Um dos grandes talentos de um ator é a versatilidade de como ele troca de personagem e convencendo o público ao ponto de gerar amor ou ódio. É o caso de Rodrigo Andrade, que ao encarnar o medonho Berto de Gabriela recebeu muitos elogios, mas também xingamentos por conta do caráter de Berto. Confundir ator e personagem ainda é algo muito comum, de certa forma é até um tipo de elogio, pois é sinal de que ator e personagem estão tão bem encaixados que se tornam um só aos olhos de alguns fãs mais ardorosos. Depois de encarar personagens diferentes, Rodrigo mergulhou nesse trabalho da obra de Jorge Amado e acertou em cheio. Adorávamos odiar aquele Berto. Aqui Rodrigo nos falou dos seus projetos, como músico e ator, e posou para dois ensaios, em um deles, ao lado da namorada, com toda a dramaticidade que lhe é peculiar, e no outro ele encarna um paparazoo.Depois do pacato Téo de Caras & Bocas e o polêmico Eduardo de Insensato Coração, chegou até você o violento Berto de Gabriela. São três personagens muito diferentes um do outro, isso te assustou em algum momento ou te instigou desde o começo? Claro que instigou! O ator adora essa versatilidade, uma hora poder ser o louco e no outro momento o médico. Com o Eduardo as pessoas só faltavam me pôr no colo, com o Berto é totalmente ao contrário, já até apanhei de senhora na rua.

 

Em Gabriela, o seu personagem era ruim que dói, sentiu alguma antipatia do público por conta disso? Berto já te incomodou em algum momento? Eu adoro o Berto, porque ele exige muito de mim, pois é totalmente diferente de mim. A resposta do público é que onde eu chego antes de me falar “Oi” ou qualquer coisa, a pessoa já diz que não gosta de mim (querendo falar do Berto). Sempre tem alguém falando o que o Berto merece (risos).Acredita que as mulheres ainda se deixam subjugar pelos homens? Com certeza, tanto que está ai a Lei Maria da Penha, criada para proteger mulheres que sofrem todo tipo de abuso. Algumas mulheres ainda se deixam subjugar por homens que respondem com violência e em alguns casos até a morte. Isso precisa acabar o quanto antes.

O coronelismo, tão em alta nos tempos de Gabriela, ainda tem espaço nos dias de hoje? Com certeza! O que há em comum entre o personagem do Antonio Fagundes uns “poderosos” de hoje em dia?
Até onde você é capaz de ir por um personagem? Até onde ele me exigir, nós atores, somos motivados pelo desafio.

O que há de melhor e pior na carreira de ator? O melhor com certeza é poder trabalhar, ter oportunidades e o ruim é exatamente o contrário, não ter espaço para mostrar o que você sabe fazer, sua profissão. É o mesmo que uma pessoa que se forma em medicina e não pode praticar.

Considera-se hoje firmado na sua profissão? Só o tempo poderá responder para todos nós isso.

Alguns atores consideram novela menor que cinema e teatro. Você concorda? Como vê isso? São produtos totalmente diferentes, não tem como comparar. A TV é um produto de grande alcance, que entra todo dia na casa dos telespectadores. O cinema é um produto quase feito artesanalmente e que tem um tempo muito maior para ser executado e o teatro é uma intimidade, uma proximidade do público com os atores.Quais os planos para depois de Gabriela? (como ator) Como ator eu ainda estou conversando, mas coisas boas virão.

Algum projeto com música? Será esse seu projeto sertanejo para depois que terminar Gabriela? Depois de Gabriela, vou gravar meu segundo cd. Já estamos escolhendo repertório, gravando algumas músicas, já estamos tocando o bonde.

 

Hoje em dia o Rodrigo ator tomou mais espaço que o Rodrigo cantor? Não, eu sou o Rodrigo, único, não existe essa divisão. Brinco que tenho dois empregos como a maioria dos brasileiros.Por falar em música, soubemos que você foi produtor de uma banda de axé. Isso é verdade? Como foi essa experiência? Sim, trabalhei quase dois anos na Banda Água de Fogo, foi um período muito bom. São bons amigos, já gravam musicas minha e recentemente fiz uma participação cantando com eles em uma musica do disco novo deles.

O que você curte ouvir? Confesso que música sertaneja e moda de viola são o que mais ouço, mas como músico, sempre dou uma espiada em tudo que está tocando.

E ler, o que você costuma escolher para ler? Jorge Amado? Já gostava antes de Gabriela? Jorge Amado é obra obrigatória durante a escola, lembro de ter lidos alguns clássicos. Atualmente estou lendo “Uma nova visão do Amor” de Flávio Gikovate.

 

 

Como preserva sua vida pessoal, mesmo sendo um ator famoso? Não expondo ela. Ponho um limite até onde permito que a imprensa entre. Quem trabalha com TV sou eu, não minha família, minha casa, então não é certo expô-los. Dou entrevista, apareço em TV quando tenho algum trabalho para falar, agora se for só para falar de vida pessoal, prefiro ficar na minha casa.Como faz para relaxar depois de um dia intenso de gravações? Toco meu violão, jogando vídeo game, conversando com minha namorada, nada muito fora do comum.
Nesse ensaio você aparece num clima mais dramático, tipo filme clássico de Marlon Brandon ou Clark Gable… Como foi participar desse ensaio? Eu já sou meu doido, tenho facilidade para viver outras vidas, quando eu junto com outro louco como o Santoian ai rola essas “loucuras”.Falando em vídeo game… Quais você mais curte? Recomenda algum? Já participou de algum campeonato online? Eu gosto muito de jogar futebol, FIFA e PES. Temos uma turma de amigos que jogamos online.

Fotografia: Sérgio Santoian

Produção: Vanessa Marques
Assistente de fotografia: David Zoega
Participação de Melina Torres
Acompanhe a MENSCH
no Twitter: @RevMensch, curta nossa página no Face: RevMensch e baixe no iPad, é
grátis: http://goo.gl/Ta1Qb