Foco e perseverança fazem do carioca Alan Victor o profissional que ele é hoje. Aos 27 anos, formado em administração e técnico em contabilidade, Alan é um cara de antenado que sabe tirar lições de toda experiência que passa na vida. Não é à toa que hoje é um dos mais promissores RPs do Rio de Janeiro, conseguindo praticamente quadruplicar sua cartela de clientes em plena pandemia. Um típico representante da falada Geração Z, Alan não se desconecta um minuto da internet sempre de olho em ações e possibilidades que possam atrair bons negócios para seus clientes. Sua visão empreendedora começou aos 17 anos, trabalhando com publicidade em sacos de pães. Na sequência veio o Projeto Praia Limpa e sua conscientização sobre o consumo consciente, educação ambiental crítica, políticas públicas e participação social, até sendo um cara que preza por menos papel e mais digital. Das suas relações de trabalho com sua visão de comunicação atual, ser RP foi uma consequência natural disso tudo. O trabalho de Alan chegou até a Sapucaí, e se depender dele e suas ideias, o próximo Carnaval promete!

Alan, você é um case de sucesso em se tratando de relacionamento via redes sociais. Como começou esse trabalho? Muito obrigado pelo convite! Criei o perfil Rio Fácil (@riofaciloficial) em agosto de 2016, a ideia era compartilhar minhas experiências pelo Rio de Janeiro. Lembro que antes de fazer o perfil eu já estava dando dicas no meu perfil pessoal Alan Victor (@alan.victorrr). Me inspirei em páginas sobre o Rio de Janeiro para criar o meu perfil, como o @oquefazernorio, o @showsnorio e o @cariocandonorio.

Você é formado em que? Algum curso de especialização nessa área? Sou técnico em contabilidade e bacharel em administração. Aprendi muito sobre comunicação no NEA-BC, projeto de mitigação da Petrobras. Foram aproximadamente 8 anos trabalhando por lá, onde organizei muitas reuniões e eventos. Participei também da criação de cartilhas, artigos, artes, notícias, vídeos e até um jogo eu pude criar.

Soubemos que em plena pandemia sua cartela de clientes passou de 5 para 12. Como foi isso? Atualmente são 19 clientes, rumo aos 30 (risos). Acredito muito no meu trabalho e nos parceiros que trabalham comigo. Estar sempre presente e próximo de cada cliente é essencial, diariamente precisamos ter novas ideias e estratégias, principalmente no período da pandemia. O turismo foi muito afetado, principalmente a hotelaria e gastronomia. Eu e a Amanda (sócia) cuidamos de cada cliente como se fosse um filho, temos reuniões mensais ou semanais com eles, acompanhamos sessões de fotos, enviamos tudo para aprovação, tem momentos que precisamos ser babá, para não perdemos pautas importantes. Cobro uma, duas, três, quatro… chego a ser chato de tanto cobrar. Geralmente só ficamos com os clientes que conseguimos mostrar o nosso trabalho, afinal é o nosso portfólio.

Você é um cara da chamada Geração Z (nascidos entre 1994 e 2010), ou seja, um cara que nasceu em plena era digital que faz tudo via aplicativos. Como você enxerga isso? Atualmente passo horas do dia conectado, muitas das vezes me cobro por não me desligar quase nenhum momento. Acredito que só paro apenas quando estou comendo ou dormindo. Vale lembrar que é muito importante estarmos sempre atualizados sobre o mundo da comunicação, que está sempre trazendo novidades.

A vida sem sinal de conexão para você deve ser um terror. (risos) Como driblar esse tipo de obstáculo? Ou nem tudo é só digital para você? Seria um desafio, não me vejo sem conexão! Eu vivi essa experiência de ficar desconectado no ano passado por dois dias na Amazônia. Na verdade, não fiquei 100% off-line, pois o hotel de selva tinha uma sala, onde podíamos utilizar a internet por 1h. Tive a sensação do dia render muito mais!

Hoje com seu trabalho como RP você atende restaurantes, hotéis e festas entre Búzios e Rio de Janeiro. Como surgiu o trabalho para esse nicho? Pretende ampliar para outras áreas e cidades? Se sim, quais os planos e barreiras? Eu sou apaixonado por grandes eventos, boa gastronomia e pelo mundo da hotelaria. As primeiras oportunidades vieram através dos festivais gastronômicos de Búzios e do Camarote Rio Praia. Ambos os eventos eu pude entregar o melhor de mim, fiz produção, gestão de redes sociais, contratações, lista de convidados, cuidei dos promoters e fechei parcerias. Atualmente estou também em Curitiba e São Paulo com os hotéis do Pestana Hotel Group. Tenho muita vontade de expandir ainda mais em São Paulo, mas ainda tem muitas oportunidades no Rio de Janeiro. Os principais desafios para crescer é encontrar pessoas capacitadas e dedicadas para somar na equipe. 

Aos 18 anos seu primeiro trabalho na área de comunicação foi o Projeto Praia Limpa. Isso te deu uma visão mais social sobre o consumo responsável e sustentabilidade? Antes eu já tinha ajudado minha mãe vendendo bolo, churrasco e ímãs de geladeira. Trabalhei também em um mercado e loja de fotos. Logo depois, com 17 anos, fiquei um ano trabalhando com publicidade em sacos de pães e foi quando conheci muitos empresários. Aí um dia fui na praia e postei as fotos da praia repleta de lixos no Facebook, as fotos tiveram um alcance muito bacana. Foi quando aproveitei para mobilizar as pessoas e empresas que eu já conhecia por conta dos sacos de pães, para fazer o Projeto Praia Limpa. Com certeza, inclusive por conta do projeto surgiu a oportunidade de trabalhar no NEA-BC, onde aprendi muito sobre educação ambiental crítica, políticas públicas e participação social. 

Como hoje você costuma aplicar esses conceitos de consumo responsável e sustentabilidade no seu trabalho? No trabalho um dos principais hábitos é o uso da comunicação totalmente digital, evitando o gasto de papel e outros recursos. Também realizo muitas reuniões de forma online, acredito que seja uma tendência cada vez maior. Muitas reuniões presenciais podem ser resolvidas em um e-mail ou uma ligação, não é? (risos)

E que hábitos mudou na sua rotina particular quando ampliou seus conhecimentos sobre consumo responsável e sustentabilidade? Que dicas daria para quem quer mudar hábitos de consumo? A mudança deve ser feita aos poucos de forma processual. Em casa eu faço a separação de todo o material que pode ser reciclado. Sempre destino esse material para um catador de resíduos sólidos. Também sou muito consciente com a moda, sem consumir de forma exagerada, apenas o essencial. Em casa, usamos energia solar, que é algo um pouco caro, porém o investimento compensa a longo prazo. Muitos lugares ainda não têm coleta seletiva. Atualmente, existem vários aplicativos, como o Cataki, que podem ajudar as pessoas a encontrarem um catador ou uma cooperativa próxima. 

Alan, o que é empreender hoje em dia? Empreender é desafiador, mas é muito importante ser persistente, ter amor, ética e coragem para encarar os desafios diários. Atualmente trabalho muito mais que antes, as vezes não tem hora para começar ou acabar, pois os resultados dependem de mim. Quero entregar sempre o melhor! 

Como foi, e tem sido, a retomada de hotéis e restaurantes em meio a essa crise da pandemia? Trabalho redobrado? A maior dificuldade é o planejamento, estamos em um cenário de muitas incertezas. Achamos que teríamos um 2022 mais tranquilo e quando vemos uma nova variante se espalhou pelo Brasil e pelo mundo. O cenário epidemiológico acaba afetando o movimento na hotelaria e gastronomia, assim como, eventos tiveram que mudar novamente as datas, como o Carnaval. 

A pandemia trouxe novos desafios na hora de empreender e criar novas saídas para velhos desafios. O que você citaria de mais comum e primordial hoje em dia com essa nova realidade? Acredito que o primordial na minha área é sempre ter novas ideias, criar pautas e estimular sempre o meu cliente a inovar. Uma comunicação integrada realizada da forma correta, pode mudar a realidade de um estabelecimento e torná-lo um lugar desejado pelo público. Atualmente a comunicação vai além dos veículos tradicionais impressos, que para mim são muito importantes, mas precisamos estarmos atentos ao o online, pois a entrega dele é muito grande, assim como, a geração de resultados. Vale lembrar daquele velho ditado “quem não é visto, não é lembrado.” e fazer o inverso dele, afinal eu quero que os meus clientes apareçam sempre, assim como trazemos os responsáveis da marca como protagonistas, para humanizar e criar uma identidade com o público.

Com o adiamento do desfile das Escolas de Samba para abril, quais os desafios e as expectativas para o Camarote Rio Praia? A decisão da nova data foi assertiva para o nosso momento atual, mesmo sabendo que no final de fevereiro poderíamos sim já ter mudanças no cenário epidemiológico. Com o adiantamento, teremos mais alguns dias para trabalhar e entregar um carnaval inesquecível. Já estamos negociando as novas datas com os artistas que vão subir no palco do Rio Praia. Também estamos conversando de forma individual com cada cliente e oferecendo alternativas para cada um, para que nenhum saia prejudicado, afinal Carnaval é alegria e entretenimento. Não queremos causar transtornos para ninguém! Estou muito ansioso pelo Carnaval, assim como muitos, mas fico feliz em saber que abril é logo ali. Já já vamos poder ver os sorrisos das pessoas no credenciamento, a empolgação ao customizar o abadá, a euforia de passar pela roleta e sentir o chão tremer no ritmo do grande espetáculo da Terra.

Depois de 2 anos sem carnaval, pelo jeito esse promete ser bem especial heim? Ansioso demais por aqui! Será um dos maiores carnavais da história com muita emoção e novidades. Até quem nunca foi à Sapucaí, vai querer estar lá!

Quando quer relaxar, onde recarrega suas energias? Eu sou apaixonado por viajar, quero muito fazer uma viagem diferente a cada 2 meses. No ano passado consegui colocar uma parte desse sonho em prática. Inclusive tenho falado sobre outros Estados no Rio Fácil (@riofaciloficial), tem sido bem bacana a repercussão. Já falei sobre o Amazonas, São Paulo, Brasília, Paraná e Pernambuco.

Para 2022, quais os planos que pode nos adiantar? Espero ter bastante saúde para seguir trabalhando, me sinto muito realizado com a minha profissão atual. Quero muito ampliar a cartela de clientes e fazer novas contratações. Tenho muita vontade de trabalhar no Rock in Rio na área de comunicação, lá tem muitos profissionais que eu admiro e com certeza seria uma grande experiência!