Para o grande público Paulo Vieira talvez possa parecer uma novidade que surgiu na TV do ano passado para cá. Mas o que a grande maioria não imagina que já se vão alguns anos de estrada desde a estreia de Paulo no teatro, passando por stand-up até chegar a ser o queridão do momento no humor da Globo. Boa praça, simpático e talentoso, Paulo rapidamente conquista quem o cerca. De sorriso largo e farto, ele é o cara da vez na TV, na internet e na nossa capa. Nem vamos nos alongar muito aqui na apresentação por que o papo rendeu e foi muito divertido, claro! Já nos sentimos íntimos e já podemos dizer que Paulo Vieira é nosso amigão.

Paulo, você praticamente é uma novidade na TV que surgiu e rapidamente conquistou seu espaço. Isso em algum momento te assustou? Bom, eu não vejo assim. A minha carreira não é só nesse tempo de televisão. Eu venho do teatro. Eu faço teatro desde os nove anos de idade. Tenho 27, vou fazer 28 e ano que vem faço 29. É como se eu já tivesse 20 anos de carreira na minha cabeça. Tenho amigos que falam que conquistei as coisas, cheguei a lugares importantes cedo, mas é porque comecei muito cedo. Sabia que meu caminho era longo, que entre a periferia do Tocantins até a Globo seria longo o caminho. Então não vejo que foi rápido não. Agora, sobre isso me assustar, não! Porque realmente, como comecei cedo, sempre busquei isso, tentei me preparar o máximo possível para tudo. Até porque antes de fazer TV Globo, “Fantástico”, essas coisas, tive um período de experiência muito bom que foi na TV Record onde boa parte do público me conheceu, mas onde eu não era cobrado como uma estrela de TV. Ali se esperava muito pouco de mim, o que me deu liberdade para errar e aprender. E antes ainda do programa do Porchat, muitas outras participações. A primeira vez que apareci na televisão já faz muito tempo. Isso tudo me deu uma experiência para não ficar assustado com esse momento de agora. E também já apareço na televisão há muito tempo no Tocantins. Para mim, eu já era famoso no Tocantins.

Tá parecendo a entrevista que o Caetano fala sobre isso, que ele já era uma celebridade em Santo Amaro… Eu já era em Tocantins. (risos) Fazia televisão lá, reportagens na Globo, eventos especiais… Sou uma figura que desde os nove anos aparece na mídia. Isso foi um laboratório da fama para mim. E entendi o quanto isso não importa. O quanto é efêmero. Você aparece um dia, no outro todo mundo fala com você. Aí, dali a um mês menos gente fala, depois menos ainda, até que ninguém mais fala. Aí, do nada surge uma pessoa e lembra “ah, eu gostei daquilo que você fez, do seu trabalho…” No final, o Tocantins me ensinou que o que sobra é como seu trabalho atingiu o outro, que a fama é só uma coisa de momento mesmo.

Você fez sua estreia na Globo ano passado com o Zorra e este ano já conseguiu um programa seu, o “Cada um no Seu Quadrado”, ao lado de Fernando Caruso. Como assim cara? Qual teu borogodó? (risos) Não tem borogodó não! (risos) E mais que isso: já que “tamo aqui se gabando”, fiz o “Isso é muito minha vida” que também escrevi. Foi o programa que me fez ser promovido a autor da casa. Tem o “Fora de Hora”, que eu apresento. E sem contar, tem o “Como lhe dar” no “Fantástico”. Tem umas coisas, né?  Eu acho que não tem borogodó nenhum não. Acho que vai parecer meio coach motivacional essa resposta – mas tem trabalho. Sou muito inquieto, penso muito sobre meu trabalho. Crio muito. Sempre estou focado naquilo que faço, no meu trabalho. Por isso, estou o tempo todo pensando quadros para programas da casa. Nos formatos, ideias de séries e apresentando essas coisas. Para cada projeto que vocês verem no ar, dois ou três foram rejeitados, que joguei fora.  Tem um pouco dessa inquietude mesmo, do trabalho. Não sei também se é porque estou querendo mostrar trabalho agora na Globo, recém-chegado. E esse cuidado no tempo de pandemia, onde todo mundo se viu nessa necessidade de criar para poder passar o tempo. Também foi um tempo importante para criatividade. Não tem borogodó não. Se tiver, aí é coisa mais do Tocantins, é uma coisa mais de onde venho.

Você já vinha abocanhando tudo que é programa de humor aí veio a pandemia. Para muitos pode ter sido um momento complicado, mas para você não! Ai que a coisa ficou melhor! Você não parou mais e agora é o cara da vez. Como foi para você Paulo encarar essa pandemia com tanto trabalho? Pois é. Acho que esse tanto de trabalho é proporcional à minha vontade de trabalhar. Quando começou o confinamento no Brasil, eu tinha acabado de sair de outro confinamento que passei no hospital por meningite. Saí doido para trabalhar. Pensei: “vou enlouquecer dentro do apartamento”. Fiquei nessa ânsia, trabalhando. O trabalho ajudou a me organizar internamente, a ter uma rotina dentro da minha casa, a limpar minha casa (risos), a me alimentar. Acho que o trabalho ajudou a botar uma rédea na minha vida, nesse tempo tão louco. Nesse caos que foi, que tem sido, mas sobretudo no início e no meio desse caos, o trabalho foi a maneira que encontrei de me organizar, de ter o pé no chão e não pirar.

Você parece ser um cara tranquilo, sem frescura e amigão de todos. Você muitas vezes fala que gostaria de ser “best” de algum ator do Globo, mas hoje todo mundo quer ser o amigo de Paulo. Essa relação de aproximação e amizade sempre foi assim? É tudo isso mesmo? Queremos ser teu amigo também!! (risos) Por favor, então! Vamos ser amigos! Acho que nesse mundo doido em que vivemos, uma pessoa que rejeita um pedido de amizade só pode ser louca. Com certeza vai ser um prazer ser amigo de vocês. Amigo é a coisa mais importante do mundo, porque sou escorpião, acredito em signo. Esse é o momento que os ateus param de ler (risos). Fabio Porchat, desculpa! Como bom escorpiano, gosto de lealdade e acho que amizade é um terreno mais fácil de você colher esse tipo de sentimento. Sou muito leal e gosto de confiar mesmo. Gosto de relações bem estabelecidas. Ao mesmo tempo, sempre saio de casa pensando isso. Que estou saindo para fazer amigos. Tento sempre ter uma relação verdadeira com as pessoas à minha volta. As pessoas que trabalham comigo. O afeto é a melhor maneira de viver, de se comunicar. Tento fazer amizade com todo mundo à minha volta. Talvez por isso, essa impressão de que sou o “amigão”. Porque é uma tentativa minha de criar relações, o mundo é muito chato. O mundo corporativo é muito chato. Trabalho com arte, tenho esse privilégio de criar um ambiente de trabalho que seja mais sobre afeto, do que sobre regras ou salários no fim do mês. Talvez seja isso.

Geralmente seus personagens retratam pobres com uma simpatia e humor que vai além do drama real. O segredo é esse, levar no bom humor as situações mais difíceis? Pelo menos o meu segredo é o segredo da minha família, foi como aprendi com eles. Sempre fomos pobres. Passamos por fases muito complicadas. Só mais tarde, fui descobrir que ser pobre é triste em algum lugar ou que essa é uma condição que pode gerar vergonha em alguém. Foi quando entendi a genialidade da minha criação. A genialidade que meu pai e minha mãe tiveram ao criarem eu e meu irmão. Passamos dificuldades. Sabia que era uma dificuldade, mas sempre passamos por isso rindo de alguma outra coisa. Minha mãe sempre usava o humor para sobrepor a realidade que a gente vivia. E não tem novidade nenhuma nisso. É uma característica do povo brasileiro. Mais do que rir dos personagens, acho que é das situações que as pessoas riem também. Daquilo que elas têm por identificação. Elas também passaram por isso na vida delas. Rir da própria desgraça é um clássico do brasileiro. Não estou inventando a roda, né? É realmente a maneira como a gente lida com a vida.

E como foi seu início? Por que hoje em dia o público conhece o bem bom do sucesso. E o início da tua trajetória como foi? “Foi há 84 anos”, aquele meme do Titanic, sabe? (risos) Meu início foi desacreditado, como todo início de uma pessoa como eu. Preto, pobre, gordo, do interior do Brasil. Todo início é assim, muito difícil. Comecei a fazer teatro muito cedo, mas tudo muito difícil, não tinha condições de pagar um curso de modelo e manequim. Fiz tudo que era gratuito na minha cidade. Lia tudo que tinha na biblioteca da minha escola sobre teatro. Isso muito desacreditado da minha família, que não me apoiou no início. Para falar a verdade, agora que meu pai parou de mandar link de concurso público para mim. Foi o início clássico de todo mundo. De ninguém querer filho artista. Teve também a fase de transição sobre quando vim para São Paulo. Eixo Rio-São Paulo, mas minha base é São Paulo e essa foi mais difícil ainda, porque para um cara que já é desse eixo, tentar a sorte e fazer teste pra TV é fácil: ele pega o ônibus e vai. Agora, para uma pessoa do interior do Brasil como eu tentar fazer um teste… Tem de dar tchau para o pai, para a mãe, aquela choradeira na porta, Elba Ramalho toca… Não sei qual que ela tocaria pra ida. (risos) Não. Na ida toca Zezé di Camargo, aquela “o dia em que eu saí de casa…” (risos) Daí você sai e vai tentar a vida em São Paulo, longe da família, sem conhecer ninguém na cidade com todas as dificuldades que isso impõe para a gente: aluguel e mais… Sempre tive uma fé muito grande que as coisas dariam certo. Quando passava por dificuldade, pensava: “que ótimo, história para contar. Mais um capítulo da minha biografia”. Sempre brinquei com a Ariana Nut – a gente morou junto por muito tempo e toda vez que passávamos por dificuldades, eu falava: “isso é para enriquecer a biografia”. Acho triste aquela biografia que não acontece nada, né? Sem emoção nenhuma. Passamos muita dificuldade. Fazer show em um lugar e ganhar quase nada. Fiz show que não pagava nem a passagem, mas era só para estar em cena. Foram essas dificuldades que fizeram a gente chegar onde chegamos.

Soubemos que aos 12 anos você já estava fazendo teatro em Palmas. É isso mesmo? Você era agitado e inquieto desde cedo? Pois é, desde os 12 anos, minha peça profissional, cobrando ingresso, com gente na porta, teatro lotado. Teatro Fernanda Montenegro, minha casa para sempre, lá em Palmas. É isso, eu sabia que precisava começar cedo. Queria ser ator mirim, a verdade é essa. Lembro que todo ano ficava chateado porque ainda não estava na televisão quando começava o “Criança Esperança”, o “Teleton”. Sempre vinham os atores mirins da Globo, daí ficava pensando, me martirizando.  Um desejo que sempre foi tão forte no meu coração que eu já sabia que deveria correr atrás logo. Uma coisa interessante foi quando fui chamado para fazer um teste para “Chiquititas”. Minha mãe não me levou porque estava lavando roupa. “Ai, filho! Tô cheia de roupa pra lavar”. E eu: “mãe, mas é só hoje”. Ela: “Ah, mas hoje é o dia que vai dar sol”. E não me levou. Digo que ela atrasou minha carreira em 15 anos. Já era para eu ter feito televisão, para estar voltando com uma história interessante de ídolo teen. Mas não rolou. Tive que entrar na televisão mais “véio” mesmo.

Deu muita raiva a sua mãe ou a fazia morrer de rir que esquecia suas trelas? (risos) Já usei muito desse artifício. De fazer minha mãe rir para não apanhar. Eu sabia imitar o Pato Donalds e ela amava. Quando ela estava muito brava e pegava uma coisa para me bater era só falar “ah, mamãe” com a voz de Pato Donald. Ela começava a rir. A minha mãe sempre foi um público fiel, sempre quis conquistar o riso dela. Já usei muito isso para não apanhar. E agora sobre dar trabalho, eu não dei, não. Sempre fui muito responsável, trabalhador. Comecei muito cedo a trabalhar. Vendia salgado na rua desde os 12 anos. Ajudava meu pai na fábrica. Vendia salgado na porta da escola. Depois fui ambulante, vendi “pão de quente”, “mané pelado” – que é bolo de mandioca. Enfim, fiz mil coisas, mas sempre trabalhando. E acho também que essa coisa de ter de ajudar a família… Eu cuidava do meu irmão mais novo. Sempre fui meio que pai dele. Passava o dia todo, ajudava na tarefa, isso me fez amadurecer muito cedo. Sempre fui o mais responsável da minha turma. Nunca fiquei bêbado, nunca fumei. Agora que tenho de escutar isso: “ah, artistinha da Globo, fuma maconha…” Nem sei o que é uma maconha, fiz PROERJ na escola. Estou me gabando só para dizer que sou um bom filho mesmo. Porque realmente sou. Fui muito responsável. Não sei também se vou continuar assim. Porque tem um fenômeno que é muito triste, da adolescência fora de época. Quando a pessoa foi responsável a vida toda e resolve “meter o louco”. Tenho muito medo disso. Então, sei lá… 55? Imagina… Vocês fazem uma capa aí: “Paulo Vieira doido no centro” Não sei… Até então, não dei trabalho nenhum para a minha mãe. Sou um anjo.

Com a fama e a visibilidade o que de fato mudou na sua vida? Qual o ônus e o bônus disso tudo? Pois é. Quase nada mudou. Para dizer a verdade, nada! Porque eu não saio para quase nada, por isso faço tantos programas. Vivo em casa estudando texto, escrevendo coisas, sou muito focado. Então, só faço isso. Estou num tempo de construção de carreira. Praticamente, não descanso. Passo meu tempo todo trabalhando. Acordo, escrevo texto, vou pra Globo, apresento outro projeto. Quando faço um programa meu, piro mais ainda. Vou para a ilha de edição. Vejo cada segundo, faço edição final do quadro, mudo a cor de cenas.

Aprovo objetos, figurinos, converso com diretor sobre planos. Sou quase psicopata quando assunto é o meu trabalho. Levo muito a sério. Eu não saio. Você não vai me ver em camarotes, em festas. Realmente não sei como é a vida dos famosos. Me vejo mais como um operário daquilo que faço. Chego cedo, faço as coisas. Não é incomum me ver carregando coisas no set. Gosto do estúdio, da televisão e de ver a montagem. Meu trabalho é ver aquilo acontecer. Não é ser famoso, ou viver essa vida. Não sei o que mudou nesse sentido. Sinto que o que tenho feito tem dado muito certo na casa. Para falar de algum bônus, minha alegria é essa. As coisas que estou fazendo darem certo. Me credibilizar na casa para trazer mais coisas. Sou uma pessoa de ideias claras. Minha intenção é que a Globo me dê um cheque em branco para que eu possa fazer coisas cada vez mais caras e doidas. Trabalho assim: me dão responsabilidade e cumpro da melhor maneira possível. Me dão uma responsabilidade maior, tento cada vez fazer melhor para aumentar minha capacidade de produção dentro da casa. É isso que me interessa. Fazer coisas melhores, com mais dinheiro com mais tempo, com mais autonomia, de forma cada vez mais autoral.

Quando falamos de ônus, acho que na minha carreira, seja ficar longe da minha família. Sempre fui parado em Palmas. O problema é esse. Eu já era famoso em Palmas, então para mim, sempre lidei bem com isso. A pessoa me para na rua, tiro foto. Quando chora, eu falo: “pelo amor de deus, não faz isso”. Quero abraçar, levar para casa para almoçar comigo, ser amigo. Não me incomoda. Na rede social, a pessoa se achar no direito de falar da sua vida. Isso aí, eu já vivia na minha rua. Essa coisa do hater, a gente chama de vizinha lá na minha rua. (risos) Então, não tem problema nenhum. Um ônus que tem me incomodado muito é essa pressão de ter de estar na internet. Meu trabalho não é ser uma pessoa da internet. Isso talvez seja um ônus. Pois na TV, os patrocinadores estão levando em conta números de seguidores, o que você faz na rede. Estou na rede para me divertir, trocar ideia. Não estou lá para ser um instagramer. Fazer coisa que você não quer, ter de postar algo para gerar engajamento, ter um algoritmo importante… Acho um saco. Não é isso que faço na vida. Minha arte não é isso. Mas ao mesmo tempo, não sou idiota. Não vou ficar falando “minha arte não é isso”, trancado na minha casa. Então estou lá, faço as coisas. Mas me incomoda, me tira tempo, porque enquanto estou no Instagram gerando coisa para o algoritmo, poderia estar escrevendo outro programa, uma série, fazendo uma música… Enfim, isso é “veíce”. Sou um jovem muito velho.

O que te faz sorrir e o que te tira do sério (algo que parece ser difícil)? O pior que não é difícil. Só tenho essa carcaça de fofo. Na verdade, sou bem fácil de irritar, bem passional. Tenho uma paz frágil. Talvez seja por isso que tento falar manso, ser mais humilde de coração, como diz a Bíblia. Mas é só carcaça para esconder o que sou de verdade, um cara mais bruto. Claro que fui bem-educado, então isso foi controlado pela boa educação que minha família me deu. Mas meu instinto é de brigar na rua. É uma coisa que só quem me conhece mesmo sabe. Aparento ser outra coisa. Muita coisa me tira do sério. Injustiça, por exemplo. Falando de algo mais pessoal, me tira do sério quando vejo que alguém do mesmo ambiente de trabalho não tem compromisso com aquilo que estamos fazendo. Sobretudo quando esse descompromisso do outro afeta o meu trabalho. Sou tão apaixonado pelo que faço. Gosto é de paixão, voltando aqui à pergunta. Gosto de pessoas apaixonadas.  Que amam o que fazem. Quando esbarro em alguém que não é assim, isso costuma me irritar. Fiz uma terapia aqui, pois não falo isso para ninguém. Sempre acho que podemos fazer mais, não curto “corpo mole”. Daí, vejo a pessoa ali só para cumprir horas pelo salário. Isso me irrita muito.

Tem algum tema ou grupo que você não faça piada? Então, vamos por partes. Tenho sempre medo desse tipo de pergunta. Quanto mais a gente diz, ficamos refém disso, né? Essa pergunta é quase um tratado de que eu não faço piada com determinado grupo. Acho que estamos sempre propícios ao erro, ao deslize que pode acontecer com qualquer pessoa que trabalha com comunicação. Nosso trabalho é comunicar. O ruído no meio da comunicação é muito comum. Dito isso: então, sim! Tem certos grupos que tento – e tenho conseguido – não fazer piada, que eles não sejam o alvo da piada. São minorias como negros, gays, indígenas e trans, por exemplo. Muitas pessoas confundem não fazer piada, com ser ou não ser o alvo. Posso fazer uma piada sobre gordo e ela não atacar o gordo e sim a gordofobia. Tem essa sutileza que as pessoas estão cada vez mais perdendo. Assim como têm perdido a capacidade de entender ironia, sarcasmo. Essa cegueira da internet também; as pessoas não param um segundo para ver e entender o contexto do que você fala. Elas só enxergam as palavras chaves. Então, se elas veem “negro”, “gordo”, imediatamente elas se revoltam sem entender o contexto da piada que, às vezes, pode ser uma piada desconstruída. Tento não atacar grupos que já estão sendo atacados.

Recentemente entrevistando Luis Lobianco e ele nos falou que já sofreu preconceito por ser gay e não ser magro. Você já sentiu na pele algum tipo de preconceito? Muitos. Sou preto, primeiramente. Acho muito difícil algum preto no Brasil não ter sofrido algum tipo de preconceito, principalmente pobre. O Brasil já não gosta muito de pobre, quando é pobre e preto, ele odeia. Já sofri preconceito também por ser gordo, principalmente no meio onde essa questão do arquétipo é tão forte. Se o fato de ser preto limita meus papéis, o fato de ser gordo faz a porcentagem cair drasticamente. Se já é difícil para o preto malhado conseguir um papel, para o preto gordo é pior, pois ele está em um lugar onde ele não é sexualizado. Acontece muito isso, a sexualização dos corpos negros. Acho que por esse fato, fiquei tão apaixonado por criar e imaginar eu mesmo as minhas coisas, meus personagens, meus papéis. Sempre tentei ao máximo não depender de outros para ter meus papéis. Graças a Deus, encontrei uma equipe muito boa na Globo que me adotou e adora o meu trabalho. Quando você perguntou do borogodó lá em cima, acho que talvez o borogodó seja este: o amor! Tenho um grupo de pessoas de comédia lá na Globo. Eles me adotaram e gostam muito de mim. Eles escrevem personagens, programas para mim, me convidam para coisas. O borogodó são eles! O borogodó é este grupo de pessoas que me acolheu com tanto carinho e tem me dado muitas oportunidades.

O fato de ser do Norte também me fechou muita porta. Sempre tem aquela coisa: “Mora no Rio?”. O segmento é sempre muito centrado no Eixo Rio-São Paulo. Puxei o assunto entre o pessoal do humor lá na Globo, porque nós precisamos muito de gente que escreva para a gente. Quando digo nós, quero falar de pretos, gordos, do Norte. Nós precisamos de roteiristas que escrevam para a gente. Que tenham generosidade no olhar para o nosso grupo. Diretores que nos coloquem para apresentar e supervisores artísticos que acreditem no nosso projeto. Aproveitei sua pergunta para enaltecer pessoas que tenho encontrado na Globo. Sem essas pessoas, provavelmente eu não estaria dando esta entrevista. Você se interessou pelo meu trabalho quando viu meu trabalho, né? E só pude mostrar este trabalho, graças a essas pessoas que me deram oportunidade. São atitudes como essas que ajudam a quebrar os preconceitos. Atitudes práticas. Não os memes, né? Tela preta no Instagram? São atitudes práticas fazem a diferença.

O humor é uma boa arma para se combater assuntos sérios como preconceito e injustiças? Com toda certeza! Aliás, em muitos casos o humor é a única arma para se combater o preconceito e a injustiça. Do lugar de onde venho, não tínhamos nem o direito a voz. Dificilmente somos perguntados sobre as coisas. O Brasil profundo, como um todo, as periferias… Dificilmente perguntam o que estão achando nestes lugares. Essa é a questão da representatividade. Por isso, a gente faz piada. Com os poderosos, com o sistema todo. O humor é um tipo nobre de vingança. E a única arma que temos contra o preconceito e a injustiça. Me recordo da minha avó e do meu pai fazendo piadas com as falas e promessas dos vereadores. A gente ria daquilo tudo. Agora, olhando da TV, vejo que o humor é uma arma poderosíssima. Por isso, faz parte do pensamento fascista calar a arte. Calar o artista, o comediante. Proibir o que se fala. Se não fosse poderoso, ninguém se importaria. Mas essa perseguição às artes, que todos têm visto, vem do medo de ser ridicularizado, de ser exposto. Principalmente do que a arte é capaz de fazer. Uma coisa que é comunicada pela arte vai para o coração. 

Já esteve numa apresentação, tipo stand-up, e o público era ruim de riso? Como contornar isso? Sim. E é ótimo. Nos ajuda a criar casca. E entender que tudo bem o público não rir. O nadador tem de perder o medo da piscina e entender que ele não vai se afogar ali. O comediante tem de perder o medo da falta do riso. É libertador quando você entende. Você fica sem limites, pode se divertir melhor. Ao perder esse medo do silêncio, você começa a fazer coisas mais legais, ser mais verdadeiro no palco. 

Quem são seus ídolos no humor e serviu (ou serve) de inspiração? Eu não conseguiria colocar em ordem de importância. São quatro pessoas/grupos: “Os Trapalhões”, Chico Anysio, Jô Soares e “Dzi Croquettes”. Esses quatro são muito importantes na minha formação como artista, influenciaram muito na minha criação. Quando escrevo sobre a minha vida, penso neste universo fantástico que quero criar, onde o cachorro fala, coisas maravilhosas acontecem. Penso muito nos Trapalhões, na maneira crítica que o Chico Anysio fazia as coisas. O Jô, talvez, tenha sido a minha primeira inspiração na comédia. Penso muito nos Dzi Croquettes nesta estética do pastelão; o homem que faz a “mulher de barba”. São grupos que me inspiram muito. Amo muito também Monty Python. Parece que tem um tratado internacional que comediante que não cita Monty Python quando fala de comédia, não é hypado.

Eu realmente amo Monty Python. É um grupo que me libertou artisticamente. Assistindo eles, entendi que poderia fazer piada com qualquer coisa. Era só ter a inteligência de olhar pela perspectiva certa. Falando nos dias de hoje, acompanho todos os meus colegas, gosto de muita gente. Nem saberia quem citar, trabalho com muita gente boa, o elenco do “Zorra” é lindo. Tenho a oportunidade de trabalhar com muita gente que admirei a vida toda. Amo Katiuscia Canoro. Dois caras que são referência para mim: Luís Miranda e Marcelo Médici. Passei minha adolescência inteira fazendo textos de ambos. Outro que me inspira todos os dias é o Fábio Porchat. Ele é uma das minhas maiores inspirações. O Fábio tem uma liberdade no meio que pouca gente conseguiu. Ele é um artista de massa, pop e livre. Conseguiu uma liberdade de fazer e falar o que quiser. Isso me interessa muito como artista. Tenho muita liberdade onde trabalho; seja na Globo ou no Portas dos Fundos. Acho que é mais sobre essa capacidade de convencer as pessoas e ter nome na praça, para que as empresas invistam nas suas ideias. Acho isso demais e o Fábio tem isso. 

Como usou o tempo durante essa quarentena? (fora o trabalho que acompanhamos) Aproveitei para ficar junto da minha namorada Ilana. Ela ficou aqui o tempo todo comigo. Trabalhei muito, mas também aproveitei para curtir a vida a dois em casa. Cozinhando, beijando… (risos) Enfim, não vou entrar em detalhes. (risos) Namoramos há quatro anos, mas nunca tínhamos passado tanto tempo juntos, confinados. Foi um tempo muito rico para ambos, aprendemos muito um com outro.

Em momentos livres o que curte para relaxar? Poxa vida! Você pegou no meu tendão de Aquiles. Essa é uma das coisas que mais converso com terapeuta, psicólogo, essa gente toda. Sobre a minha dificuldade em relaxar. Estou sempre trabalhando, pensando em trabalho, correndo atrás. Talvez seja fruto do lugar de onde vim, da dificuldade que é tudo isso. Quase não me permito relaxar. Isso diz muito sobre a síndrome do impostor, sobre não se sentir digno do lugar que você ocupa e ficar tentando fazer mais e mais. Para que as pessoas não descubram que você não é digno de estar naquele lugar. Síndrome do impostor é uma coisa muito comum no povo preto, nas mulheres e nos gays, por exemplo. Todas aquelas pessoas que não costumam se ver representadas em lugares de destaque. Quando elas chegam, acham que deu algum erro na matrix e não era para elas estarem ali. Todo dia me sinto assim. Sou esse cara que não relaxa, estou o tempo todo tentando provar algo. Quando falamos sobre “adoecimento mental” do povo preto é para mostrar uma questão que um branco da Zona Sul nunca vai passar. Imagina? Se ele tiver sucesso, vai pensar: “Óbvio! Tenho sucesso! Meu pai e meu avó também tiveram. Só estou cumprindo o sagrado dever da minha família no mundo”. Já no meu caso, é diferente. Tenho sucesso? Que coisa doida! Meu pai estudou até a quinta série. Minha avó é analfabeta, minha bisavó foi mendiga e a minha tataravó foi escravizada. São coisas que quando se chega ao sucesso, são levadas para a mesa com você. Às vezes, me sinto assim. São coisas que estão sempre comigo. Quando vou para a Globo trabalhar, sinto que isso está comigo. Essa história está comigo. E também é meu trunfo. É o estranhamento que quero ter para sempre: o estranhamento dos lugares. Daí que vem a minha comédia. Faço comédia popular, preciso ter o olhar do povo. Esse estranhamento da burguesia, das coisas caras precisa sempre me acompanhar. Por mais que hoje eu tenha uma vida mais confortável, quero sempre ter esse olhar refinado e fiel à minha origem. Acho que nem respondi à pergunta. (risos) 

Falemos sobre relaxar. Eu amo o Egito! Pesquiso muito sobre o Egito, vejo vários documentários sobre o Egito. Gosto muito também de paleontologia e astronomia. Sempre vejo várias coisas sobre ambos. Sobre o oceano também curto. Sobre baleia! Amo baleia! Baleia é demais, né? Baleia é incrível. Gosto de coisas monstruosas, grandes. Essa é uma maneira que encontrei de entender minha existência em algum grau. Quando vejo a baleia Jubarte, penso que na artéria do coração dela passa uma pessoa, porque o tamanho do coração dela é o de um trator. Isso me coloca no meu lugar, o quanto o ser humano é pequeno. Tento sempre combater o pensamento da fama. O que faço é muito importante: faço comédia. Estar na Globo é muito importante. Tento combater este pensamento, que é quase impossível não ter, né? Você é seduzido por este pensamento. Combato isso no sentido de, se eu fizer uma piada no “Fantástico” e ninguém rir, pode ser o fim do mundo para mim. Mas quando você olha de fora, para o universo não é nada. Quando falo de Plutão, sobre astronomia, o Brasil pode explodir que nada vai acontecer lá. (risos) Devo parecer o cara mais maconheiro do mundo nestas respostas, né? Mas é porque vou tentar te dar uma frase que resume este pensamento: sou cristão, acredito em Deus. Olhando para a criação gigantesca de Deus, entendo a minha insignificância, a minha pequenez e fragilidade. Me permito ser frágil, uma das coisas que tenho mais dificuldade na vida. Pedir ajuda me mostra que sou frágil. E neste momento que relaxo, busco isso. Quem sou eu comparado ao Tiranossauro? Talvez seja até mesmo uma nova religião que estou formando aqui. Quando fui para Nova Iorque, no Museu de História Natural, vi o Tiranossauro em duas salas… Olhei o pé dele e eu não dou um osso daquele pé. Sou um cara de 120Kg e 1,90m. Isso para mim é muito bonito, me coloca no lugar. 

O que podemos esperar para esse resto de ano? A vacina, né? É o que todos esperamos. Estamos todos na mesma. (risos) Sobre meu novo trabalho, o “Zorra” está com a temporada bonita, todo sábado, na TV Globo. Quem não viu ainda, assista “Cada um no teu quadrado” no GloboPlay. Vamos tentar fazer a segunda temporada este ano, torcendo para que tudo dê certo. Fim de ano é sempre a época de preparar os projetos do próximo ano. São novidades que não posso contar. Se eu falar, perde a graça. Adorei a entrevista, muito obrigado pelo carinho. 

Fotos Vinicius Mochizuki

Styling Milton Castanheira

Assessoria JuKReis

Agradecimentos Armadillo, BOSS, Eduardo Guile, Mr Cat