A jovem atriz Giovana Cordeiro chegou com calma com sua personagem Cleo em “O Outro Lado do Paraíso” e aos poucos foi revelando facetas que tem surpreendido o público no desenrolar da trama. Aos 21 anos e em seu 3º trabalho na Globo, Giovana vê uma realização e um sonho da época em que sonhava pegar autógrafo de Fernanda Montenegro, hoje sua colega de elenco. Com uma beleza bem brasileira e uma sensualidade natural, Giovana tem conquistado o público e os colegas de trabalho com seu empenho e dedicação. Essa garota promete!

Giovana, sua personagem Cléo chegou caladinha e aos poucos foi mostrando sua personalidade e caiu no gosto do público. Como está sendo fazer essa personagem? Toda essa novela está sendo um enorme presente e uma surpresa sempre que recebo um roteiro novo. As coisas mudam sempre para caminhos muito interessantes e cheios de possibilidades. A Cleo que foi apresentada no início da novela, não é a mesma de agora e nem vai ser a Cleo do fim da novela. Como atriz, é ótimo poder fazer todo esse caminho em uma única obra. É um grande desafio, diário. Eu contraceno com tanta gente boa, tanto no talento, experiência quanto na generosidade. Eu fui entendo as coisas no tempo certo. Eu aprendo muito ali na prática observando Fernanda, Lima, Laura… Um grande privilégio! Uma grande escola.

A Cleo passou por um romance frustrado, teve uma criação mais rígida e quando viu a oportunidade de “voar” mais algo terminou virando prostituta. Serve de alerta para muita garota que sonha com vida boa e fácil que termina no fundo do poço. Como você vê isso? Com certeza a vida de uma garota de programa não é fácil! Longe disso! Eu gostaria, pessoalmente, que servisse de alerta sim para muitas meninas. Eu vi casos de prostituição infantil onde a sedução da proposta vinha nessa ilusão de “vida fácil”, de divertimento. O caso da Cleo existe! Não é distante da realidade. A vida de cada um é única, cada coisa acontece no seu tempo, não dá para pôr numa caixa todas as meninas que já se prostituíram. Cada uma teve o seu motivo, a sua ambição, a sua ilusão, cada uma sabe de sua necessidade, do seu desespero, da sua procura, sua oportunidade, seu caminho… Eu, como atriz, conto a história até onde o texto permite. Eu espero que as pessoas não vejam isso como um história fantasiosa de ficção, porque isso realmente acontece!

Você acha que o meio faz a pessoa ou a criação tem mais peso? Ou mesmo o que define tudo é a índole de cada um? É um conjunto de tudo isso, e o conjunto de tudo isso se chama vida. Eu acredito numa coisa ainda maior que uns chamam de destino, outros de missão, provação, enfim… Você pode nascer no mesmo lugar e ter a mesma criação de seu irmão, vocês com certeza não serão iguais. As situações nunca se repetem. Tudo muda. O tempo com que as coisas acontecem, a forma, a ocasião, a predisposição e personalidade de cada influencia. É um conjunto de tudo isso: da forma como nos apresentam o mundo e da forma como o mundo se apresenta.

Alguma vez na vida imaginou que em sua 2ª novela você iria contracenar com mestres da dramaturgia como Fernanda Montenegro e Lima Duarte? Como está sendo a relação de vocês? Um dia eu estava fazendo um trabalho num evento e me disseram que a Fernanda iria. Eu esperei por ela à noite inteira, ela passou e eu não vi. Eu me lembro de como fiquei arrasada. Nesse tempo eu tinha começado a estudar teatro e já ouvia muitas histórias sobre ela. Nesse mesmo dia eu encontrei outros atores e cheguei em casa dizendo para a minha mãe que lá era o meu lugar e era com aquelas pessoas que eu queria trabalhar. Eu só não imaginava que seria assim, logo no início, logo nas minhas primeiras novelas. É uma grande realização. Um marco para sempre na minha carreira. Espero e sei que farei outras coisas, mas essa novela, esse momento e esses colegas de cena vão ficar marcados sempre! É um momento quase que surreal. Ouvir conselhos da Fernanda, ouvir as suas histórias e as do Lima Duarte, contracenar e observar a Laura Cardoso é uma linda oportunidade de aprender com quem fez a história do nosso teatro! Me orgulho de fazer parte disso.

Que desafios você se coloca na sua profissão e o que tem conseguido vencer ao longo da carreira? Para mim, o maior desafio do ator está no seu ofício. Fazer o trabalho de olhar para dentro, olhar de fora é tudo muito difícil, revelador, as vezes cruel. O processo de criação é envolvente, curioso e é nisso tudo também que está a delícia de ser ator. Descobrir tudo isso é prazeroso demais. Não dá para ignorar tudo o que somos, a gente trabalha com os sentidos, com emoção. O processo de criação é sempre o mais difícil e o mais delicioso. E estar em cena é um eterno trabalho de criação. Aprender a lidar com as inseguranças, com a ansiedade tem sido um dos grandes aprendizados nesse momento. Tenho que lembrar todos os dias: VAMOS JOGAR!

Quando despertou que queria ser atriz? Alguma influência, ídolo ou incentivo? Esse universo sempre me despertou uma curiosidade. É quase extintivo inicialmente! A gente não sabe como que aquilo funciona, nem como começar mas sente que é aquilo que tem que ser feito! Eu sempre pensava que eu conseguiria fazer aquilo. Durante o meu último ano no colégio eu comecei a amadurecer essa ideia. Pela primeira vez eu tinha colegas de classe que também queriam ser atores, então eu me sentia mais à vontade para assumir isso. Eu comecei a pesquisar sobre artes cênicas, sobre cursos… Assim que eu terminei meu primeiro grau, eu fui fazer um curso e logo depois entrei para a faculdade onde me formei. Não tive nenhum única inspiração, gostava de algumas coisas, queria recriar as cenas, mas parecia um pouco brincadeira, só que comecei a levar essa brincadeira muito a sério.

Você tem um tipo bem brasileiro, com uma sensualidade natural. Algo como já tivemos em ícones como Sônia Braga. Você percebe isso? Eu passei a perceber que eu tinha essa possibilidade dentro desse perfil depois de um tempo e isso foi importante para mim, entender qual a imagem que as pessoas tinham de mim de cara, entender também quais eram as minhas outras possibilidades. Eu não ouvia isso quando usava o cabelo liso, curto… Eu acho que tem muito a ver com o tom da pele, o cabelo natural. Mas eu gosto ainda mais de saber que tenho essas outras possibilidades como atriz, não só através da minha atuação como também de uma possível caracterização. Bom que dá para se aventurar e brincar em vários perfis.

 

A personagem Cléo desperta esse seu lado mais sexy. E Giovana no dia a dia o que fez para despertar isso? Alguma “arma” de sedução? Eu recebi um conselho uma vez na minha vida que parecia o mais óbvio de todos, mas foi tão importante e essencial ouvir e acho que quando a gente entende o que isso realmente quer dizer, faz mais sentido ainda, que era: SEJA VOCÊ MESMA. Depois que eu de fato entendi isso, ficou mais “fácil” me fazer aproximar das pessoas. É claro que deve-se ter segurança do que é e saber que o “ser você mesma” é ser uma coisa boa. Agora eu não tento mascarar nada e nem passar nenhuma impressão, eu simplesmente sou e as pessoas sentem isso. Tudo acontece da forma mais natural e despretensiosa possível. Desse jeito é mais surpreendente, mas eu só passei a ter noção do efeito disso quando as pessoas começaram a me dizer que reparavam que o fato de eu ser eu, era atraente.

É muito vaidosa? Como cuida do corpo? A minha vaidade não está em usar muitos cosméticos, muita maquiagem… Eu prefiro cuidar a minha pele. Isso é um cuidado que eu não abro mais mão. Saber limpá-la, usar sempre filtro solar… Isso facilita! Uso menos maquiagem por isso. Tento também me alimentar bem, mas só tento (risos). As vezes não dá e não tem nenhum problema. Eu estou sempre me exercitando e isso equilibra!

O que desperta seu interesse durante a paquera? O que um homem precisa ter e ser para você? Senso de humor, sempre! Precisa ser aberto, jogar limpo ou então nem jogar. Ninguém merece!

Quando quer se divertir qual o programa preferido? É mais do dia ou da noite? Sou totalmente do dia! O meu lugar preferido nas horas livres é a praia e ela ganha de qualquer outro programa. Quer me deixar feliz? Me leva para ir à praia! (risos) Eu amo programas assim, trilha, viagem, cachoeira, mas também gosto de sair de vez em quando numa noite, com amigos.

O que as pessoas ainda não sabem sobre Giovana que você pode nos confidenciar? Nossa, tem tanta coisa! Eu nunca gostei muito de falar assim de mim, sem um propósito. Vender meu próprio peixe não é muito comigo. Eu falo de mim o que me perguntam ou o que me dão liberdade para dizer, preciso sentir confiança e me sentir à vontade. As pessoas podem saber que eu sou uma pessoa bastante ansiosa, que eu tenho a minha vida toda planejada na minha cabeça, todos os meus objetivos, mas nenhum caminho. Isso eu deixo com a vida porque eu também quero ser surpreendida durante esse caminho. Eu acredito muito nos meus sonhos e acredito sempre que tudo vai arrumar um jeito de dar certo. Eu tenho confiança na vida! Eu vou sempre me afastar de coisas que me deixem triste, sem drama e me afastar principalmente de coisas que me afastem dos meus sonhos.

Fotos Márcio Farias

Beleza Rosana Mendes

Stylist Thiago Muruci

Asst de fotografia Ricardo Nogueira

Edição de Imagens Joyce Rodrigues