Como se espera de cada novo BMW, eis um novo conceito de carro que influenciará o design dos próximos conversíveis que estiverem por vir. Esta maquina foi idealizada por Adrian Van Hooydonk, que é responsável pelo design dos carros conceitos da marca. Para se ter uma idéia, só para se conceber o BMW Vision Connected Drive foram necessários quase doze meses.

Apesar da aparência de vanguarda, o conversível apresenta alguns traços típicos de um legítimo BMW, como tampa longa, forte orientação horizontal salientando a largura, além da aparência intimadora. Mas as inovações são logo percebidas nos faróis e nas grades frontais, que por sinal, alguns afirmam que lembra um tubarão, emprestando à frente do carro uma impressão dinâmica e moderna. O carro foi apresentado recentemente no salão de Genebra, aonde na minha opinião, a BMW brincou um pouco de James Bond, afinal, você já parou para imaginar como um carro poderia se locomover sem motorista? Este pode, pois assim como no cinema, ele poderá ser estacionado, por exemplo, via celular.
É incrível como no carro fluem linhas na superfície e carroceria do veículo que resultam em um jogo de luz surreal. O interior foi dividido em três categorias; informação, conforto e segurança, cada uma com um jogo de luz correspondente, que é definida por uma cor, ritmo, movimento e textura. Quando cada informação for acionada, irá percorrer um caminho que poderá ser visto através da iluminação a base de fibra óptica.
Para simplificar, a coisa funciona mais ou menos assim; a camada de luz responsável pela segurança envolve o condutor e todo o capô do carro com uma luz vermelha, assim, informando que virão um fluxo de informações a serem sinalizadas no painel, aonde,  o motorista poderá observar o que os sensores e câmeras integrados no monitoramento do ambiente externo estão captando.
Ah, o detalhe é que o display do painel aparecerá de forma tridimensional na linha de visão do condutor, eliminando a possibilidade do motorista abaixar o rosto e tirar a visão da estrada. A exibição tridimensional permite uma visão real com informações virtuais, com destaque para os perigos que irão surgir no caminho, captados com sensores de calor. Já os passageiros, tem informação própria, fora do campo de visão do condutor, o que lhe permite ter acesso ao som, informações via internet ou a dados de navegação, podendo, repassar tudo para o motorista com um simples toque na tela disponível.
O conceito de porta foi desenvolvido com o inovador electro-mechanical ,que é um mecanismo que permite o carro ser conduzido mesmo com as portas abertas. Além disso, a porta quando acionada para ser aberta, desaparece da carroceria, deslizando para o interior do veículo. As rodas são de 20 polegadas e formadas em três dimensões, tirando um pouco o caráter esportivo do carro, deixando-o mais elegante. Todas as extremidades do carro possuem sensor integrado ao jogo de luzes, inclusive nas rodas.
Por ter sido apresentado como um conceito, aguardamos ver em breve estas tecnologias implementadas nos carros mais acessíveis. Especula-se muito sobre o futuro do mercado automotivo, mas depois do BMW Vision Connected Drive, sabe-se que ele caminha muito perto da ficção. Resta-nos aguardar para vê-lo desfilar nas ruas brasileiras, quem sabe Eike Batista resolve brincar de James Bond por aqui.

Texto: André Lima
Fotos: Divulgação
Fonte: www.salon-auto.ch/en/
http://www.bmw.com/