna “fulano fez isso” com pensamentos em itálico. Gera-nos a intimidade do romance de primeira pessoa com a ilusão de onipresença do romance de terceira.

Outra característica admirável em Martin é o seu desapego. É fácil criar um mundo, criar criaturas, ordená-las. Enfim é a parte divertida do processo criativo. Destruir a própria criação, com distancia, e fazer isso com coerência e requintes de crueldade, é outra bem diferente. É um romance de fantasia sim, mas fantasia para adultos. É um texto violento, sexual, sangrento e sem piedade. Muito diferente da terra média limpinha, cheia de elfos musicais com ascendências WASP.
Finalmente os primeiros volumes estão sendo traduzidos para o português. Já era hora do pessoal que leu Tolkien na adolescência ler coisa de gente grande.
Texto: Bernardo Queiroz
Jornalista, Especialista em Cinema e Mestrando em Comunicação
Fotos: Divulgação HBO

Acompanhe a MENSCH também pelo Twitter: @RevMensch
E baixe no iPad, Baixe agora Na App Store , é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb


+ Em nossa página no Facebook mais imagens e uma ilustração para entender a relacao entre os personagens