A trajetória de algumas personalidades se tornam domínio público e despertam curiosidade de fãs. Alguns viram ídolos e uma referência de comportamento que supera barreiras de religião, cultura e regionais. Com organização do designer e jornalista pernambucano Augusto Lins Soares, dois livros de arte contam a história de dois ícones brasileiros pela narrativa da fotografia, são eles o cantor Chico Buarque e o religioso Dom Helder.

CHICO BUARQUE

O garoto carioca, criado em São Paulo, que quase foi arquiteto, construiu uma das mais sólidas obras da cultura brasileira. Cada um tem seu Chico preferido: o romântico, o especialista da alma feminina, o sambista, o escritor de best-sellers, o dramaturgo. Múltiplas imagens de um artista único. Mais do que suas palavras e melodias tornarem-se um patrimônio nacional, seu sorriso e seus olhos (azuis ou verdes, dependendo de quem os vê) foram também apropriados pelo imaginário coletivo do país. Nada mais natural que ele fosse o personagem escolhido para a fotobiografia Revela-te, Chico, uma espécie de arqueologia visual da vida e obra do artista, organizada por Augusto Lins Soares, com textos de Joaquim Ferreira dos Santos. São 210 imagens selecionadas pelo organizador entre mais de 20 mil fotos garimpadas em acervos de fotógrafos, revistas, jornais, sites, blogs e órgãos públicos e privados, em uma vasta pesquisa iconográfica, além de 22 obras de artistas convidados. “Uma fotobiografia precisa dar protagonismo às imagens, que devem ser editadas para contar e revelar visualmente a história de um personagem. No caso de Chico, é um projeto documental e afetivo sobre um dos maiores ícones da cultura brasileira. O resultado é um painel multiartístico sobre Chico e sua obra”, explica Augusto.

Título: Revela-te, Chico – Uma fotobiografia
Autor: Augusto Lins Soares (foto ao lado)
Páginas: 240
Formato: 23 x 31 cm
Editora: Bem-Te-Vi
Preço: R$ 145