Um look sob medida para você. Já pensou nisso? Imagine então, levar essa exclusividade para o carro. Antigo restaurado, customizado ou um superesportivo preparado. São automóveis que levam itens de up grade para maior conforto, performance, ou, simplesmente, o visual. Portanto, o bom senso estético é fundamental, além da experiência do profissional. Respeitar o design original é lei, pelo menos na maior oficina desse tipo, a BTS Performance, liderada pelo ex-piloto e customizador, Fernando Baptista, conhecido por “Batistinha” desde os tempos de pista, já que seu pai, a primeira geração da família a trabalhar no ramo, é um famoso preparador de motores V8.

Baptista, que cresceu nesse universo, e acredita que não adianta somente a paixão para adquirir um carro exclusivo. É necessário entender do assunto e compreender, por exemplo, que um carro da década de 60, por mais up grade que tenha recebido, ainda é um carro antigo e, por isso, exige cuidados especiais e manejo diferenciado. Já um superesportivo de 700 cavalos exige no mínimo, muita prudência e braço para pilotar tamanha potência.

Fernando Baptista

A customização é uma prática já bem reconhecida no exterior, principalmente nos Estados Unidos. Aqui no Brasil, Batistinha é referência, reconhecido em vários países e também por montadoras, para as quais já fez vários projetos para o Salão do Automóvel. No ano passado, o customizador foi nomeado embaixador do lançamento do Ford Mustang no Brasil, pela Ford. A experiência com este carro ícone e objeto de desejo já fez com que mais de 400 modelos do Mustang, até então importado, já tenham passado pela oficina.  O Brasil tem uma história interessante com automóveis antigos, sendo o Ford Maverick e Ford Mustang, os mais procurados para restauração e customização.

O carro pode ter uma modificação simples, como uma pintura de roda ou aplicação de faixas, até uma pintura completa, troca de suspensão, entre outros. A exclusividade começa na escolha do carro. Cada projeto é estudado, discutido e desenhado antes de colocar a “mão na graxa”. Limitações devem ser respeitadas. “O mais importante, além do desejo de se adquirir um automóvel dos sonhos, é ter uma inspiração, que pode vir de um filme, uma história de família ou simplesmente um sonho de infância”, diz Fernando Baptista.