Para comemorar o 70º aniversário do lendário C-Type, ele voltará a ser construído numa edição limitadíssima de ‘continuação’ com as mesmas especificações daquele que venceu Le Mans em 1953. Fiel ao original, lançado no início da década de ’50 e vencedor das 24 Horas de Le Mans de 1951 e 1953, será construído artesanalmente na unidade Classics Work, em Coventry (Reino Unido), com base nos desenhos e registros originais, e complementado pela mais recente tecnologia de design por computador.

O modelo teve um total de 53 unidades fabricadas entre 1951 e 53 – sendo 10 delas só para pista e as restantes vendidas. Serão apenas 8 carros, que devem ficar prontos em 2022. O preço? Alguma cifra estratosférica, certamente, e que ainda não foi divulgada.

A versão do C-Type que será produzida agora é a de 1953, que venceu as 24 horas de Le Mans (na foto antiga) e era equipada com então revolucionários freios a disco e um motor de seis cilindros em linha e 3.4 litros – o mesmo que já era usado no modelo XK-120/140 e, mais tarde, empurraria as primeiras séries do sensacional Type-E. Com tripla carburação, o bicho desenvolve 220 cv de potência e, como é leve, é um carro rápido, mesmo nos dias de hoje.

Preparado para ser construído no QG da Jaguar Classic em Coventry, os ‘novos’ C-Tipos da Jaguar irão seguir com base em um modelo CAD feito de um C-Type original, mais desenhos e registros de engenharia originais dos anos 50, significando que as “especificações autênticas de 1953 do piloto [serão] mantidas com precisão”.

“Setenta anos depois, a Jaguar tem o orgulho de utilizar as mais recentes inovações na tecnologia de fabricação automobilística, juntamente com os conhecimentos tradicionais e especialização ímpar, para reintroduzir este automóvel lendário para que possa ser desfrutado por uma nova geração de entusiastas”, comentou Dan Pink, diretor da Jaguar Classic.

UM CARRO ICÔNICO

A história do Jaguar C-Type começa com o XK120, explica a Automobile, portal especializado em carros clássicos, o primeiro carro esporte da montadora após a Segunda Guerra Mundial. Graças ao seu design e potente motor em linha-6, o XK120 era o carro de produção mais rápido do mundo na época. Naturalmente, alguns proprietários levaram seus carros para corrida. E, finalmente, a própria Jaguar decidiu fazer o mesmo.

Inicialmente, a Jaguar tentou modificar o XK120 existente. Mas tudo o que realmente foi transportado do carro de estrada foi seu trem de força. E mesmo aí, a Jaguar fez várias modificações. Então, em vez de chamá-lo de ‘XK120C’ conforme planejado, a Jaguar o chamou de C-Type.

1953 Jaguar C-Type em Le Mans | Jaguar

Voltando a 1953, inicialmente, o Jaguar C-Type tinha freios a tambor, como o XK120. No entanto, em 1953, tornou-se o primeiro carro de corrida com freios a disco, relata Automobile. Útil, dado que o modelo de 1951 estabeleceu um recorde de velocidade de volta na corrida de Le Mans daquele ano de 105.232 mph, o primeiro carro a quebrar a barreira de 160 km / h, relata o Top Gear. E também porque o Jaguar C-Type não tem gaiola de proteção ou mesmo teto.

Quando Sir Stirling Moss venceu o Grande Prêmio de Reims em 1952, o C-Type se tornou o primeiro carro equipado com freios a disco a vencer uma corrida internacional. Então, em 1953, depois que a Dunlop desenvolveu discos mais resistentes para durar 24 horas, o C-Type venceu Le Mans pela segunda vez (tendo também vencido em sua estreia em 1951). Ao fazer isso, o C-Type se tornou o primeiro carro a vencer as 24 horas a uma velocidade média de mais de 100 mph.  

PASSADO E FUTURO

“Guiado por alguns dos pilotos mais admirados na história do automobilismo, incluindo Sir Stirling Moss, o C-Type estabeleceu as bases para o sucesso da Jaguar nas provas de resistência e é sinónimo de inovação em design e engenharia”, declara Dan Pink.

O anúncio coincidiu com o lançamento de um configurador online do C-Type Continuation. Esta ferramenta permite a visualização do automóvel e a possibilidade de seleção de oito opções de pintura sólidas e quatro metalizadas. Oito cores estão disponíveis para o interior e também é possível decorar carroçaria com um ou dois autocolantes redondos. A Jaguar também irá lançar um sistema de retenção e anti-capotamento aprovado pela FIA, permitindo a estes automóveis competir em corridas para clássicos.