O QUE É REALIDADE VIRTUAL?

Não há muito tempo atrás, a experiência da realidade virtual, ou VR, foi considerada um sonho distante, de alcance para a humanidade. Artistas visuais ansiavam pelo potencial ilimitado, sonhando criar um mundo, lugar ou imagem intemporal onde as pessoas pudessem experimentar tudo isso autenticamente.

Os contadores de histórias só podiam fantasiar sobre as configurações e narrativas minuciosamente detalhadas que pudessem hipnotizar o público. O imenso potencial criativo da realidade virtual captou a imaginação de criadores e consumidores, quando o conceito foi trazido pela primeira vez à atenção dominante em 1992, com o lançamento do filme “The Lawnmower Man”, que retratou as funções futuristas da realidade virtual, pela primeira vez, na tela grande.

Vinte e seis anos após o lançamento desse filme inovador, a realidade virtual deu enormes passos para a realização da representação deste filme. Predominantemente, na indústria de jogos, que viu a taxa de crescimento mais rápida com a implementação da realidade virtual. Seus desenvolvedores têm um espectro cada vez mais diversificado de possibilidades sobre o que eles podem fazer com a tecnologia.

Dispositivos montados na cabeça, que incluem modelos do popular Oculus, estão se tornando cada vez mais comum para jogadores, tornando-os completamente separados do mundo físico. Em suma, o fone de realidade virtual cobre completamente o campo visual de um pessoa e fornece imagens separadas para cada olho, que simula uma imagem 3D. Essas características são emparelhadas com som estéreo imersivo e sensores de rastreamento de movimento da cabeça, que permitem que o usuário altere o campo de visão dentro do espaço VR.

Além desses fones de ouvido, os jogadores podem se equipar com outros equipamentos, a fim de para tornar a imersão mais completa. Através do uso de detecção de movimento controladores, os jogadores podem traduzir seus movimentos físicos que dão movimento às personagens de seu jogo. Por exemplo, se o jogador tivesse a habilidade de disparar uma flecha com um arco no jogo, ele poderia simular os movimentos físicos da vida real, o que os controladores de detecção de movimento iriam traduzir para o personagem no jogo, replicando essa ação.

Este é apenas um dos muitos exemplos dos recursos atuais de realidade virtual usados ​​pela indústria de jogos. Um reino sem fim de oportunidades estará nas lojas, uma vez que os criadores procuram expandir e melhorar a experiência sensacional que eles podem oferecer aos jogadores em todo o mundo.

Desde as inovações históricas de muitos pioneiros notáveis ​​até os anos 60, a tecnologia da realidade virtual progrediu ao ponto em que seu potencial está sendo realizado, a tecnologia está sendo implementada em muitos aspectos de várias indústrias e mainstream, onde o público também tem interesse nisso. Quando as pessoas pensam sobre a realidade virtual, suas mentes, muitas vezes, imediatamente visualizam a indústria do entretenimento. Seja entretenimento no cinema, na televisão, nos jogos ou ao vivo. Essa indústria faz o uso mais proeminente da tecnologia de realidade virtual, principalmente para melhorar a experiência oferecida ao público. No entanto, a questão permanece: Qual é exatamente o potencial que a realidade virtual tem em outros setores da sociedade?

REIMAGINANDO A EDUCAÇÃO

A indústria do entretenimento não é a única a perceber o potencial dessa complexa tecnologia. Existem campos que vêem um uso mais prático para isso, ao invés de apenas o sensacional. A partir de opiniões de especialistas, este artigo vai lançar luz sobre esses campos, bem como dar uma visão detalhada de até aonde a realidade virtual pode ir no futuro. Tome a educação como exemplo, onde a realidade virtual está sendo implementada para criar representações de certos ambientes e situações. Considerando-se que, antes, os alunos só podiam ver fotos ou vídeos sobre determinados tópicos. Agora, com a ajuda da tecnologia de realidade virtual, eles podem colocar-se em um mundo recriado. Cria-se um ambiente de aprendizagem muito mais intrigante e emocionante para os alunos, ao mesmo tempo, ensina-se a eles sobre o assunto de forma imersiva e memorável. Oscar Bastiaens, professor da Universidade de Breda em Breda, Países Baixos, coloca essa visão dessa forma “Quando eu aprendi sobre galáxias pela primeira vez, foi através de livros e fotos, que são ótimos, mas requer que você imagine algumas coisas, você mesmo. Agora, você pode, literalmente, voar pelo espaço se quiser, e eu posso imaginar o impacto que causa em lembrar ou entender o que está acontecendo ao nosso redor”.

A realidade virtual, é uma ferramenta que pode criar uma dimensão extra para alunos e professores se deterem sobre a essência de um determinado conhecimento. Esta realidade, vem preencher os vazios do conhecimento que seriam relegados quando se ler um livro ou se assiste a um vídeo. No entanto, o mais importante, é a experiência que permite que os alunos compreendam e lembrem-se verdadeiramente do assunto em questão.

De acordo com Martin Walker, pesquisador e desenvolvedor da CRADLE, uma divisão da Breda Universidade especializada em pesquisa e criação de realidades realçadas digitalmente (DER) dentro da mídia e dos jogos, a realidade virtual também pode ser utilizada para vários outros campos da educação. Walker explica que os alunos podem ser colocados em uma situação de realidade virtual a que eles têm que responder” como um exercício de aprendizagem, exigindo que eles interajam com a simulação virtual para completar tarefas.

“Assistir a um tutorial do YouTube para realmente estar em um ambiente de VR com um professor ou grupo de estudantes é um enorme salto no realismo e imersão. Até onde podemos ver, é uma área que vai usar bastante da VR no futuro”, afirmou Walker.

Embora haja um potencial inquestionável de evolução da realidade virtual em relação à sociedade moderna e à mudança da forma como abordamos a educação, essa ambição não vem sem ônus. Como acontece com todas as coisas, existem certas preocupações que vêm no rastro dessa ambição. Bastiaens observa que a realidade virtual pode representar uma ameaça genuína à mentalidade do aluno, pois eles podem ver a experiência da realidade virtual como entretenimento, ao invés de vivenciá-la como uma ferramenta para aprender. Ele acredita que, a seriedade do assunto não deve ser subestimada pela implementação dessa realidade, no final, deve ficar claro que isso é educação e não necessariamente, uma história de ficção.

Bastiaens continua “Eu acho que é importante criar experiências que, quando vêm especialmente para a educação, devem ser fiel à realidade, tanto quanto possível, de preferência completamente. Você quer que as pessoas se sintam envolvidas, imersas e tenham uma sensação de presença naquele espaço virtual, mas ao mesmo tempo, não se distrair com o que chama sua atenção ao seu redor. Assim, encontrar esse equilíbrio é algo que as instituições e os pesquisadores estão sendo pressionados para pensar sobre, ultimamente. Walker concorda com isso, afirmando que há muita ênfase nesses detalhes “O conteúdo principal é rei”.

A realidade virtual para a educação não vem sem riscos. Portanto, a exploração e a experimentação de um formato único deve ser evitada, uma vez que, existem muitos. Acreditamos que, o futuro da educação poderá girar em torno da realidade virtual, desde que, por meios apropriados.

NEGÓCIOS INOVADORES

Ao mesmo tempo que a tecnologia da realidade virtual se desenvolve, o mesmo acontece com sua aplicabilidade. Empresas em todo o mundo estão continuadamente descobrindo soluções para problemas e otimizando seus procedimentos de negócios com o uso da realidade virtual. Carlo de Heer é CEO da Goldviz, uma empresa especializada na criação de serviços de ambientes e produtos virtuais interativos para empresas situada em Alphen aan de Rijn, Holanda. Sua empresa cria réplicas virtuais detalhadas de seus projetos para os clientes observarem, dando a eles uma oportunidade única de ver acabamentos   de seu edifício, por exemplo, antes mesmo deste ter sido construído. A realidade virtual simplifica atividades que, de outra forma, consumiriam mais tempo, recursos ou dinheiro, tornando-se um trunfo inestimável para qualquer negócio.

De Heer sugere que a realidade virtual pode beneficiar as empresas de maneira que, nenhum outro meio ainda pode providenciar. “Percebemos que as empresas que criam produtos são aquelas que mais podem se beneficiar da realidade virtual, pois lhes dá a oportunidade de apresentar a seus clientes retratos precisos de produtos acabados antes de terem que fazer um”. Ele continua dizendo, “É uma boa maneira de dar ao cliente uma ideia precisa do produto que você entregará, sem ter que gastar grandes quantias de dinheiro em um protótipo”.

No que diz respeito à arquitetura, a tecnologia está avançando, permitindo que os arquitetos projetem totalmente uma interpretação virtual de um edifício, com mobiliário e tudo, e apresentá-lo para o cliente. Usando um fone de ouvido e um microfone acoplados ao VR, o cliente pode ser colocado dentro do ambiente virtual, onde eles podem andar, olhar em volta e experimentar o que está dentro ou em torno do edifício. Mudanças podem ser feitas no mundo virtual sem custo, o que é totalmente compreensível, o design ser aperfeiçoado conforme o acordado com o cliente, antes mesmo que o solo tenha sido tocado.

Além de vantagens financeiras, a realidade virtual também é capaz de ser benéfica para aqueles que interagem com essas empresas. Por exemplo, os empregadores podem mostrar aos funcionários em potencial a simulação virtual do que é preciso no processo que seu trabalho implicará, sem o requerente de estar no local, ou mesmo no país. “Se você tem cem candidatos, alguns até do exterior, então é muito difícil trazer todas essas pessoas para que venham e experimentem um pouco da cultura da empresa”, observou Bastiaens. “Eu tenho trabalhado com um vídeo de 360 ​​graus em um ambiente de trabalho para que você possa realmente ver as pessoas que você conhecerá mais tarde quando começar a trabalhar lá”.

Essas estratégias podem ser postas em prática para aumentar drasticamente a eficiência de certos processos, economizando tempo e dinheiro ao fazer isso. Existem muito poucos métodos, se houver, que podem criar descrições precisas de produtos, processos ou ambientes para os clientes sintam a experiência, quando e onde quiserem. A realidade virtual estabelece uma acessibilidade entre uma empresa e seus clientes que era inatingível antes, deixando muito poucas dúvidas quanto ao que o cliente pode esperar da empresa.

No que diz respeito a esse tipo de indústria, De Heer diz está percebendo que seus concorrentes estão aumentando. “Assim que realidade virtual se tornar mais acessível, a demanda por ela começará a aumentar à medida que mais empresas vão querer descobrir o que exatamente elas podem fazer com isso”. Apesar da crescente concorrência, De Heer continua otimista em relação ao futuro. “Olha, é um nova tecnologia e acho que as possibilidades de implementação da realidade virtual são extremamente vastas, permitindo espaço suficiente para a competição. As empresas mais prováveis a competir nesse mercado ​​começarão a se especializar, oferecendo programas de treinamento em vendas, ou talvez até mesmo segmentos para fins médicos ou industriais”.

REVOLUCIONANDO A SAÚDE

Talvez a perspectiva mais excitante para os desenvolvedores da realidade virtual seja o setor de saúde, onde a tecnologia da realidade virtual está mudando a maneira como os especialistas em saúde, abordam saúde física e psicológica. As pessoas começaram a debater o tópico de como tratar doença mental, e, enquanto o aconselhamento sempre foi considerado a solução primária, a realidade virtual tem impactado rapidamente o setor de saúde. A capacidade de experimentar cenários dentro de um ambiente seguro, concede aos pacientes e terapeutas uma nova plataforma para combater seus medos. Esse tipo de terapia é muitas vezes chamado de “terapia de exposição”, uma vez que, o paciente é exposto à situação que desencadeia o problema psicológico.

A terapia de exposição, sempre foi considerada arriscada devido ao sofrimento que causa aos pacientes quando exposto à situação da vida real, mas provou ser eficaz em muitos casos, uma vez que força o paciente a lidar com a tal situação. Usando a realidade virtual para expor as pessoas a essas situações em um ambiente virtual, ainda desencadeia as mesmas reações psicológicas, mantendo o mesmo impacto, sem ter que colocar o paciente nessas situações no real mundo.

De acordo com Martin Walker a realidade virtual também pode ser usada como um método de distração para pacientes hospitalizados que estão submetidos a procedimentos estressantes. Através do uso de um fone de realidade virtual, pacientes podem ser “instalados em um ambiente mais confortável”, distraindo-os do procedimento em curso. Isto provou ser especialmente eficaz com crianças que, em geral, são mais ansiosos do que os pacientes mais maduros. Essas medidas, embora bastante simplistas na prática, ajuda a aliviar algum desconforto para os pacientes.

“Através da realidade virtual, posso imaginar que as crianças possam criar seu próprio espaço, no qual, elas se sintam confortáveis”, Oscar Bastiaens compartilha sobre esse assunto, aludindo a crianças que ficam sem seus pais, quando hospitalizados. “Essa é uma parte importante da recuperação também: ser capaz de sentir-se confortável, sentir-se à vontade. A realidade virtual pode definitivamente contribuir para coisas desse tipo, que aplicada a um hospital, torna-se extremamente útil. Para ser capaz de fornecer às crianças a liberdade de criar o mundo em que elas se sintam seguras, eu acho que a realidade virtual oferece-lhes algo verdadeiramente único e algo que está chegando para ficar, talvez”.

Outras práticas de saúde nas quais a realidade virtual é mais frequentemente utilizada incluem fisioterapia, reabilitação e dependência química. Carlos Santos, coordenador do Cradle de pesquisa e desenvolvimento disse que está atualmente envolvido em um projeto para desenvolver um sistema baseado na realidade virtual que pode combater o vício em substâncias de qualquer tipo. “Estamos tentando criar o que chamamos de uma clínica virtual, onde eles vão ter psicólogos trabalhando com pessoas que sofrem de dependência, e tentar apoiá-los para superar suas dificuldades”, Santos afirmou. “Estamos tentando criar um ambiente de forma a envolver os participantes e tentar orientá-los de maneira específica”. Desnecessário será dizer que, com todas estas inovações em curso, o futuro da indústria de cuidado com a saúde vai mudar drasticamente, devido ao surgimento da realidade virtual.

ESTÁ AQUI PARA FICAR?

Tal como acontece em relação a qualquer tópico, existem vários ângulos para serem analisados. Existem pessoas que veem a realidade virtual como algo que chega para se tornar um elemento extremamente importante da vida cotidiana e há aqueles que não estão convencidos de que esta venha para ficar. Isso pode fazer sentido com a tal tecnologia nova e em expansão.

Apesar de ver o enorme potencial e esperar tudo isso acontecer, Walker acredita que a realidade virtual é anti-social. “No momento em que temos telefones e as pessoas estão andando presas a eles, a realidade virtual pode nos levar ao próximo nível. Você coloca seus fones de ouvido e sua esposa, filhos, o cachorro desaparecem. Esse é outro grande problema da realidade virtual. Você precisa de tempo para aprender a usá-la. Você não pode usá-la no trem, no carro ou no escritório porque você se torna isolado do mundo”. É por isso que Walker acha que a realidade virtual ainda precisa encontrar seus ajustes. “Demorou muito tempo para que o rádio e a TV encontrassem seu nicho, acho que em relação à realidade virtual, é a mesmo coisa. Ninguém sabe ainda o que fazer com isso. Eu acho que demorou muito tempo para as pessoas compreenderem o que é, porque são tantas coisas diferentes ao mesmo tempo. É a imersão, é o 360, é uma tecnologia tão nova e estranha que também estamos lutando para descobrir para que serve”.

Por outro lado, De Heer está convencido de que a realidade virtual está apenas “em seus estágios iniciais”, mas que o progresso e desenvolvimento da tecnologia só verá seu impacto benéfico crescer na sociedade. Além disso, Santos explica que ele espera que a VR faça uma transição para o espaço virtual, semelhante à mídia social. Um espaço virtual onde os usuários se comunicam com outros avatares e onde as empresas possam testar seus produtos, mesmo antes de fabricá-los e liberá-los no mercado. Além disso, ele menciona que as empresas também poderiam usar esse espaço virtual para fazer pesquisa de mercado e estudar grupos alvo.

Qualquer que seja o futuro que esteja reservado para a realidade virtual, é um assunto que só ganhará mais notoriedade com o passar dos anos. Seu potencial para beneficiar a humanidade já foi comprovado, mas à medida que se desenvolve e cresce, nós vamos ter que esperar e ver se ela pode realmente pegar e causar um impacto significativa mudança na sociedade, tal como a conhecemos. Deixamos nas mãos responsáveis ​​dos talentosos especialistas para decidir o destino dessa tecnologia de impacto.

Veja vídeo da matéria: