Difícil achar um homem que não se ligue no tamanho de seu pênis. Muitos homens se sentem em desvantagem em relação aos “dotados” por erroneamente supor que tamanhos GG proporcionam mais prazer sexual a(o) parceira(o). Essa insegurança quase sempre é só decorrência de uma fantasia, não de um problema de fato, porque a maioria dos homens não apenas têm uma ideia errada sobre a importância do tamanho do pênis no sexo como também subestimam a dimensão do seu próprio “amigão”.

O tamanho do membro não tem nenhuma influência sobre desempenho na cama. A cultura do “pau grande”, que associa o tamanho do pênis a virilidade e potência sexual, é um dos mais nefastos estereótipos de masculinidade impostos pela sociedade, sem nenhum fundamento. Uma pressão que, para piorar, é reforçada pela pornografia.

A incerteza sobre a dimensão do “amigão”, queixa frequente nos consultórios dos urologistas. Em 99% dos casos não é um problema anatômico, e sim psicológico. Só que essa avaliação distorcida pode ter impacto negativo na autoconfiança, causando receio de usar banheiros públicos ou chuveiros compartilhados e até tendência a evitar relacionamentos íntimos.

UMA QUESTÃO DE PONTO DE VISTA

Na medicina, isso tem um nome: Síndrome do Pênis Pequeno, que é mais um entre as várias disfunções de autoimagem masculina, as dismorfobias, quando há preocupação obsessiva com algum defeito inexistente na aparência física. A inquietação sobre o pênis pequeno é comparada à vigorexia, problema comum entre homens musculosos que se enxergam magros. Trata-se de um julgamento distorcido a respeito do próprio corpo, apesar de todas as demonstrações em contrário.

Os urologistas afirmam que a maioria dos homens com queixas de pênis pequeno tem o órgão dentro das medidas normais. São, portanto, vítimas da Síndrome do Pênis Pequeno. Alguns são obesos, com o pênis parcialmente coberto pela gordura pubiana, ou tem alta estatura, com pênis de tamanho normal mas proporcionalmente pequenos em relação à altura.

Segundo estudos, homens gays e bissexuais costumam ter mais problemas de imagem corporal do que os heterossexuais, já que têm mais oportunidades de comparação nos momentos de nudez.

FATOS SOBRE O TAMANHO DO PÊNIS

A maioria dos homens têm uma noção errada sobre seu pênis. A média de tamanho de 80% dos homens brasileiros é de 9 cm, quando flácido, e de 12 a 16 centímetros em ereção (13,5 centímetros, em média). Como são valores médios, obviamente há pênis normais abaixo e acima dessas medidas. Somente 0,5% dos homens têm pênis menores de 10 cm em ereção e apenas 4,5% dos homens têm pênis com mais de 17,5 cm eretos.

Outro dado anatômico importante é que existem pênis pequenos que aumentam muito de tamanho na ereção, da mesma forma que pênis grandes podem não crescer muito em excitação.

PARA AS MULHERES TAMANHO IMPORTA?

Inúmeras pesquisas demonstram que os homens heterossexuais se preocupam muito mais do que as mulheres com o tamanho dos pênis. Na lista de prioridades femininas em relação aos parceiros esse atributo vem muito atrás de qualidades como personalidade, educação e boa aparência. A maioria das mulheres têm pouco interesse no pênis: elas estão mais preocupadas com a qualidade do sexo e na capacidade do parceiro em satisfazê-las — habilidade sem nenhuma relação com o tamanho do órgão.

A porção mais sensível da vagina está nos primeiros 3 ou 4 centímetros, e o clitóris (um dos principais pontos do prazer feminino) fica na parte genital externa. E como a maioria das vaginas tem uma profundidade entre 9 e 12 centímetros, a maioria dos pênis adapta-se perfeitamente a todas as vaginas. Mais ainda: pesquisas mostram também que grande parte das mulheres sentem até algum incômodo com pênis grandes, que podem causar desconforto no ato sexual.

Uma pesquisa britânica constatou uma diferença gritante entre as expectativas femininas e masculinas a respeito de pênis. A porcentagem de mulheres satisfeitas com o tamanho do pênis de seus parceiros (85%) era muito maior do que a porcentagem de homens satisfeitos com o tamanho do próprio pênis (55%). O estudo concluiu também que a preocupação excessiva com o tamanho era maior entre homens com pênis de tamanho médio do que entre homens com pênis pequenos.

O TAMANHO DO PÊNIS NO SEXO GAY

O “dote” é um fetiche gay bastante comum, influenciado pela pornografia e pelas fantasias ligadas à dominação e submissão. Uma pesquisa inglesa apontou que 22% dos gays ou bissexuais rejeitaram pelo menos uma vez um parceiro potencial por causa do tamanho do membro (um em cada cinco homens).

A anatomia desmente essa valorização do pênis grande no sexo anal: o reto tem cerca de 15 cm, enquanto a próstata — glândula cuja estimulação é grande fonte de prazer, por ser repleta de terminações nervosas — está localizada a apenas 7 centímetros da entrada do ânus. Portanto, todo pênis, por menor que seja, é capaz de proporcionar prazer na penetração.

O PROBLEMA SÓ ESTÁ NA CABEÇA (DE CIMA)

Agora que você sabe que, na real, o tamanho não importa no sexo, se o tamanho do seu amigão lhe causa insegurança, o ideal é consultar um urologista para tirar de vez essa dúvida. A terapia psicológica também ajuda a identificar e corrigir uma possível visão distorcida sobre seu pênis, construir autoconfiança e superar a insegurança nas relações sexuais.

Por fim, um alerta: não funcionam tratamentos, extensores e suplementos que prometem aumentar o tamanho do pênis. A solução para sua preocupação está na cabeça de cima, não na de baixo.

Por Wilson Weigl (@homemnoespelho)