Nascida no dia 22 de fevereiro de 1995 no Rio de janeiro, a cantora Lexa começou a cantar aos três anos de idade. Aos poucos Lexa foi aprendendo a tocar alguns instrumentos, dentre eles o piano, e aos 18 anos e sempre muito estudiosa, ela passou para o curso de Engenharia, em uma das universidades mais disputadas do Rio, a UFRJ. Em 2013, Lexa resolveu abandonar a sua vida de estudante universitária, para assim concretizar o seu sonho de ser cantora. Nesse mesmo ano em um estúdio localizado em uma comunidade carioca, Lexa gravava a sua primeira música, onde assim teve a oportunidade de mostrar o seu trabalho para outros produtores. Daí em diante ela não parou mais… A música “Posso Ser”, ficou entre as mais tocadas de 2015, chegando ao “Top 20” da Billboard Brasil. E no início de 2016, com seus números triplicados, Lexa lançou na Web o hit “Fogo Na Saia”. Mas em 2018 a cantora atingiu 125 milhões de acessos do YouTube e se consagra como uma artista cada vez mais em acessão. Agora em 2019 ela acaba de lançar a canção “Amor Bandido” e agitou ainda mais as redes sociais. Entre um show e outro, Lexa posou para MENSCH e conversou conosco sobre seu início de carreira, o sucesso nas redes sociais e os projetos futuros. Aumenta o som e vamos de Lexa! 

Lexa, como tudo começou? Como a música entrou na sua vida? Minha família é da música, sempre fui apaixonada por música e sempre quis ser cantora.

Como surgiu Lexa? Como você foi criando isso tudo? Tudo foi criado da seguinte forma, meu nome é Léa e minha mãe como grande fã da Xuxa me apelidou de Lexa, colocando o “x” no meio do meu nome.

A internet e redes sociais hoje em dia são importante para qualquer artista. Assim como foi e é ainda para você. Como você enxerga isso? A internet e as redes sociais hoje em dia são primordiais. Me ajuda em muitos quesitos como divulgação, passar alguma informação, lançar músicas ou clipes. A internet é fundamental nisso, pois hoje qualquer pessoa no mundo pode ver seu trabalho. Portanto são grandes aliados. Às vezes, ao mesmo tempo que traz pessoas novas, te traz também pessoas que não curtem tanto seu trabalho. Mas isso é uma coisa normal e lido muito bem com isso.

Como controla o que expor e o que não expor? Ou não existe esse filtro? Como você lida com isso? Eu sempre procuro falar mais de trabalho. Até porque se eu falar de relacionamento as pessoas já acham que terminei ou qualquer outra coisa. E não, eu só estou trabalhando. Esse sempre foi meu foco. Mas também falo da minha vida pessoal de uma forma tranquila. Não falo tanto, mas sou bem transparente e falo de uma forma equilibrada sobre tudo.

Acredita que por conta desse universo que as redes sociais proporcionam para o artista a disputa fica ainda mais acirrada? Eu não acredito em disputa. Acredito que quando existem outras pessoas do mesmo segmento, ativando esse segmento, ele cria força. Então isso ajuda. Não é ruim ter pessoas cantando o mesmo ritmo e não é uma disputa, até porque o Brasil é gigantesco e as pessoas não fazem show em uma casa só. Eu acho que isso aquece o movimento e aquece o mercado fonográfico. Acho super positivo.

Como se manter em evidência e mostrar que não é só uma chuva passageira? Para me manter em evidência busco lançar coisas que agradem o público, que agradem você, e se você for honesto com as pessoas e honesto com seu trabalho, as coisas acontecem. Ser verdadeiro muda tudo.

O que é mais desafiador nisso tudo? O que te instiga mais? Inovar! Me instiga. Eu gosto de inovar, eu gosto de fazer entregas diferentes, lançar clipes legais. Acho que isso é a parte que mais me instiga.

Que dificuldades enfrentou no início que hoje tiraria de letra? Certos tipos de coisas que acontecem com a gente e eu já sou mais madura para lidar com situações mais complicadas que talvez me machucassem antigamente e hoje consigo lidar de uma forma melhor. Eu não sou nenhum robô, mas hoje em dia consigo enxergar de uma melhor forma.

Você acaba de lançar o hit “Amor Bandido” com milhões de visualizações no YouTube. Esperava por tudo isso? Esse é um bom “termômetro” para avaliar que está no caminho certo? Como faz sua avaliação? “Amor Bandido” é uma música que eu fiz com muito carinho. Na verdade, quando lanço um trabalho, lanço por amor. Todos os clipes que lanço, uma hora funk, outra hora balada, são músicas que eu gosto, que eu acredito. Eu não faço só para atingir uma coisa. Eu amo música, então gosto de cantar em vários segmentos, gosto de todos os estilos e é uma delícia poder abusar disso. Sinto que estou no caminho certo quando vejo que as pessoas gostam do meu trabalho, quando atinjo novos públicos. Então, fico muito feliz.

Talvez muita gente não saiba, mais você toca piano e outros instrumentos. Isso é algo que você pretende usar mais no futuro em outros estilos? Eu acho que tudo é um momento. Eu, sim, toco piano e já falei sobre isso. Mas gosto de tocar tamborim também. Eu sou apaixonada, sou musicista, mas já estive mais ativa. Quando você não fica ativo com um instrumento musical, realmente você acaba perdendo essa convivência com o instrumento e automaticamente para de falar sobre. Mas não quer dizer que seja uma coisa que eu não goste, pelo contrário, amo tocar piano. E pretendo colocar cada vez mais dentro do meu trabalho. Estou tão corrida, que nem tenho tempo para tocar piano.

Falando em estilos… O que você curte ouvir em momento de relax? O que faz sua cabeça? Eu gosto muito de pop, música popular, gosto disso. Eu gostaria de gravar uma música com pegada eletrônica ou sertanejo. E no momento estou meditando e mudando minha cabeça. Eu era uma pessoa que não pensava em meditar, nem tomar chá. Mas decidi experimentar para ver no que dá e estou adorando. Agora tenho uma playlist de meditação e tomo chá, mas também adoro relaxar escutando um funk, dançando à beça até cansar e dormir.

Com uma média de 20 shows por mês o que faz quando quer se divertir? O que te agrada? Eu amo brincar em parque de diversão! Gosto de montanha russa. Gosto de beber com meus amigos e gosto de ficar com minha família.

Você é uma mulher sexy aos nossos olhos, e aos seus? O que mais agrada em você e quando se sente sexy? Eu me sinto uma mulher sexy, me sinto uma mulher confiante. Óbvio que tenha minhas dúvidas, mas acho que é uma coisa comum, pois todas as mulheres têm seus medos. Mas eu me sinto bonita quando acordo e me olho no espelho. E uma coisa que me deixa muito feliz é chegar em casa de manhã, depois do trabalho, parece que me edifica, me faz tão bem ao ter a sensação de dever cumprido. Me sinto um mulherão. E adoro quando vou pros shows e me monto inteira e me acho uma gata também. Então, acho que tem esses dois opostos: quando acordo e quando vou pro palco e me acho gata, me acho sexy.

Sabemos que você hoje em dia está casada, mais o que te atrai em um homem? O que faz dele um cara interessante? O coração dele. O coração e o caráter do homem diz muito sobre ele. Um homem bem humorado também. Sem dúvidas são esses quesitos.

Quando solteira você chegava a intimidar os homens com seu jeito seguro e empoderado? Que dica daria aos leitores para lidar com isso? Eu acho que mulheres confiantes parecem que intimidam né? Mas na realidade, quem quer ficar com você vai entender seu jeito de ser. E existe o espaço do outro, a forma do outro pensar e o relacionamento é um equilíbrio constante. É conversa, é tato, é falar se você quer mesmo estar com a pessoa.

Até onde vai sua vaidade? Do que não abre mão? Eu sou mulher vaidosa. Uma mulher que gosta de se cuidar. Eu tenho um leve receio de mexer no meu rosto, não que eu não ache certo, mas tenho medo de fazer algo errado, então não mexo. Portanto minha vaidade vai até aonde começa meu medo.

E homem vaidoso, até que ponto? Eu acho que o homem pode ser vaidoso, não tem problema nenhum. Eu gosto de homem que se cuida. Meu marido é todo gato! Ele se cuida e é vaidoso.

O funk é uma dança sensual. Como lidar com euforia dos fãs diante disso? Já teve algum problema nesse sentido? Sim, sempre temos. Tem gente que passa um pouco do limite e nem considero que seja fã, pois fã é quem vai ali para curtir o seu trabalho. Tem pessoas que estão ali e não são seus fãs, são apenas curiosos. Tem pessoas que desrespeitam querendo filmar e só faltam encostar em você. É complicado.

Como uma carreira cada vez mais ascendente, o que você quer mais? Onde chegaria a dizer que se sente realizada? Eu quero ainda ousar muito dentro do meu trabalho, musicalmente falando. Explorar ainda mais como cantora. Quero gravar muita música, lançar clipes e alcançar diversos lugares. Isso me faz muito feliz. Já sou muito realizada, não posso mentir, conquistei coisas que sempre sonhei e quero conquistar muito mais.

Para conquistar Lexa basta… Ser verdadeiro!

EQUIPE

Fotos Angelo Pastorello @angelopastorello

Direção de produção e estilo Ju Hirschmann @juhirschmann

Make Rogério Magalhães @rogeriomagalhaesoficial

Hair Luiz Gustavo @luizgustavocabelereiro

Styling Mathew Sales @salesmatthew e Lucas Carvalho @styledbylucas

 

Agradecimentos de moda: Look azul: blazer: Ricardo Almeida @ricardoalmeida.feminino, luvas: Minha Avó Tinha @minhavotinha, sutiã: Hope @hope.oficial, acessórios: Jiló Jóias @jilojoias; Look p&b: body: Fruit de La Passion @lingeriefruit, saia: Dimy @dimyoficial, sapato: Shoestock @shoestockbr, acessórios: Jiló Jóias @jilojoias; Look short e blusa: cropped: Hope @hope.oficial, hot paint: Calzedonia @calzedonia, acesórios: Jiló Jóias @jilojoias; Look body: body: Suntime @suntime.swim, cinto: Dimy @dimyoficial, sapatos: Louboutin @louboutinword, acessórios: Jiló Jóias @jilojoias; Look sofá azul: pantalona: Ricardo Almeida @ricardoalemida.femino, top strap: Fruit De La Passion @lingeriefruit, scarpin: Tanara @tanarabrasil, acessórios: Jiló Jóias @jilojoias