Com longa carreira internacional, o chef Fernando Fonseca, nascido em Portugal, 54 anos, tendo passado pela China, Espanha, Itália até chegar no Brasil, onde atualmente trabalha como o chef executivo do Sheraton Reserva do Paiva, em Cabo de Santo Agostinho (PE). Sua paixão pela gastronomia surgiu quando cozinhou a primeira vez algo que nunca havia feito antes e percebeu que tinha sido muito bem sucedido. “No momento certo percebi que cozinhar era bom para mim já que sempre me afastei de tarefas semelhantes e rotineiras. O fato de poder satisfazer um dos nossos apelos mais naturais e ao mesmo tempo usar criatividade, sentido estético e cultural, fez toda a diferença”, comentou Fernando.

Há 4 anos à frente da gastronomia do Sheraton Reserva do Paiva, desde a abertura do hotel, Fernando segue uma trajetória de sucesso. “O início foi muito excitante pois uma abertura sempre o é, muito desafiante em função de todas as particularidades envolvendo a nossa localização e o fato do mercado corporativo estar nesse mesmo momento se dissolvendo em função da crise económica dos últimos anos. Começamos na Copa em 2014 com o Hotel ainda sendo finalizado e pouco depois fizemos a nossa abertura ao mercado com um cocktail para 1400 pessoas. Um dos primeiros desafios foi encontrar pessoas para trabalhar pois ninguém conhecia o Hotel. Lembro-me de ter entrevistado muita gente, um dos profissionais que procurava precisava entender um pouco de inglês, na décima tentativa encontrei. Todos os aspetos que são ao mesmo tempo um problema, são uma forma de nos superarmos enquanto membros de uma organização e membros de uma equipa que estar solidamente buscando cumprir todos os seus objetivos”, comentou Fernando.

Já o gaúcho Vinicius Cravo Balbueno, nascido em Porto Alegre, 36 anos, começou na cozinha profissional em 2004 na cidade de Salvador (BA), no restaurante Caco Zanchi, onde ele se encantou com o lado artístico da gastronomia. “A paixão pela gastronomia surgiu ainda na adolescência, quando nas primeiras viagens com amigos e sem os pais, não gostava de comer aquele macarrão com molho de tomate e atum de lata, então comecei a aprender em casa, durante a semana, com minha mãe (que cozinha muito bem por sinal) a preparar outros tipos de comida, me tornando assim o cozinheiro da galera em viagens”, comentou. Seu primeiro mestre foi o chef Richard Feldberg, australiano formado pela Le Cordon Bleu, que ensinou as primeiras técnicas de cozinha. Em 2005 voltou a Porto Alegre onde estudou no Senac, no curso profissionalizante de cozinheiro. Trabalhou em alguns restaurantes pela cidade até que em 2007 teve a oportunidade de entrar para a cozinha hoteleira. Iniciou-se ai a sua carreira dentro da rede Sheraton, onde permanece até hoje. “Comecei minha caminhada como auxiliar de cozinha, fazendo parte da equipe do Chef Mauro Sousa e fui ganhando minhas promoções a cada ano. Dentro da rede tive muitas oportunidades que ajudaram no meu crescimento”, comenta Vinicius. Em 2012 participou de um concurso interno de gastronomia onde teve a felicidade de sair vencedor e o prêmio foi ir para o Sheraton Lima, onde pôde mergulhar fundo na cultura gastronômica do Peru.

Nas Olimpíadas Rio 2016, Vinicius teve mais uma ótima oportunidade, participar do task force Sheraton Grand Rio durante todo o período do evento. Mas foi em 2017 que veio a proposta de sair de Porto alegre e alçar novos voos, sendo convidado a fazer parte da equipe do Sheraton Reserva do Paiva, onde está realizando seu trabalho ao lado do Chef Fernando Fonseca. Em 2018 mais um convite, um work session em São Paulo no Hotel Renaissance, para construção dos cardápios do Hotel Sheraton Santos e neste mesmo seguiu para o task force da abertura do mesmo. “O que gostaria de deixar como assinatura, seria mostrar um lado mais moderno da cozinha, aplicando e ensinando novas técnicas as pessoas que trabalham do meu lado”, conclui Vinicius.