A artista pernambucana Carol Monteiro abriu em Recife sua nova exposição, Coração de Pedra. A mostra reúne um conjunto de obras que são o resultado de quatro anos de pesquisa, revelando uma rica zona de intersecção entre arte e moda em uma produção fortemente inspirada na paisagem dos sertões nordestinos. A abertura aconteceu início do mês na sala Aquário Oiticica do Mamam e vai até 15 de janeiro.

Ancorada em uma preocupação com a sustentabilidade, Carol utiliza materiais diversos em seu processo criativo, desde pedras de diferentes tipos e formatos encontradas na paisagem sertaneja a fragmentos de ossos de animais e itens garimpados de sucata que foram cuidadosamente reutilizados para compor cada um dos trabalhos expostos. A partir desses elementos, Carol cria uma poética carregada de originalidade e força na busca por uma estética peculiar que remonta suas próprias origens. “Conheci o sertão pelo olhar da minha mãe, sertaneja, que tinha a delicadeza de chamar minha atenção para a beleza de um aboio e, ao mesmo tempo, para a dureza da vida da gente daquele lugar ”, lembra.

Caçula de uma família de oito filhos, a artista conta que aprendeu desde cedo a não desperdiçar e a prolongar a vida dos objetos. Figurinista, vintager e mãe de Kauan e Igor. Ao longo de vinte anos trabalhando com estilo e figurino no Recife, tem entremeado a moda dentro de linguagens variadas. Há cerca de quatro anos, resolveu dedicar-se a desenvolver uma abordagem artística pessoal dentro das técnicas adquiriras em sua carreira.  As lembranças da infância em Sertânia, no sertão pernambucano, são povoadas pelas imagens das feiras, das rendas de Renascença e do design preciso e orgânico dos utensílios de barro.

O mergulho na pesquisa a conduziu de volta a essas paisagens, em uma jornada de entrega e de redescoberta. Sentimentos nascidos de perdas, decepções e dificuldades em sua própria vida traduziram-se em peças de vestir e decorar, e o que pretendia ser uma janela e um comentário sobre a produção estética do sertanejo se tornou, cada vez mais, uma maneira de olhar a si mesma sob aquela estética.

Nesse terreno simultaneamente árido e cheio de vida, nasceram biojoias e objetos que refletem intensamente um sertão revivido e ressignificado em quatro anos de experimentação e transformação “Compreendi que sou uma pessoa simples e essa simplicidade é o que expresso nessa exposição com muito cuidado. Fiz o máximo que pude com minhas próprias mãos”, resume.

A mostra “Coração de Pedra” chegou com produção executiva de Maria Rosa Pereira e segue em cartaz até 15/1, com entrada franca.

Fotos Joana Gatis por Francisco Baccaro

 

SERVIÇO

Coração de Pedra – exposição de Carol Monteiro

Datas: De 6/12/18 até 15/01/2019. Ter a sex., das 12 às 18hs; sáb. e dom. das 13h às 17h.

Onde: Sala Aquário Oiticica do Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães – MAMAM

(Rua da Aurora, 265, Boa Vista, Recife).

Classificação etária: livre (entrada franca)

Informações e agendamentos: (81) 3355-6871