Podemos dizer que antes de tudo o ator Marco Pigossi é um cara de muita sorte. Sorte por ter se descoberto que como ator ele poderia trocar a timidez pela descoberta de algo que mudaria sua vida para sempre: ser ator. Desde que entrou na TV Globo, Marco só foi acumulando sucessos. Sorte por ter encontrado esses personagens tão diversos e instigantes que se tornaram um desafio pessoal antes de tudo. Marco vem de uma sequencia de papéis de sucesso que só revelam ao grande público sua grande versatilidade e compromisso com a verdade ao atuar. E tudo isso aos 23 anos apenas. A sua maturidade ao encarnar o bad boy que se regenera na novela Fina Estampa mais uma vez chamou atenção do público e da crítica, e de nós aqui da MENSCH também. Portanto nada mais justo que conhecer um pouco mais sobre ele com essa ótima entrevista. Que com certeza, será mais um dos campões de sucesso de Marco Pigossi.

Voltando um pouco no tempo… Como você era quando criança? Já dava indícios que seria ator? Como surgiu essa vocação para atuar? Quando eu era muito criança não pensava em ser ator, queria ser bombeiro. (risos). Até que um dia, me chamaram para fazer um teste para uma campanha do Mc Donalds. Foi um desastre, descobri que eu era super tímido e travado. Resolvi entrar num curso de teatro para me entender melhor com aquilo. Na minha primeira aula, com treze anos, me apaixonei pelo teatro e nunca mais pensei em fazer outra coisa. Fui muito feliz de descobrir o que queria da vida cedo, veja amigos que sofrem com isso, é uma decisão muito importante e ela deve ser feita muito cedo.

Na Globo desde 2004, você chegou à participar de importantes produções como as séries “Um Só Coração” e “Queridos Amigos”. Mas só foi ficar conhecido do grande público depois do sucesso de “Caras e Bocas” em 2009. Acha que demorou ou foi importante pra seu crescimento como ator ter tido essas experiências antes de cair na mídia de vez? Acho que as coisas têm vida. Tudo tem seu tempo e acontece porque tem que acontecer. Com certeza, quando entrei na Globo, não estava preparado para fazer personagens maiores, com mais peso. Acho que ainda não estou, pois nunca estamos prontos, mas com experiência e dedicação pode-se chegar mais próximo disso. Meu caminho dentro da Globo tem sido muito bom, personagens bons em obras boas. Estou muito feliz com esse lado!

Seus três trabalhos mais recentes na TV são de certa forma polêmicos e muito marcante. Em Caras e Bocas você era um gay afetadíssimo, em TiTiTi uma playboy egoísta e odiado e agora em Fina Estampa um cara desonesto. Em comum, uma grande interpretação digna de atores com anos de experiência. Como você se avalia nesses três papeis? Não sei se polêmicos é a palavra certa, mas são personagens muito distintos. Isso é muito valioso para o ator, e é isso que eu sempre busco personagens completos. O Cássio foi um grande aprendizado e uma alavanca para minha carreira talvez. Aprendi muito, aprendi inclusive a me divertir em cena, coisa que é extremamente importante. Depois o Pedro foi um personagem mais pesado, mais egoísta. E hoje com o Rafael, um personagem completo em todos os sentidos, com transformação de caráter através do amor. Uma coisa muito boa para passar para o público. Não sei me avaliar, acho que tudo pode melhorar, sou um pouco perfeccionista no meu trabalho. Só sei que dei o máximo de mim nesses três personagens e quando olho para trás relembro com muito carinho deles.

O Rafael de Fina Estampa deu uma reviravolta na trajetória dele, que era um cara malandro e desonesto e por conta de um amor quis ser um cara diferente. Você acredita que algo assim é possível? Chegou a odiar ou sentir pena do Rafael em algum momento? Eu sempre defendo meus personagens. Nunca vou odiá-los, pois acho que perderia o sentido da coisa. Para um ator o Rafael é um personagem maravilhoso. Essa transformação é muito rica. Acredito sim que o amor pode transformar as pessoas. Tenho 23 anos (ele fez aniversário dia 1º desse mês), se não acreditar nisso acho que a vida perderia um pouco de graça. Talvez com o passar dos anos passe a desacreditar, mas no momento não é o caso. Acho que o que nos diferencia dos animais é a razão e o amor. Somos humanos, podemos avaliar nossos erros e aprender com eles.Seu personagem em Caras e Bocas, o Cássio, caiu no gosto do telespectador e foi responsável por vários bordões, como “Tô rosa chiclete” e “choquei”. Foi divertido de fazer? Como foi a construção do personagem? Foi muito divertido. Tive a melhor parceira Maria Zilda, aprendi muito com ela e me diverti muito. Adorei trabalhar com comédia, dominar o tempo cômico. Tive grandes exemplos como a Ingrid Guimarães. A construção foi ao longo da novela. Sempre digo que o trabalho do ator é de observação. Passei a observar o jeito das pessoas, dos maquiadores, cabeleireiros da Globo. São grandes personagens. O jeito de comer, de andar, de falar etc. Os bordões criados pelo Walcyr e pela Claudia que escreviam a novela ajudaram muito ao personagem se tornar popular.

 

 

O Pedro de TiTiTi era um cara mimado que não tinha limites. Você acha que tipos assim são resultado de uma educação sem limites ou falta de uma ocupação? O erro está na sociedade atual que valoriza mais o ter que o ser? Puxa, essa é uma pergunta complexa. (risos) Acho que tudo um pouco talvez. Sem querer generalizar, mas acho que a sociedade está equivocada em alguns aspectos, e uma educação inteligente é muito importante. Acredito no meio termo das coisas. Nem muito nem pouco.O que você valoriza ter e ser? Valorizo muito o saber. O conhecimento. Lembro de um artigo da Fernanda Torres com o título “Elite” acho que todos devem ler. Que ela questiona quando o saber vai entrar na moda. Pois o ter (roupas, carros, artigos de luxo) está cada vez mais na moda, mas e o saber? Ele vai entrar na moda? Será que daqui a alguns anos, quem tiver mais conhecimento vai ser mais legal? Mais valorizado? Enfim, acho que eu divago.

Com esses papéis de destaque a projeção na mídia é maior. O assédio das fãs atrapalha na hora de ter um relacionamento sério? Acho que não. É preciso dividir as coisas e o tempo. Saber dedicar tempo a pessoa que você ama, e ao seu trabalho e também aos fãs. Eles são muito importantes no trabalho do ator, não se pode menosprezar o público nunca. É o maior retorno que um ator pode ter.

Interpretar papéis tão distintos, do mais romântico ao mais egoísta, influencia em algo nos seus relacionamentos? Acho que não. Não sou de levar o personagem para casa. É importante saber dividir.

 

Certa vez li a seguinte frase: “sou responsável pelo que falo e não pelo que você entende.” Será que é por aí o motivo da guerra dos sexos: as mulheres procuram sentido em tudo, entendem errado o que os homens dizem e passam a fazer cobranças descabidas? Talvez. Acho que as mulheres valorizam coisas diferentes dos homens. O segredo é saber o que as mulheres valorizam e se colocar para também ter o que você quer. É um jogo muito interessante de se jogar (digo jogo no melhor sentido, não me levem a mal.) Acho que nenhuma cobrança é descabida, se ela existe é porque em algum momento você não cumpriu com as expectativas delas. É para se pensar.O que toda mulher deveria saber sobre os homens? O pensamento do homem é mais simples e objetivo.

E o que todo homem deveria saber sobre as mulheres? As mulheres são mais complexas, questionam mais e precisam de mais cuidados.

 

Marco antes e depois da fama. O que mudou pra melhor e o que não te agrada?  Tento continuar sendo como era. A essência não pode mudar nunca. Se mudar acho que está no caminho errado.Por conta de Rafael você emagreceu, deixou a barba crescer… No dia a dia, você é um cara vaidoso? Como cuida do visual? Nem um pouco vaidoso. Tenho dois itens essenciais que não abro mão e carrego na minha mochila onde quer que eu vá. Um perfume específico e um sabonete para o rosto de farmácia de manipulação para pele oleosa. Só! Com relação a roupas uso sempre um jeans e uma camiseta LISA, preta branca ou cinza. All Star no pé. Pronto!

Qual seu programa predileto com os amigos: uma partida de futebol, uma conversa em mesa de bar ou uma balada à noite? Uma conversa em um bar, ou casa de amigos. Ou na minha própria casa.

Acompanhe a MENSCH
também pelo Twitter: @RevMensch e baixe gratuitamente pelo iPad na App
Store.