Formada em cinema, roteirista e atriz. Se isso já não fosse o suficiente para Mayara Lepre certamente ela iria atrás de mais coisa. Bem humorada, inteligente, divertida e altamente comprometida com suas realizações, Mayara é aquele tipo de mulher que quando chega já chama atenção. Recentemente participou da novela “Pega-Pega” na Globo, Mayara é uma humorista por natureza. Seja na sua vida particular onde diverte o namorado, seja no ambiente de trabalho, o humor está sempre presente. “Para um comediante tudo que é ruim de passar é bom de contar, vemos sempre o lado divertido das coisas”, conclui Mayara. E nós da MENSCH não poderíamos passar por ela sem dar a devida atenção que ela merece. E aguardem que vem mais Mayara em breve por aí.

Mayara como você descobriu que o humor seria o fio condutor da sua carreira? Seja atuando seja como roteirista. Nunca foi diferente… desde criança eu era engraçadinha, espontânea, inventava histórias, fazia a família toda rir. Eu adoro fazer comentários inesperados, é muito gostoso provocar risadas, me satisfaz. Quem eu sou influencia diretamente no meu trabalho.

Onde você se sente mais à vontade escrevendo ou atuando? Que peso cada uma das funções tem para você? Me sinto muito à vontade nas duas funções, inclusive gosto de alternar. A rotina de cada uma é bem diferente; atuar é agitado e envolve muita gente, emoções; escrever é um processo mais solitário embora a troca de ideias com as equipes é gostoso demais, aprendo muito. As duas coisas me completam.

Como foi participar da novela “Pega-Pega”/ foi sua primeira novela? Pretende fazer mais? “Pega-pega” foi incrível, o texto era ótimo, o elenco muito divertido e eu pude viver um personagem muito distante de mim. A Raquel era uma mãe irresponsável e muito despachada. Adorei poder viver algo novo. Me investiguei em vários lugares psicologicamente.

O humor é fundamental para um bom relacionamento? Nos meus sim… (risos) Eu faço muita piada no dia a dia, adoro uma “zuera”. O Thiago (meu namorado) adora minhas bobeiras e ri demais.

O que te tira do sério? Falta de educação.  Fico chateada com gente incapaz de perceber os outros, só enxergam as suas necessidades.

Por que é mais fácil fazer rir do que chorar? Concorda com isso? Eu acho mais difícil fazer rir… O riso é provocado pela surpresa ou pelo constrangimento e pra isso temos que pensar fora da caixa, estimular muito o criativo, pensar as situações fora do fluxo normal. É bem difícil…

Ser uma mulher exuberante ajuda a compor personagens? E ao mesmo tempo assusta os homens? Exuberante?  Eu sou natural, não vou a academia e como o que eu gosto. Sou tranquila com o meu corpo e acredito que ele é meu instrumento de trabalho. A maioria das minhas personagens eram mulherões divertidas, eu adoro. Construo uma pessoa, vou lá e faço, não tenho medo, nem vergonha de nada!

Por falar nisso o que eles precisam ter ou ser para chamar sua atenção? Inteligência é fundamental. Me encanto com boas conversas… principalmente quando tem comentários bem humorados…

Onde os homens ainda erram na hora de conquistar uma mulher? Alguma “receita infalível”? Não acredito em receita infalível, cada pessoa é uma e cada um tem a sua lista de prioridades, e elas são bem diferentes! Mas acredito que ouvir a mulher é essencial.

 

O que inveja nos homens? E o que eles deveriam aprender com as mulheres? Eu acredito que homens e mulheres são muito diferentes, e essa biologia influencia muito em quem somos. Invejo que os homens não tenham que passar cada dia da vida se provando ou se protegendo, porque isso é direito conquistado desde sempre. As mulheres ainda enfrentam muitas situações desagradáveis não só no trabalho… Acho que aprender todos temos muito, independente se sexo, o que espero dos homens é respeito pelo meu corpo, por quem eu sou e pelas minhas escolhas.

Se fosse escrever o roteiro da sua vida ele seria uma boa comédia romântica ou um drama bem humorado? O que traçaria para você? O roteiro da minha vida seria uma comédia, bem romântica. Para um comediante tudo que é ruim de passar é bom de contar, vemos sempre o lado divertido das coisas.  Além de rir dos acontecimentos eu tendo a romantizar.

E que parte da sua vida é ocupada pelo cinema? O que te fascina nele? Grande parte. Eu fiz faculdade de cinema, vou toda semana pelo menos duas vezes, acho mágico assistir filmes naquela sala escura. Eu leio muito sobre o assunto e estou começando a escrever meu primeiro roteiro…

O que vem por aí que pode nos adiantar? Por enquanto estou na redação do “Tamanho família”, na Globo. Espero poder falar mais de outros projetos em breve.

Para conquistar Mayara precisa… De um bom chocolate… mentira dois. Já tenho um namorado. Mas os chocolates eu continuo aceitando.