O consumo social de bebida alcoólica faz parte da cultura humana. O hábito afeta negativamente muitas pessoas, principalmente as que praticam atividades físicas e as que pretendem emagrecer. Muitos argumentam que ao tomarem sua cervejinha não sentem qualquer diferença no desempenho, mas essa diferença, a princípio imperceptível, se apresenta gradualmente. A pessoa que pratica atividade física e consome uma quantidade significativa de álcool, em vários períodos da semana, apresenta uma deterioração da qualidade física significativa, como: diminuição da força, da velocidade, da capacidade respiratória e muscular e do equilíbrio.

PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIAS DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS PARA O ORGANISMO QUE ATRAPALHAM A PRÁTICA ESPORTIVA:

  • Desidratação: o efeito do álcool prejudica a função renal, promovendo perda significativa de água e eletrólitos, através do excesso de suor e urina;
  • Arritmia cardíaca: pode ser provocada pelo rápido distúrbio da função renal, ocasionada pelo desperdício de água e eletrólitos, estimulados pelo excesso de álcool no organismo;
  • Ganho de peso: provocado pela ingestão de bebidas alcóolicas com alto índice calórico;
  • Hipoglicemia: o álcool diminuiu a glicose no organismo e com a prática de atividade física acontece um efeito potencializado causando prejuízo ao organismo. Essa ausência de glicose – que deveria ser gasto na atividade física -, faz com que corpo passe a usar a proteína como fonte de energia.

O consultor fitness Rodrigo Lourenço chama atenção para o risco de ingestão de álcool próximo da prática da musculação, que pode trazer graves malefícios ao corpo. “A alta ingestão de bebida alcoólica no dia anterior ao treino pode ocasionar deficiências graves de inúmeras vitaminas essenciais para o corpo, entre elas as vitaminas C, B1, B2, B6 e B12, todas fundamentais para quem deseja potencializar seus ganhos musculares. É praticamente impossível construir massa muscular se uma destas vitaminas estiver em deficiência no corpo. O álcool interfere e age diretamente na hipófise e no hipotálamo, afetando também no quesito hormonal.

O consumo social de bebida alcoólica não é um grande problema para quem não é atleta ou não pretende perder peso, entretanto, para quem espera por resultados, não deve pensar em afetar sua capacidade de sintetização proteica. A dica principal é saber o limite do seu corpo. O ideal é não consumir bebidas alcoólicas 72 horas antes da prática esportiva. “

BEBIDA ALCOÓLICA X PROCESSO DE EMAGRECIMENTO: 

1) O álcool tem 7,1 kcal/g a mais do que carboidratos e proteínas que têm 4 kcal/g.

2) Segundo um estudo de (Suter et al., 1997) o álcool pode fornecer entre 6 e 10% das calorias diárias, ficando atrás apenas do pão branco e doces.

3) O álcool não pode ser estocado no organismo como fonte energética e além disso prejudica um dos principais fatores para o emagrecimento, que é a via de oxidação lipídica.

4) (Suter, 2005) chegou à conclusão que através da referência citada acima, uma grande quantidade de gordura pode ser depositada no organismo, principalmente na região abdominal, ou seja, a famosa “barriguinha de chopp”.

5) (Yeomans et al., 2003) apontam que o álcool estimularia vários sistemas neuroquímicos e periféricos implicados no controle de apetite, tais como a inibição da leptina, glucagon-like-peptide-1 e serotonina, além de realçar o efeito do ácido gama-aminobutírico, opióides endógenos e neuropetídeo Y. Quem sai para tomar uma cervejinha, ou um drink com os amigos(as) e come uma salada?

O consumo de bebida está sempre acompanhado de alimentos gordurosos (como o irrecusável petisco). Quem chega em casa depois da boate, alcoolizado(a), e come uma fruta? A maioria procura consumir gorduras e doces.

Se o objetivo for obter resultados significativos é essencial um investimento na alimentação de qualidade. É necessário abrir mão de guloseimas e álcool e priorizar alimentos saudáveis.