Bárbara França já é prata da casa aqui na MENSCH. Também fica difícil resistir a tanta beleza, simpatia e talento dessa galega que tanto admiramos. Dessa vez a bela está com novos desafios, a volta às gravações da atual novela, “Amor Sem Igual”, na Record, depois de uma longa parada por conta da quarentena. Mas mesmo em tempos mais difíceis, Bárbara tira tudo com bom humor e alto astral, e claro, trazendo novos aprendizados para a vida.

Bárbara, como está essa retomada com a Fernanda de “Amor Sem Igual”? Foi maravilhosa está retomada, estava muito ansiosa, animada para voltar as gravações, eu acho que todo mundo do elenco estava também. A novela foi interrompida em um momento clímax, no momento onde os acontecimentos estavam pegando fogo. Então, ficar este tempo todo parado, quase cinco meses foi muito difícil. Fora a saudade que eu estava do elenco da rotina à vontade de terminar, finalizar a história. Eu me senti muito segura na volta, porque a Record adotou diversos protocolos de segurança, então eu me senti super confortável e segura nesta retomada das gravações.

Você já declarou que adora se jogar em novos desafios. O que sua personagem Fernanda tem te trazido de novo em relação aos desafios? Sim, eu amo desafios! E eu acho que é isso que torna a minha profissão mais fascinante ainda, isso me faz melhorar me faz crescer como pessoa, mas principalmente profissionalmente, isso nunca me deixa cair na zona de conforto. E eu acho que a Fernanda, todos os personagens que eu fiz, posso dizer que foi a mais difícil, porque ela tem várias questões, ela é uma personagem muito complexa emocionalmente. E ela tem questão muito sérias e muito profundas, muitas delas familiares, ela tem uma família bastante problemática, difícil que acabou trazendo coisas horrores para vida dela como mortes, estupros, assassinatos, sequestros tudo isso provocado pelo pai e pelo irmão. Aí que você a contradição né!? A Família que são as pessoas que mais deveriam amar ela neste mundo e causam todo este sofrimento. Ao mesmo tempo e o pai e o irmão, então ela fica dividida. São muitas questões sérias, que permeiam está personagem. Eu estavam pensando a um tempo atrás, nossa a Fernanda e a Bárbara (“Malhação”) foram as mais difíceis mas eu arrisco a dizer que a Fernanda o desafio foi maior pelas situações, cenas a quais eu nunca tinha feito.

E falando em desafios, quais os maiores que você já enfrentou por conta da carreira? Então, o meu maior desafio eu acho que é o grande desafio da maior parte dos atores. Eu acho que foi conseguir de fato oportunidades para mostrar o meu trabalho. Porque são muitas pessoas, e as oportunidades principalmente na época eram poucas, hoje em dia a gente ainda está abrindo um leque com os streaming, séries, Netflix, HBO, Amazon está se abrindo um novo horizonte. Mas antes isso era muito difícil, era algo muito fechado, era Globo ou Record. Então, eu estou desde os meus 13 anos batalhando, vou fazer 28 na próxima semana são quase 15 anos que eu estava lutando, e mandava e-mail, pedia teste, pedia trabalho mesmo até por que que não é visto não é lembrado e nesta profissão está e a maior verdade de todas, então eu fui conseguir a minha primeira novela em 2016. Então eu acho que foi o maior desafio, persistir e não desistir depois de correr tanto atrás. 

Você comentou que não tem apego ao corpo, pelo personagem faria qualquer coisa até raspar a cabeça. Algum limite ou tabu? Eu não tenho nenhum limite ou tabu.  Desde que eu optei por esta carreira, eu sempre tive isto muito claro na minha cabeça, que meu corpo e o meu instrumento de trabalho. Então eu trabalhei muito para que não tivesse apego e nenhuma resistência neste sentido mesmo, então se for preciso cortar cabelo, engordar eu topo. 

Já teve que batalhar seu espaço (seja no trabalho ou vida pessoal) para combater machismo? Eu acho que toda mulher passou por uma situação mesmo que seja pequena, mas que fazem a diferença neste sentido de batalhar o seu espaço, é uma coisa que até hoje em pleno 2020, diariamente as mulheres batalham por respeito, pelo teu espaço, por igualdade e uma que sempre que eu vejo a necessidade, uma situação que preciso me impor, eu me imponho. Eu nunca passei por uma situação extrema, mas coisas do dia a dia pequenas, que são necessárias para gente conseguir cada vez mais o nosso espaço e igualdade. Então, sim! Toda mulher passa por isso é faz isto de alguma maneira.

Sua primeira novela foi em 2012, de lá pra cá você não parou. Falando em batalha, a sua maior é se manter sempre trabalhando? Eu acho que é uma das grandes batalha da minha vida. Como falei na outra pergunta, é muito difícil você conseguir seu espaço. Eu acho que em qualquer profissão, mas falando especificamente da minha, é muito difícil também. E eu não tinha nenhuma pessoa próxima que pudesse me dar oportunidades ou me ajudar nesse sentido. Então foi realmente no caminho mais difícil, tentando me fazer presente, conhecendo as pessoas, mandando e-mail, pedindo trabalhando mesmo, ligando. Como eu já disse “Quem não é visto, não é lembrado” são muitos atores e atrizes, então a gente tem que se fazer presente sim! Para conseguir trabalhar, iguais a mim no meu perfil tem várias, então eu tenho que me fazer presente. Mas graças a Deus eu estou muito feliz com toda minha caminhada, pois estou conseguindo um trabalho atrás do outro e isso é a coisa que mais me realiza, me realizo muito no trabalho. Eu fico extremamente feliz em realizar o meu ofício pois é isso que amo e me motiva. 

O que é mais difícil na vida de uma atriz? Eu acho que fazer novela é uma coisa especificamente difícil. Por que novela e no ritmo de uma indústria né!? Não é como o teatro e cinema. No cinema você consegue fazer poucas cenas em um dia o teatro você tem o mesmo texto pra fazer, mas a novela não! A novela quando você tem um grande personagem, são 15, 20 cenas por dia. Você grava o dia inteiro, chega em casa de noite muito cansada e ainda temos de decorar mais 20 cenas do dia seguinte. Então é muito difícil esta demanda, é um das coisas mais difíceis que tem fazendo novela especificamente. Outra coisa que também acho difícil e você saber separar a sua vida pessoal da sua vida profissional, por que a gente vai gravar em um dia comum, mas no dia você perdeu um ente muito querido, você está super mal emocionalmente mas quando começa o “gravando” você tem de fazer uma cena super feliz, então saber separar nossas emoções e essencial também. 

E como foi enfrentar essa quarentena? Como ocupou o tempo e o que aprendeu? Então no início quando foi decretado a quarentena, eu fiquei muito assustada. Fiquei com muito medo, paralisamos as gravações, o mundo inteiro parou, parecia cenário de filme, não parecia real. Mas eu não posso de maneira alguma, reclamar da minha quarentena, primeiro que a minha família, amigos e pessoas próximas de mim eu não perdi ninguém para o covid, então isso já é um fator maravilhoso e segundo que eu estava contratada ainda, eu tinha este privilégio. Então, eu não tive o que reclamar. Eu comecei a usar o meu tempo de uma maneira positiva e produtiva, eu sempre meditava mas foi um hábito que eu inseri diariamente na minha quarentena, vi muitos documentários, filmes, ler muita coisa e eu usei todo este tempo ao meu favor. O saldo desta quarentena pra mim foi muito positivo, me aproximou muito da minha família e amigos. 

Foi difícil manter a dieta e rotina de exercícios? Foi muito difícil manter esta rotina de exercícios, de dieta não até por que ela nunca existiu na minha vida. Mas a rotina de exercícios foi muito difícil manter, eu tentei o máximo que eu pude. Sempre fui uma pessoa muito ativa desde criança, mas depois com as gravações e as novelas eu comecei a fazer musculação, porque era o que dava para encaixar nos meus horários do dia a dia. Malhar em casa foi um desafio, no finalzinho quase da quarentena eu comprei uma caneleira, mas durante eu e minha ficávamos incentivando uma a outra, foi difícil que quando você está em casa a probabilidade de você querer relaxar e maior, mas com a ajuda da minha mãe deu tudo certo. Uma motivava a outra. 

Qual seu pecado favorito e por que? É a Gula, eu gosto muito de comer! Mesmo satisfeita eu não consigo parar (risos) eu sei que é um pecado, é horrível né!? O equilíbrio e tudo nesta vida, não precisamos exagerar em nada. Pelo menos eu tento, mas eu como boa mineira que tem está coisa da comida muito forte e presente na minha vida, eu tenho este pecado quase que diariamente a gula! A comida! 

Para dormir prefere… Para dormir eu prefiro um chá! Foi um hábito que eu inseri na minha vida nesta quarentena. Então na hora de dormir, eu deixava meu abajur ligado na luz bem baixa, coloca uma meditação para tocar e ia tomando meu chá em meia hora eu estava dormindo. 

Para ler, ver e ouvir… Para ler eu estou em uma vibe muito do autoconhecimento, eu tenho lido vários livros de autoconhecimento, espiritualidade eu estou buscando cada vez mais este caminho. Para ver e ouvir, eu sou muito eclética gosto de todos os gêneros. Sou muito eclética para estas duas coisas. 

E para beber vai um… E muito difícil eu beber. Mas quando bebo eu opto pelo vinho para acompanhar um bom prato de comida. 

Não resiste a um… Não resisto a um strogonoff tem outros pratos tb. Mas o strogonoff eu não consigo resistir. 

Para finalizar, um final de semana perfeito precisa ter… Precisa ter uma boa cia primeiramente, mas para ficar mais perfeito tem que ser um lugar que tenha natureza. Assim iremos estar cercados de boas energias.

Fotos Guilherme Lima

Styling Samantha Szczerb

Cabelo Fellipe Parks

Make Everson Rocha

Agradecimentos Hotel Villa Santa Teresa Looks By Segheto, Glue Glue delivery, Mettaly, Sou Feline