PARE O MUNDO QUE EU NÃO POSSO SAIR!

Quem já não falou ou ao menos ouviu aquela frase, “pare o mundo que eu quero descer” é um simbolismo usado quando você está cansado ou insatisfeito com algo. Estamos nos adaptando a uma retomada gradativa de um momento onde o mundo parou de verdade. Uma virose que tomou proporções de pandemia e se espalhou pelo mudo fazendo todos pararem e se isolarem em suas casas.

Nessa retomada, seja ao trabalho, ao lazer ou à prática de esportes, vem a dúvida de quanto estará seguro nessas atividades. Sabemos que a vida não pode parar e que com os cuidados necessários precisamos voltar a cuidar da saúde com a prática de atividades físicas, ir para academia é uma delas.

Conversamos com o professor Flávio Carvalho que a muitos anos atua como personal trainer nas melhores academias de Recife. Nos contou sua visão de todo esse momento que passamos e respondeu perguntas importantes, como voltar ou não para as academias e se essa volta representa risco ou ajuda a nos proteger.

Segundo Flávio, como um filme, assistimos pelos jornais o mundo travar uma batalha contra o coronavírus, o Brasil não ficou de fora dessa guerra. Isolamento social, principalmente os idosos e os com saúde comprometida por comorbidades; restrição na circulação das pessoas; uso obrigatório de máscaras; fechamento de bares e restaurantes; parques e praias; escolas e faculdades; comércio e repartições públicas; junto com todos esses, as ACADEMIAS.

É na academia que se trata da saúde do corpo e se promove o descanso da mente. Entre o cansaço do esforço de cada grupo muscular encontram-se intervalos de tempo para jogar conversa fora, dar boas risadas, rever os amigos e se desconectar de um cotidiano nervoso que acompanha a maioria das pessoas. Esse ambiente de tratamento do corpo e da alma ficou calado por cinco meses, devido a necessidade de isolamento social, necessária para que as autoridades sanitárias entendessem a transmissibilidade do vírus e pudesse controlar os índices de propagação da doença. Passado o possível período mais crítico da pandemia em nosso estado, com a melhora nos índices de contaminação e de óbitos, temos a sensação que o pior já passou. Voltar às atividades físicas trará de volta hábitos que foram deixados de lado por alguns, na quarentena. Beber mais líquidos, comer sem ansiedade, ingerir menos doces, dormir melhor e ter mais disposição, dentre outros. Sempre alinhados a boa prática de exercícios.

ENTRE O MEDO E A CORAGEM DE RETORNAR AS ACADEMIAS, O QUE FAZER?

As academias foram citadas como um dos ambientes de mais alto risco de contaminação. No entanto, atividades como, ir ao cabeleireiro, fazer uma refeição num restaurante, ir a um barzinho, fazer compras no supermercado ou entrar num shopping, são exemplos com o mesmo nível de risco. O que faria essas verdadeiras “missões” do dia a dia nessa pandemia ficarem mais seguras? Os cuidados de higiene, controle de temperatura nos acessos e a disciplina com o distanciamento entre as pessoas, unidos ao cumprimento das regras de cada local.

Nas academias, criaram-se novas configurações na disposição das máquinas de exercícios, regras de distanciamento e lotação máxima em 30% da capacidade. Rotinas de higienização e disponibilização de álcool gel em vários equipamentos, medição da temperatura na entrada, uso obrigatório de máscara por funcionários, professores e alunos. Foram adotadas todas as medidas possíveis para gerar mais segurança e reduzir os riscos de contaminação. Assim, a “missão” de ir treinar está parecendo bem possível, não é mesmo? Sabemos que o “ficar em casa” foi o mantra da salvação de muitos. Acumular quilinhos a mais na balança por causa do medo, ansiedade, má alimentação e falta de exercícios, também levará as pessoas a comprometer a sua saúde através de doenças silenciosas como hipertensão, diabetes, osteoporose e obesidade, principalmente nesse momento de possível baixa na imunidade.

Alvaro Moisakis, Flávio Carvalho e Fábio Carrilho

“Depois de diversas tentativas de emagrecer, aos 46 anos, a luz vermelha acendeu; estava pré-diabético, mudar meu estilo de vida passou a ser uma questão de sobrevivência. Comecei uma bateria de exames, médicos, nutricionista e uma nova rotina com reeducação alimentar e exercícios físicos na academia, sempre orientado por meu personal Flávio Carvalho. Aos 48 anos com 40kg a menos, um novo susto, depois de todo resultado construído com muito suor e disciplina, veio uma pandemia que desestruturou toda minha rotina. Academias fechadas, uma nova adaptação da rotina de treinos tão necessária para manutenção dos meus resultados, treinos por aulas on-line, caminhadas e subidas de escada no prédio. O ficar em casa e as tentações da geladeira junto com a dificuldade de manter os treinos foi desesperador e por pouco tudo não foi por água abaixo. Graças a muita força de vontade e o apoio incondicional do meu personal, mantivemos o foco. Com a reabertura das academias, já estou de volta aos treinos e a rotina que me fez sair dos 134kg para os 94kg.” (Alvaro Moisakis)

NUMA BALANÇA DE PRÓS E CONTRAS

Entre o medo e a coragem as pessoas retomam suas atividades e retornam cada vez mais às academias, em um movimento firme e constante o processo ganha força. Entre as ressalvas, a maioria tem acreditado nas soluções de segurança e controles sugeridas pelas autoridades públicas e adotadas nas salas de musculação.

Importante reconhecer que o que aconteceu foi difícil para todos. Nós educadores físicos, alunos que vinham treinando em nível avançado, alunos que tinham acabado de pisar na academia, e aqueles que fizeram planos para 2020 de frequentar uma academia após o carnaval, não dando tempo de fazer o primeiro treino. Foi um choque e recomeçar está sendo um ato de bravura e compromisso com a saúde.

Contudo, percebemos que numa balança de prós e contras, as vantagens de voltar aos treinos, cuidar da saúde e da auto estima, aumentar os níveis imunológicos do corpo, superam as expectativas do risco. Sem dúvidas a volta as academias é uma questão de segurança e conforto individual, cada um deve respeitar o seu timing.

A pouco tempo nós estávamos treinando em casa, subindo e descendo as escadas dos nossos prédios. Mas o improviso não resiste para sempre, sabemos que uma série de treinamento, feito em uma academia, junto a um bom profissional, e acompanhado de uma alimentação balanceada é o verdadeiro caminho para uma vida longa e saudável.

*Flavio Carvalho (CREF 001995-G/PE)

Personal Trainer