O Salão do Automóvel de Genebra é um daqueles lugares icônicos ondem aparecem as inovações que um dia virarão realidade — quando às vezes já não o são. Mas não é todo ano que um lançamento agita tanto uma categoria. Sim, estamos falando da McLaren 720s. Claro que quando nos referimos à McLaren é difícil não remeter à memória Ayrton Senna e seus três títulos mundiais de Fórmula 1. Ou até Emerson Fittipaldi, que garantiu seu bicampeonato acelerando um bólido da tradicional equipe inglesa. Mas nem Bruce McLaren, fundador da equipe e morto em um acidente nas pistas, tinha em mente que, nas ruas, os carros que levam seu nome fariam tanto sucesso ao acelerar.

Se a primeira impressão é a que fica, a McLaren 720s caprichou. As curvas suaves do modelo logo chamam a atenção, delineadas com seus faróis pequenos. Contudo, o design preza primeiramente pela funcionalidade, que se conecta a aspectos estéticos com maestria. A ausência de entradas de ar laterais, por exemplo, é apenas aparente. O modelo possui uma “camuflagem”, que só permitem a visão completa dos dutos de ar de um determinado ângulo. As portas do veículo são diedrais (abrem para o lado e para cima) e fazem parte também deste sofisticado pacote.

 

Para o motorista (ou piloto?) acelerar, precisará entrar na cabine monocage II, uma célula de fibra de carbono, leve e resistente, que se alonga até o teto do carro. Lá dentro, para visualizar todo o potencial do 720s, um painel de instrumentos digital e retrátil se adapta a diversas situações de uso, seja mostrando conta-giros, velocímetro e instrumentos de velocidade, ou apoiado numa tela de LCD, que carrega as outras funcionalidades presentes no modelo. Sem dúvida, uma tecnologia embarcada de última geração.

 

Mas para que tudo isso? Acelerar, é claro. A McLaren 720S é impulsionada por um motor biturbo V8 de 4 litros, capaz de gerar 720 cavalos. Essa unidade de potência pode acelerar o carro de 1283 kg de 0 a 100 km/h em notáveis 2,9 segundos e indo de 0 a 200 km/h em apenas 7,9 segundos. A velocidade final, com o câmbio puxando a sétima e última marcha, chega a incríveis 341 km/h. Mas, se precisar frear repentinamente, o pacote aerodinâmico também trabalha, com a asa traseira levantando para desacelerar o carro com a força da pressão do ar.

Para demonstrar o que representa este lançamento, a memória de Senna é invocada na promoção do modelo 720S, com sua célere fala: “Você acha que tem um limite. Assim que você chega a esse limite, algo acontece e, de repente, você pode ir um pouco mais longe. Com o poder da sua mente, sua determinação, seu instinto e também com experiência, você pode voar mais alto”. Bruno Senna concordou e cremos que você também.

Veja o vídeo promocional com voz de Ayrton Senna e participação de Bruno Senna.