Na primeira coleção masculina sob a direção criativa de Paul Andrew, Florença ganha vida com a energia de uma visão multicultural e multigeracional para o homem Ferragamo. As vastas tradições artísticas, intelectuais e econômicas da cidade, os moinhos, fábricas e artesãos aos arredores, a famosa Fonte de Netuno recentemente restaurada pela Ferragamo — todos servem como ingredientes valiosos de uma nova direção estética, códigos de estilo para uma nova era. Gloriosamente tradicional e ao mesmo tempo incrivelmente moderna, Florença é a paixão nos olhos da Ferragamo, um lugar de qual é e sempre será sinônimo.

Os códigos tradicionais de moda masculina encontram conceitos mais jovens de estilo nesta coleção, de modo que uma parka leve substitui um blazer clássico, o jeans de cinco bolsos tem caimento flare e detalhes em couro, a calça tem a extensão da perna cheia e longa, e a jaqueta de alfaiataria é interpretada como sportswear utilitário. A masculinidade é comunicada com uma liberdade que não é mais restringida por normas de gênero inflexíveis.

Cor, matéria-prima e artesanato inovador preservam informações e transmitem cultura na Ferragamo de Paul Andrew. Uma ampla paleta de tons terrosos e tons naturais é iluminada com momentos de saturação em rosa-choque, verde luminoso e noite profunda. O couro napa unido ao jersey de algodão, gabardine de linho técnico, náilon de algodão ripstop, cervo, lã e camurça compõem um catálogo essencial de tecidos e couros vistos nas linhas de ready-to-wear e artigos de couro. Inspirados por designs de calçados de arquivo e o trabalho de artesãos toscanos locais, elaboradas técnicas de tecelagem e bordados em ráfia aparecem em artigos de moda feminina – conectando o universo masculino com o feminino, afirmando o papel fundamental do artesanato como origem e coração pulsante da maison, juntamente com a busca por formas inovadoras e não-convencionais de composição de materiais e fabricação.

A união entre o artesanato sofisticado e alta tecnologia, um conceito característico na visão de Paul Andrew para a Ferragamo, é expressada através de um espadrilhe de plataforma, uma versátil sandália de camurça inspirada no modelo “Kimo” de Salvatore de 1951, e em uma sapatilha de couro e borracha concebida por um impecável savoir faire artesanal. Bolsas e pequenos artigos de couro exibem o luxo de couros impecáveis e funcionalidade minimalista.

Idealizado por Paul Andrew, o homem de Ferragamo viveu e amou, ganhou e perdeu, e tem a sabedoria e dimensão atribuída à experiência. Sua identidade pode ser celebrada no pódio, mas não se baseia em validações externas para existir. De fato, ele não está interessado em ser descoberto – ele já se encontrou.