Nosso homem da capa, o empresário Rafael Carneiro, é um cara que desde do início de sua carreira como modelo já vislumbrava algo mais para sua vida profissional. Estudou em Londres, fez especialização em moda em Milão e aos poucos foi formando o profissional que é hoje até chegar na sua própria marca, a Splash. “Acredito que sempre tive um senso de estética muito forte, e isso acaba se refletindo no meu estilo”, comentou Rafael ao longo da nossa entrevista. Mas não pense que ele parou por ai, em breve vem muito mais. E nós estamos de olho para acompanhar tudo de perto.

Rafael, conta pra gente um pouco de sua trajetória de vida profissional! Depois de trabalhar por alguns anos em uma empresa multinacional, não me sentia realizado profissionalmente, foi quando iniciei um Showroom Multimarcas no Bairro do Itaim Bibi, um polo de atacado na época. Lá, conheci pessoas e marcas, quando naturalmente, acabei deixando o lado comercial e me inserindo na área de desenvolvimento, prestando consultoria de estilo para diversas marcas.

Soubemos que você começou como modelo aos 19 anos. Como foi essa fase? Uma fase de muito aprendizado e conhecimento. Para mim, um apaixonado por moda desde sempre, foi a porta de entrada perfeita no ramo, pois conheci diversos produtores, stylists e marcas, que serviram como o norte para tudo que sou hoje. Além disso, com a carreira internacional, tive contato com culturas diferentes, pessoas diferentes, e estilos diferentes – tudo isso me serve de bagagem e referencia nas minhas criações.

O que o trabalho como modelo te influenciou como homem mais ligado em moda e como empresário da área de moda? Acredito que sempre tive um senso de estética muito forte, e isso acaba se refletindo no meu estilo. Como modelo, aprendi que a imagem é o nosso cartão de visitas, que você só tem uma chance de causar uma primeira impressão – tudo isso me fez ser mais rigoroso quanto a minha imagem. Além disso, ter trabalhado com estilistas tão incríveis e marcas, me fez apurar ainda mais esse gosto. Na visão como empresário, me fez valorizar mais o trabalho de todos os envolvidos no processo, pois sei que o que para alguns é apenas uma sessão de fotos, representa um investimento, e se bem feito, vai gerar um retorno. Diferentemente do que muitos pensam, a moda não é um mercado fútil, sobre vestidos e bordados, e sim um mercado que movimenta bilhões e gera milhões de empregos, mundo afora. 

Desse período, trabalhando como modelo que momentos foram mais marcantes. Que lugares mais inesquecíveis? O momento mais importante, com certeza, foi uma campanha de perfume para uma marca mundial e o lugar inesquecível foi onde recebi meu primeiro sim, para um comercial para um grande magazine, logo no meu segundo dia em São Paulo. Nem book eu tinha, na época.

Paris, Milão e Nova York qual tem mais seu perfil e onde se sentiu mais em casa? Essa pergunta é difícil de responder – Milão é onde me sinto em casa, pois lá tenho amigos que considero como família. Paris, é minha cidade de maior inspiração, e amo a vibe hipster urbana de Nova York. As três cidades fazem parte da minha agenda anual de viagens.

Você completou o Ensino Médio em Londres, fez especialização em moda em Milão e na FAAP e ainda cursou Arquitetura e Urbanismo na Universidade de Santa Catarina. Ou seja, você se preparou muito bem para o que vinha pela frente. O que nisso tudo foi decisivo profissionalmente? Na realidade, eu nunca planejei ser dono de uma marca, pois era uma realidade muito distante daquilo que vivia. Por ter sido modelo, via as grandes marcas como operações inatingíveis. Meu gosto pela arquitetura sempre foi muito forte. Como não era usual um menino fazer faculdade de moda, acabei me encaminhando nesse sentido. Acredito, que muito da minha paixão por silhuetas, shapes e ângulos vem deste lado arquiteto. Mas depois, a paixão falou mais alto e hoje, vejo que tudo que fiz, vivi e aprendi, é aquilo que utilizo no repertório de minhas coleções.

Você é o diretor criativo e proprietário de sua marca Splash. Como trabalhar esses dois lados de criador e proprietário? Como lida com a criação e o retorno comercial da marca? Na minha visão, as duas vertentes do meu trabalho caminham juntas, pois como sou responsável pela fabricação e desenvolvimento das peças, utilizo essa expertise para ambos

Como começou a Splash? O que te levou até ela? Iniciamos a Splash há aproximadamente 5 anos atrás, na realização de um sonho e baseado na ideia de como acreditamos que a mulher deva vestir-se hoje, sentimos a necessidade de algo moderno sexy com informação de moda e o mais importante, que tivesse o seu próprio DNA. Foi de modo natural. Desde que me inseri no mercado da moda, na parte de desenvolvimento e estilo, comecei a entender o mecanismo e a entender e ver que ali estava a minha paixão, tanto o lado da criação quanto o lado da fabricação. É muito prazeroso você ver as suas ideias sendo produzidas em larga escala. E como sou muito detalhista e perfeccionista, não consigo imaginar uma área separada da outra. 

O que te inspira na hora de criar? Me inspiro em viagens, nas artes, nas minhas vivências. Acredito que meu trabalho é muito autoral e fala por si só, mas sempre desenho um vestido pensando na mulher que vai usá-lo, e no efeito disso nas outras pessoas.

Com esse momento de pandemia, como isso tudo te afetou e que ações e /ou ferramentas usou para superar as dificuldades? Não foi um momento fácil. Acredito que, para todos os empresários, foi um cenário de adaptação e inovação mesmo. Com todas as dificuldades enfrentadas, conseguimos ter um crescimento dentro da média, e criamos novas linhas, conquistando assim também outros públicos, deixando a Splash ainda mais democrática.

Como lida com redes sociais para sua marca e para você mesmo? O quanto Rafael Carneiro também vira uma marca nisso tudo? A Splash é uma marca muito autoral e que transmite um DNA e um lifestyle muito fortes. Desde as peças, passando pelo layout das lojas e também das novas linhas, passamos uma imagem de sofisticação e luxo, sem muito esforço. Então, é natural que as pessoas queiram conhecer quem é a pessoa que está por trás disso tudo. O contato, tanto profissional quanto pessoal, com diversas celebridades também acaba atraindo a curiosidade do público em geral, que quer saber quem está por trás de looks usados em clipes, novelas, publicidades e premiações. Lido de uma forma natural, tenho um público muito carinhoso e fiel, que admira e torce muito pelo sucesso tanto meu, como da Splash 

Da época de modelo ficou a vaidade e o estilo em se vestir bem? Do que não abre mão na hora de se cuidar e vestir? Minha camiseta preta , que é minha marca registrada e uniforme há mais de 4 anos Uso todos os dias, assim como todos os meus funcionários, quando estão de expediente. É uma forma de ficar mais próximo a eles, que eles fazem parte da família Splash

Na hora de relaxar, o que faz sua cabeça? Deixar o celular de lado e curtir o momento

Quais os próximos passos para este ano, ainda?  Este ano é um ano de grandes desafios para a Splash. No próximo trimestre, vamos lançar a nossa tão pedida linha masculina e também ingressaremos no mercado de varejo, abrindo nossa primeira Flagship Store.

Fotos @glauberbassi / Styling @natykuprian / Assessoria @rlassessoria