Nossa musa Aline Fontes é na verdade uma verdadeira pantera pantaneira. Nascida e criada no Mato Grosso, Aline começou a trilhar sua carreira na área de Direito e a vida a levou para o mundo das passarelas com o título de Miss. Mas na verdade, Aline iria se realizar era no teatro, na dramaturgia. “O Direito funciona para mim como um grande aliado, uma ferramenta poderosa”, comenta a bela. Depois que se mudou para o Rio de Janeiro resolveu encarar de frente o trabalho de atriz com cursos e oficinas. E tem dado muito certo. Recentemente ela participou da série “Sessão de Terapia”, no Globoplay, e já ficou um gostinho de quero mais. E pra nós também. Queremos já Aline de volta!

Aline você é formada em Direito, foi trabalhar como modelo e depois encarou a carreira de atriz. Onde se sente realizada?
Na arte é onde me encontro e sinto realizada. Tanto como atriz quanto como modelo consigo estar criando, atuando, sempre explorando novos lugares, conhecendo novas pessoas. O Direito funciona para mim como um grande aliado, uma ferramenta poderosa. Primeiramente pelo amplo conhecimento que adquiri, que me ampliou a visão do mundo, e me deu a certeza que na vida precisamos estar em constante evolução, nunca devemos parar de aprender coisas novas. No mais, sendo advogada, tenho a plena consciência dos meus direitos e deveres, portanto, mesmo não atuando diretamente na profissão, ela está sempre presente e auxiliando nas situações do dia a dia, principalmente nos contratos, parcerias e acordos de trabalho.


Do Mato Grosso para o Mundo. Até onde o trabalho como modelo e o título de Miss te levou?Os dois foram fundamentais para a construção da pessoa que sou hoje. O Título de Miss Mato Grosso e a participação no Miss Brasil me trouxera muitos desafios numa época que eu era apenas estudante, ainda bem insegura. Tive que aprender muito rapidamente a lidar com a exposição e o julgamento público, além do grande esforço físico e mental a qual as candidatas são submetidas. Para enfrentar tudo isso, tive um apoio imenso da minha família, de amigos e da população mato-grossense, que me incentivo e torceu por mim. Foi muito intenso e me trouxe mais maturidade, segurança, autoconhecimento, aspectos que continuei trabalhando, fortalecendo e me impulsionaram a fazer o curso de teatro e iniciar a carreira de modelo, na qual atuo há cerca de 04 anos.




Quando despertou para o seu lado atriz?A resposta pode parecer clichê, mas, de verdade, sempre foi meu grande sonho. Desde de criança sempre esteve comigo essa paixão por atuar. Assistia a filmes e depois ficava horas brincando de encenar. Mas esse sonho apenas pôde se concretizar quando vim para o Rio de Janeiro fazer faculdade, pois então tive acesso a excelentes cursos e professores, que me incentivaram a continuar e lutar para fazer aquilo que gosto.

Pra você, que é do Mato Grosso, quase uma pantaneira (risos), como enxerga esse lado de preservação ambiental?
Posso dizer que sou uma legítima pantaneira, afinal, fui criada no berço do Pantanal Mato-Grossente, um lugar de paisagens incríveis, uma fauna e flora exuberante. Vivenciei todo esse bioma de perto, e, pude acompanhar, infelizmente, diversas mudanças ao longo de 20 e poucos anos. A cada ano que passa, a impressão é que a seca aumenta, o nível do rio fica mais baixo. Em 2020 vivemos uma tragédia no Pantanal, com uma das maiores queimadas na história. Diversos animais não resistiram, outros ficaram sem abrigo com a vegetação toda destruída. Foi muito triste e dolorido ver tudo isso. Felizmente, neste ano a situação não foi tão crítica, as chuvas estão mais frequentes e uma boa parte da vegetação está se recuperando. Mas não podemos deixar de cuidar desse nosso patrimônio, os governos, entidades e a população devem estar sempre atentos, na prevenção e na recuperação do que foi perdido. Aliar o desenvolvimento necessário com a preservação ambiental é o grande desafio para todos.



Como foi conciliar o curso de Direito com o de Teatro?Não foi nada fácil, houve muito foco e determinação envolvidos. Cursava Direito pela manhã, à tarde ia para o teatro, e ainda trabalhava como modelo. A rotina dos dias variava muito, conforme surgiam os trabalhos como modelo. Quando não conseguia assistir aula pela manhã, tentava ir na turma da noite, mas nem sempre dava certo. Acredito que vivia um dia por vez para dar conta de cumprir os compromissos com três agendas diferentes, além, claro, de apoio de colegas, professores e da minha família, que mesmo longe me dava suporte.




A beleza já foi algum problema pra você?
Sinceramente não, mas acredito que beleza é algo bem relativo, ela abre portas, sem dúvida, mas existem muitas outras coisas que se sobressaem numa pessoa e são primordiais para o crescimento pessoal e profissional, como o caráter, a essência, os princípios que aprendemos na infância e a carregamos para a vida toda. 



Quando tem um tempo livre o que faz sua cabeça?
Descansar, maratonar séries e filmes, adoro rever alguns clássicos…Amo também ficar na praia com amigos e família e, sempre que possível, viajar.

No momento o coração está ocupado? O que faz preenchê-lo? Está feliz, leve, tranquilo. Tento me conectar cada vez mais comigo mesma, no autoconhecimento, entender meus impulsos.



Numa relação o que mais importa? Como se completar?Penso que primeiro de tudo o respeito. Sem respeito nenhuma relação pode se manter
Acredito que é primordial ser uma relação de muita parceria, companheirismo, respeito, honestidade… Entender que cada um tem suas individualidades. E claro, o amor, a admiração pelo outro são essenciais.
Acho importante que a gente se complete sozinho, estejamos bem com nós mesmos, que a gente lide bem com a nossa própria presença, e o outro chegue para somar ainda mais de ambos os lados, complementar, não porque você precisa, mas porque os dois querem, e, assim vão construindo um caminho.



Qual seu pecado preferido? Não resiste a que?Meu pecado predileto é a gula!! Afinal, sou descente de italianos e desde a infância sempre fui comilona. Amo experimentar pratos novos, e não resisto ao nosso tradicional brasileirinho, um belo prato de arroz, feijão e farofa.



Dizem que toda Miss adora ler o Pequeno Príncipe, e você, o que prefere ler? Ou ouvir? Ou assistir?Tenho um gosto muito eclético, varia muito com a fase que estou vivendo. Amo os clássicos, desde músicas a livros, e os filmes. A Vida é bela com direção de Roberto Benigni
, Uma Linda de Mulher, Closer, todos do Ingmar Bergaman, são alguns exemplos de filmes que gosto. De livros, os últimos que acabei de ler foi Crime e Castigo do Dostoiévski e o Ego é seu pior inimigo, de Ryan Holiday. Tenho paixão por poesias, e às vezes me atrevo a escrever algumas também.



Um final de semana perfeito não pode faltar…Não pode faltar pessoas que amo, música, programas ao ar livre, boas risadas e um vinhozinho pra acompanhar…



Planos futuros… como advogada, atriz e modelo, o que vem por ai?A pandemia chegou parando tudo quando havia acabado de me formar e estava com mil planos na cabeça, principalmente porque teria tempo de dedicar mais tempo aos trabalhos de modelo e aos projetos como atriz. Não posso reclamar, pois infelizmente ela parou o mundo todo e afetou muitos de forma muito grave, trazendo desemprego, fome, e tirando mais milhares de vidas somente no Brasil.

Com a retomada das atividades, e, com muita cautela, fui retornado meu trabalho como modelo, e principalmente, o que me deixou muito feliz e realizada, tive a oportunidade de gravar a série da Globoplay, “Sessão de Terapia”, com Selton Mello. Agora estou focada em crescer na minha carreira artística, seja como modelo ou atriz. E a advogada Aline estará sempre junto, mesmo que não seja diretamente.

Fotos Marcio Farias

Styling Samantha Szczerb

Beleza Vivi Gonzo

Agradecimentos Lybethras, Seggheto, Gucci e Duloren