Costuma-se dizer que na cidade de São Paulo come-se bem até no botequim da esquina, e não há nada mais saboroso que tirar a prova disto. Sem dúvida a cidade apresenta a maior diversidade gastronômica do Brasil, talvez por agregar pessoas de tantas nacionalidades ou por ser o centro do país, ou simplesmente, por ser São Paulo. A cidade possui cerca de 12,5 mil restaurantes, com 52 nacionalidades, etnias e regionalidades, apresentando das mais diversas influências dos temperos tipicamente brasileiros às tendências internacionais de cozinha contemporânea e formando uma combinação indescritível – é preciso experimentar.

E os números seguem expressivos. Contabilizam-se 15 mil bares, 600 restaurantes japoneses, 3,2 mil padarias, 6 mil pizzarias e 500 churrascarias. Lá são feitos diariamente 10,4 milhões de pãezinhos (ou 7,2 mil por minuto), um milhão de pizzas (720 por min.) e 400 mil sushis (278 por min.). (Fonte: Prefeitura de SP). Como comer bem é uma das prioridades do homem MENSCH, decidimos fazer um tour gastronômico pela terra da garoa em homenagem ao seu aniversário de 457 anos comemorado semana passada.

Restaurante D.O.M 

Um almoço no restaurante DOM, sem dúvida, é a melhor opção para começo do tour gastronômico por São Paulo. A primeira visão sem dúvida é das melhores, o espaço pequeno e poucas mesas, dá àquela impressão que a comida é feita com mais capricho. A cozinha é comandada pelo chef Alex Atala, que afirma utilizar muitos ingredientes descobertos em suas viagens pelo Brasil. São vários os prêmios que o chef e a casa receberam desde a sua abertura em 1999, inclusive, ficando em 24° lugar no ranking dos melhores restaurantes do mundo, de acordo revista britânica Restaurant Magazine, no ano de 2009.

Nos seus pratos o chef procura explorar ao máximo cores e sabores. E quem for pelo DOM, sugerimos o filé alto com Aligot (que é uma espécie de purê de batata com queijos, que lembra até o gosto de fondue), este prato é interessante, pois para atingir o ponto perfeito do “‘purê” é necessário que o chef o manuseei até o ultimo segundo de servir, assim, para a sua surpresa, o chef vai até a mesa e monta o prato na sua frente. Não menos interessante, é o Fettuccine de Pupunha com Camarões Glaceados, para quem gosta da mistura do doce com o salgado. O restaurante também conta com um bar logo na entrada e uma adega com os melhores vinhos do mercado. Para os interessados, o DOM fica no bairro dos Jardins, e para visitá-lo é obrigatório fazer reserva.
Terraço Itália


O restaurante fica no topo de uns dos cartões postais da cidade de São Paulo, para ser mais preciso, no 41° andar, do edifício Itália, que é protegido pelo patrimônio histórico por se tratar de uma das maiores obras da arquitetura brasileira. Além da vista de 360 graus da cidade, o chef italiano Samuele Oliva, oferece a autêntica comida Italiana. Já imaginou a cena né, vista espetacular, boa companhia, uma piano de fundo musical, um porre de vinho e muita massa.

As massas são preparadas e cortadas na hora, os pratos com peixe e frutos do mar são a especialidade da casa, há também muita carne de caça e funghi. O chefe afirma que suga ao máximo o real sabor dos alimentos, com técnicas de cozimento, dispensando ingredientes como creme de leite e manteiga. O prato mais festejado sem dúvida é o Linguine al nero di seppia com molho de frutos do mar, para os leigos como eu, o massa preta espanta um pouco, más além de ser excelente, os frutos do mar tem uma textura que derrete na boca. Os pratos principais variam entre R$75,00 e R$150,00. O terraço Itália fica no centro de São Paulo, as reservas poderão ser feitas por telefone ou pelo site.
Buddha Bar

O Buddha bar é conhecido no mundo todo, presente nas principais capitais, como; Nova York, Londres, Paris, Cairo, Las Vegas, Dubai e São Paulo. Eles definem o empreendimento como lounge-restaurante. A filial paulista fica dentro da loja Daslu, ao lado do espaço da Louis Vuiton (não existe uma boa sinalização para se chegar ao local, então vá seguindo o caminho que leve a loja das famosas bolsas, o perigo é sua melhor resolver da uma passadinha por lá).
Com toda certeza um dos pontos fortes do restaurante é o ambiente, que é muito imponente. No salão principal você de cara com uma estatua do Buda importada da Tailândia de quase cinco metros. Ao entrar no local, à direita, você verá logo o Sushi Bar, uma boa opção para quem vai sozinho, mais adiante, fica a área mais disputado do local, a privacidade de dois bangalôs patrocinados pela marca Veuve Clicquot.  A casa conta ainda com um lounge, um bar e um terraço a céu aberto. A experiência se completa com Djs ao vivo.

A melhor forma de explicar o cardápio, sem dúvida, é como eles o definem; ”Ousadia num cardápio que traz o oriente como influência e o ocidente como toque especial, seus pratos traduzem o mais exótico deleite da “cuisine fusion” – a fusão das cozinhas asiática e francesa, e são assinados pelo renomado chef Erick Jacquin. Já Anderson Sousha comanda a cozinha japonesa trazendo inovação e sofisticação em um cardápio excêntrico”.

O restaurante também oferece os shushis tradicionais, o que na minha opinião não é vantajoso pedir, pois é igual ao das outras casas. Uma boa sugestão é seguir o menu, o couver, entrada, prato principal e sobremesa, que custa em média R$ 200,00 por pessoa, dependendo, é claro, do pedido. Para o couver, sunomomo (pepino japonês), manteiga, alguns patês e pães. A entrada aconselhada foi um Carpaccio com vinagrete de wasabi e como prato principal, dentre inúmeras opções, a sugestão é optar por um camarão que vem na folha de bananeira. Sem dúvida, pratos muito criativos, ir ao Buddha Bar é uma experiência impressionante.

Pizzaria Cristal

O forno a lenha é comandado pelo pizzaiolo Edilson Ferreira desde que a casa abriu em 1991, preparando as famosas pizzas individuais de massa fina e crocante. A Cristal está sempre se renovando, tanto no ambiente quanto no cardápio. O bar é um local a parte,  o chopp é geladíssimo e é da Brahma, possui também uma carta de vinhos impressionante, além de bebidas inusitadas e uma exposição de arte. São diversas as opções que vão desde a tradicional pizza de Mozarella, a opções de antipastis, saladas, sanduiches e grills. Como sugestão, peça a pizza que leva o nome da casa, que é coberta por parmesão, manjericão e champignon. A Cristal fica no Jardim Paulistano e é uma das pizzarias mais tradicionais da cidade.

Restaurante Anita

O restaurante Anita é um achado, um daqueles restaurantes que não é muito conhecido, por sinal, quem passa pela rua, é até difícil de notá-lo, a não ser pelo nome em neon. A comida é espetacular, sob o comando de Fabiana Caffaro, e o preço é melhor ainda. A casa abrigava nas décadas passadas um bordel, o que influenciou na escolha na concepção do ambiente, que é bem pequeno e acolhedor. O prato mais famoso da casa é o filé “Oswaldo Aranha”, que é feito a base de alho, como sugestão, também tem um risoto cítrico com lulas; de sobremesa, o “Bolo nega maluca”, que é um bolo de chocolate que vem acompanhado com um pote de brigadeiro fervendo. O restaurante fica no bairro de Higienópolis. No site, a chef Fabiana Caffaro disponibiliza parte do seu cardápio.

Restaurante Serafina
O Serafina é um dos restaurantes mais famosos de Nova York, preferido por famosos como Tom Cruise, Leonardo Di Cáprio, Hillary Clinton, e também por um de nossos leitores, que nos indicou recentemente o local. A filial da casa foi aberta em São Paulo na Alameda Lorena, trazendo a tradicional comida italiana. As panelas são comandadas pelo chef Ricardo di Camargo, que já esteve pelos principais restaurantes dos Estados Unidos. Como atração principal da casa estão as focaccias, que é uma pizza mais “rústica”, que até lembra um pão, feitas com farinha italiana especial, azeite extravirgem e sal marinho importado da Sicília, assadas no forno a lenha. Para quem gosta de pizza, a casa sugere a Portofino (tomate, mussarela, pesto caseiro e pinole) e a Bresaola (com queijos mussarela e Fontina, bresaola importada e rúcula).
É claro que a cidade oferece inúmeras opções tão boas quanto essas. Almejamos experimentar muito mais e relatar aqui nossas impressões. Na verdade, a idéia é explorar o que as cozinhas do Brasil têm de melhor. E você, tem alguma sugestão para aonde iremos no próximo tour?
E depois de falar tanto de comida, enquanto você aguarda sua reserva, aqui vai uma receita do chef Samuele Oliva, do restaurante Terraço Itália. Bom apetite!
Fagote de Vieira com Coulis de Manjericão

Ingredientes:

150 a 200g de folhas de manjericão
2 colheres de azeite extra virgem para grelhar os escalopes.
Sal e Pimenta branca a gosto.
18 escalopes pequenos a médios, limpos e sem ovas.
2 colheres de sopa de molho de soja
100g de tomates concassés
150g de massa fresca
2 folhas de manjericão para finalizar

Modo de preparo:
Coloque 12 escalopes em uma tigela rasa e regue com o molho de soja e deixe-os marinando na geladeira de 5 a 10 minutos. Corte 6 escalopes ao meio na horizontal e reserve-os. Prepare a massa e divida em 6 partes iguais.Passe a massa por um cilindro no mais baixo ajuste, até que fique quase transparente. Faça isso com as 6 partes Transfira a massa para uma superfície lisa, usando um cortador redondo de 14cm e corte a massa em 12 circulos. Coloque 1 escalope no meio de cada circulo e cubra um pouco com o tomate e o manjericão, picados. Junte as bordas do ciruclo para cima do escalope para fazer um cume. Prepare uma bacia com água e gelo. Coloque as folhas de manjericão em água fervente com sal.A seguir refresque-as na água gelada e escorra. Transfira-as para um processador e pulse até virar um purê, adicionando aos poucos azeite. Veja se está bom de sal. Passe o molho em uma peneira fina para um recipiente limpo e seco, delicadamente. Cozinhe o fagote em água fervente de 4 à 5 minutos e escorra. Quando a massa cozinhar, aqueça uma frigideira e grelhe os escalopes, temperados com sal e azeite virgem, cerca de 1 minuto de cada lado. Monte o prato em um prato aquecido Coloque molho, e sirva-se a vontade. Rendimento: 04 porções

Texto: André Lima
Fotos: Divulgação
Agradecimento especial aos estabelecimentos citados.