Se tem um sírio mais brasileiro do que Kaysar Dadour, nós não conhecemos. Mas sem dúvida, mais alto astral não tem. Nascido e criado na cidade de Alepo, deixou a Síria em 2011 por conta da Guerra Civil no país. Em 2014 conseguiu vir para o Brasil onde fixou residência em Curitiba, até que sua vida deu uma reviravolta e alguns anos depois ele estreou na TV como uma surpresa do BBB 18 e daí não parou mais. Em 2019 se naturalizou brasileiro, na sequência entrou para o Dança dos Famosos, onde levou o troféu de campeão, fez a novela Órfãos da Terra, série, filme…e agora está à todo vapor dando vida ao dublê Kaká Bezerra, na novela Cara e Coragem (Globo). O papel caiu como uma luva para o elétrico Kaysar que está adorando saltar, pular, usar peruca e até usar salto alto. Mais carioca do que nunca, adora um funk e uma boa prainha.

Kaysar, em 2019 você se naturalizou cidadão brasileiro. Mas o que esse sírio tem de mais brasileiro? Afinal, hoje você parece mais um carioca da gema. (risos) Eu falo que sou sírio-brasileiro com muito orgulho. Esse sírio é apaixonado demais pelo funk, dançar, rebolar e mimar até o chão (risos).

2022 tem sido um ano bem produtivo… No cinema, o filme Me Tira da Mira e na TV, Cara e Coragem. Como ficou sua expectativa para esses dois trabalhos? Fiquei feliz demais de ter participado desse filme, Me Tira da Mira. Foi muito legal, uma experiência nova. Com a direção maravilhosa do Hsu Chien, e o mais legal, o treino da luta com Cléo Pires. E agora na novela Cara e Coragem estou amando todo mundo, galera da produção e da maquiagem… e estou fazendo muitos amigos, tipo André Luiz Frambach, Rodrigo Fagundes, Diogo Savala, Paolla Oliveira e o Marcelo Serrado. Marcelo até me chamou pra participar do show musical dele. A direção da Nathalia e Adriano e a maravilhosa escritora Claudia.

Falando logo do filme… Como é a trajetória do seu personagem Javier na trama? Era um bandido (risos) bem brabo e meu chefe era o meu irmão Silvero Pereira. Muito top.

Quem acompanha você nas redes sociais percebe que você se diverte nos bastidores. De onde vem essa animação rapaz? (risos) Sim todo mundo percebe, porque sempre gosto de colocar música de funk para deixar o ambiente bem animado e gosto de ver todo mundo rebolando (risos). Incluíndo eu.

E falando em Kaká Bezerra, em Cara e Coragem, aí que a diversão é garantida. Até porque seu personagem já foi diversos outros, até mulher. Como é o ritmo de gravação? Olha, quando eu faço dublê da Andrea Pratini me divirto demais, quero fazer mais dublê dela e usar roupa de mulher. Acho muito legal essa experiência de agora de andar de salto alto difícil, né (risos)?! Preciso fazer aulas.

Como foi a preparação para interpretar um dublê em cena? No começo, eu emagreci 12 kg. Juro que foram 12 kg. Mas tudo bem. Agora, engordei pouco, mas tá ótimo. Fiz um pouco de aula de parkour e sempre eu peço para fazer todas as cenas de dublê. Mas nem sempre o diretor deixa – para minha própria segurança (risos), porque eu sou bem louuuco.

E essa rivalidade entre seu personagem e Moa, personagem de Marcelo Serrado, como é o clima entre vocês? O clima é maravilhoso (risos). O Marcelo é muito divertido, é engraçado demais. Então, não tem como gravar ao lado dele sem dar risadas.

Paolla e você têm rendido ótimas cenas. Recentemente, você declarou que ela tem sido muito parceira. Muitos micos e risos juntos? A primeira cena foi com Paolla e aquele safado do Rodrigo (risos). Realmente, quase nem consegui de medo (risos), porque ela é uma atriz incrível, com currículo maravilhoso. Então, achava que ela ia ser braba, mas pelo contrário, ela foi super parceira e me deu várias dicas. E sempre que peço, ela me dá toques para eu melhorar. Até o André me ajuda e Rodrigo também.

O que foi mais difícil, tirar a barba ou saltar de um prédio preso só por cabos? (risos) Tirar a barba, porque estava fazendo dois anos e eu estava muito acostumado. Mas sabe que foi bom tirá-la porque mudei de look e de energia.

Um de seus posts no Instagram você cita oito palavras e pede para que seus seguidores tirem duas. E quais as duas que você tiraria? Álcool e comida porque eu como demais (risos). E assim consigo manter a dieta (risos).

Você se considera um cara muito vaidoso? De quê não abre mão? Sou nada (risos)! Sou muito bagunceiro e coloco sempre roupa que não combina com nada.

Chegou a hora de relaxar, o que procura? Andar de cavalo, escrever poesias em árabe e estar no mato.

Sobre seu novo país, Brasil, o que ainda falta conhecer? Falta encontrar o amor da minha vida.

Fotos Priscila Nicheli 

Styling Samantha Szczerb

Agradecimentos Hotel Windsor Marapendi

Kaysar usou Amil ConfecçõesEduardo GuinleSkipper e Vert