Alguns podem achar Ricardo Lapa, ou simplesmente Lapa, como é mais conhecido, um visionário ou simplesmente um cara que pensou em fazer seu negócio funcionar de forma diferente. Personal trainer por profissão, Lapa terminou virando um belo empreendedor de sucesso. Sua história começou há 10 anos, quando professores de educação física não acreditavam que treino à distância era um bom negócio, e quando alunos não acreditavam que daria resultados. Nessa época Lapa teve a primeira visão para multiplicar exponencialmente o número de alunos particulares através do modelo de negócio escalável, trabalhando com consultoria por whatsapp, que contava com videoaulas de exercícios como material de apoio. O empreendedor triplicou sua renda mensal, que ficou disparadamente maior que o salário fixo oferecido por qualquer academia. “Nessa época eu já tinha uma renda de R$ 15 mil por mês”, lembra. O sucesso foi tanto que Lapa resolveu abrir a própria academia online – o Academia Online Foguete – que hoje já é considerada a maior da América Latina pelo unicórnio Hotmart.

Carioca, hoje com 40 anos, Lapa passou de ‘Personal Ricardo Lapa’ a se transformar na marca Lapa Team, em 2018, que acompanha o slogan ‘O melhor time do mundo’, na qual hoje tem em seu guarda-chuva a Academia Online Foguete, a cerva Lapa Low e projetos voltados para o universo fitness.

Fundada pelo empresário Ricardo Lapa, a Lapa Team é o maior case da atualidade no mercado fitness. A empresa é responsável por marcas, produtos e plataformas digitais, entre eles está seu maior player, a Academia Foguete, com a inovadora estrutura de aulas online AO VIVO – que soma mais de 60 mil alunos no mundo. Em um potente plano de expansão, Ricardo Lapa anuncia a inauguração de duas marcas próprias de moda fitness e beachwear: a Lapa Store e a Gamboa, a chegada de dois novos CEOs, o crescimento de sua marca de cerveja no Brasil (a Lapa Low) e da Academia Foguete com a inauguração de um novo estúdio físico, além da estreia da 1ª aula física dentro da maior rede de crossfit do Brasil, a Crown.

Isso sem falar de atletas profissionais, artistas e influenciadores também associaram sua imagem ao empresário, como é o caso da atriz Bruna Griphao, com quem lançou um treino exclusivo de abdômen, dos atores João Vicente, Chay Suede, Isabella Santoni, atletas Natalia Guitler, Maria Clara e Bruna Wurts, entre outros. A MENSCH foi lá bater um papo com Lapa para entender como tudo funciona e o que vem por aí.

Sua história começou há 10 anos, em uma época em que treinos à distância não tinham audiência e nem referências relevantes no mercado. O que te fez crer que o modelo de negócio escalável para o universo fitness daria certo? Então, na verdade no início foi uma aposta que eu fiz, mas como há mais de 10 anos eu já contabilizava pessoas me acionando e pedindo para que eu montasse programas de treinos, comecei escalando aos poucos estes alunos em um modelo bem simples via whastapp e, a partir disso, quando eu vi que realmente o modelo online daria para ganhar mais dinheiro do que o presencial, comecei a focar cada vez mais neste ambiente virtual e saindo cada vez mais do presencial.

Quais foram os investimentos para chegar aonde chegou e se posicionar como academia online? Em um primeiro momento não fiz investimento nenhum, precisei somente de um telefone e aplicativo de whatsapp para enviar as séries de exercícios, além da minha conta no Instagram para ter como ‘vitrine’ e divulgar os treinos que eu poderia oferecer. Em um segundo momento, eu fiz um site com aulas gravadas e gastei em torno de R$ 10 mil para montá-lo, além de uma manutenção mensal de um fixo de R$ 3 mil. Depois disso, com a entrada da Academia Online Foguete e as aulas AO VIVO, o investimento foi maior, em torno de R$ 350 mil, com a estrutura de telão de LED, iluminação, professores, tráfego pago na internet.

E como você enxerga a influência da Lapa Team no mercado atualmente? Você pensa em mudanças nos negócios quando a pandemia acabar e tudo voltar 100% como era antes? A Lapa Team hoje é uma referência de marca, é inovação em vários sentidos, desde tecnologia até serviço e atendimento humanizado com a comunicação e estratégias que usamos com os alunos. Chegamos no mercado online antes de todos e mesmo sendo os pioneiros, nós estamos sempre inovando. Então as mudanças que enxergo são evoluções de um modelo que está dando certo e que continuará crescendo. As academias físicas podem reabrir sem o uso de máscara como sempre foi, mas as pessoas que conquistamos para treinar em casa não vão querer perder esse serviço que trouxemos, que é o luxo de ter o professor à disposição, ao vivo, dentro da sua casa ou no lugar onde você estiver pronta para treinar, o luxo de não ter que se preocupar com deslocamento, trânsito.

Nem um personal trainer consegue essa entrega física, a não ser que precise gerar mais custo para o aluno conseguir levá-lo onde quiser, entende? E ainda assim vai atingir somente uma pessoa, enquanto eu atinjo cerca de 5 mil pessoas por dia, pois tenho mais 500 pessoas por aula e uma média de 10 aulas por dia na Academia Foguete. Além disso, também solucionamos outras queixas antigas de alunos de academia física, como a falta de assistência, de atenção e de motivação. Pessoas que não eram incentivadas, que não gostavam dos extremismos de dietas e treinos pesados, que não tinham afinidade com a academia e nem prazer em treinar, hoje treinam na Academia Foguete todos os dias, com a câmera ligada, dançam, interagem ao vivo comigo e com os professores. Isso é inovação em formato de treino, dedicação, cuidado e comunicação humanizada. É um atendimento premium e muito mais barato que aulas presenciais com personal trainer, por exemplo.

Você tem um posicionamento diferenciado comparado a outros profissionais da área fitness, como por exemplo, sendo dono de uma marca de cerveja e divulgando em suas redes sociais um discurso mais liberal quando o assunto é dieta. Como isso impacta no seu negócio? É vantajoso para você? Ao longo do tempo eu percebi que tudo o que é radical, tudo o que é muito rigoroso, como dietas restritivas, as pessoas não conseguem seguir por muito tempo. Elas têm desejo de comer bem, de beber, de tomar uma cervejinha, de socializar e quando isso é tirado por completo da rotina delas, acabam aceitando por um tempo a restrição e depois de um, dois a três meses, já não aguentam mais e largam a dieta e como consequência vem o efeito sanfona por dentro e por fora do corpo. Então, eu prezo sim por treinar todos os dias e se alimentar bem sempre que puder, mas nunca deixar de ir, por exemplo, a uma festa porque não pode comer, ou ir, mas levando uma marmita de batata doce com frango (risos) Isso não é vida! Para mim as pessoas têm que ser felizes… Se gostar de comer, pode comer à vontade, mas não deve deixar de treinar nunca. Este é meu objetivo e o que eu passo para os meus alunos. Tem sido muito vantajoso, as pessoas se identificam, hoje já atingimos mais de 50 mil pessoas no mundo treinando na Academia Foguete.

Você atribui isto ao seu propósito por mais saúde e menos estética. Como passa este conceito aos alunos? Eu prezo sim por saúde em primeiro lugar, nem sempre a saúde vem atrelada a um corpo escultural, isso é subjetivo e individual, mas sempre está relacionada a um corpo que faz atividade física. Não adianta a pessoa se aceitar, mas ao mesmo tempo estar obesa, por exemplo, afinal a obesidade é uma doença que contraria tudo o que é saudável. Antes da estética, eu recomendo em primeiro lugar buscar pela saúde mental (com a cabeça boa todas as pessoas voltam no dia seguinte para treinar, já com a cabeça ruim, quase ninguém perpetua o treino). Em segundo lugar, pensar na saúde física e somente em terceiro lugar, buscar a saúde estética. É isso que eu passo para os meus alunos e vem dando super certo.

Você deve ser o primeiro e único personal trainer a ter uma marca própria de cerveja, a Lapa Low. Poderia explicar de onde surgiu essa ideia? Qual o conceito/diferencial e onde podemos encontrar o produto? Com certeza eu sou o único personal que tem uma marca de cerveja própria. A ideia surgiu, porque meu sócio já possuía uma fábrica onde ele produz e envasava cervejas artesanais que não possuem em fábrica comuns e a partir disso, desenvolveu junto ao cervejeiro de sua fábrica uma cerveja low, com apenas 1,7 gramas de carboidratos e 77 Kcal por lata e me chamou para entrar de sócio com a minha imagem. Eu achei que a ideia casou muito bem com o meu estilo de vida, porque sempre consumi cerveja, até mesmo depois das minhas lives de treino. A ideia da cerveja é abraçar também o público que não é fã da bebida, porque ela é zero amarga, não empapuça, além de ser mais saudável, porque chega a ter oito vezes menos carboidratos e calorias do que as cervejas tradicionais. Ou seja, a pessoas podem beber oito latinhas dela sem problemas. Isto equivale a uma latinha da cerveja tradicional.  Recentemente anunciamos a entrada de um novo CEO, Gabriel Boyer, para acelerar os negócios da marca em 18 meses. Em 2022 começaremos a expandir os pontos de venda no Brasil, mirando turbinar o faturamento total da empresa também, mas atualmente a cerveja pode ser encontrada no Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso e Paraná.

Entre as diversas frentes de atuação, projetos voltados para o universo fitness da Lapa Team, podemos esperar novidades/ lançamentos para o ano que vem? Com certeza, estamos em um grande plano de expansão. Para o ano que vem, estamos lançando um novo estúdio, a Casa Lapa 2.0, que vai para outro endereço bem mais moderno, amplo, uma estrutura super diferente e moderna. Também estamos entrando no mercado de moda, lançando duas marcas próprias, a Lapa Store, de moda fitness e a Gamboa Beachwear, de moda praia. Com mais de 60 mil alunos no mundo, em mais de 15 países e 98% do público feminino, partimos para mais esse negócio, a moda. O investimento segue a estratégia digital, com e-commerce que vai vender para todo país com modelos de tops, leggings, shorts, hot pants e conjuntos que conferem funcionalidade e alta performance às atividades físicas, além da linha biquínis. Outra aposta é entrar no mercado europeu!

Você já foi vendedor, taxista e aos 30 se formou na faculdade de Educação Física. Isso prova que nunca é tarde para começar. Qual o seu conselho para quem pretende seguir na profissão de personal trainer e ser bem-sucedido, assim como você? Isso mesmo, fui tudo isso aí e mais um pouco! (risos). O conselho é nunca desacreditar, é sempre focar no seu objetivo, se você realmente faz bem o que se propõe a fazer e sabe que o seu serviço vai te dar um retorno algum dia, você não tem que escutar conselho desanimador de ninguém, que algo pode não dar certo, que deve ir por outro caminho. Lógico que é sempre bom ouvir conselhos, mas se você está convicto de que a sua proposta vai dar certo, confia no seu objetivo e foca sem olhar para o lado! Este é o meu conselho.

Fotos Matheus Guerra

Lapa veste: Look 1: terno Givenchy, sapatos Zara; Look 2 (preto): camisa Hugo Boss, cinto Gucci, calça Zara e relógio Breitling for Bentley; Look 3 (Mercedez-Benz C-300): terno Givenchy, Look 4 (capa e p&b): camisa Hugo Boss, cinto Gucci, calça Zara, relógio Breitling for Bentley e tênis Gucci; Look 5: cinto Zara, calça Zara e relógio Gucci