A vida de Luciano Szafir sempre foi de certa forma acompanhada pela mídia sedenta por novidades, furos ou tretas. Tudo virava manchete. Fosse por algum trabalho novo na TV, ele estreou na Globo na novela “Anjo Mal”, em 1997, fosse por seu namoro com a apresentadora Xuxa, ou por conta das relações familiares, e claro, ser pai de filha famosa (Sasha). No meio disso tudo ele sempre procurou se manter discreto, longe de escândalos e sempre elegante quando aparecia para se pronunciar. Nos altos e baixos como na vida de qualquer pessoa, muito aprendizado e amadurecimento. Da sua carreira de modelo até hoje como ator e empresário, Luciano só tem boas recordações. “O homem só cresce e amadurece quando passa por intempéries”, comentou ele ao longo da entrevista. E é esse Luciano que encontramos hoje, 9 anos depois de nossa primeira matéria com ele. Um homem calmo, senhor de si mesmo, cuidando do presente como ele é e planejando o futuro com a mesma garra de sempre. E claro, sem perder a elegância.

Szafir, você já esteve em todas as manchetes de jornais e chamadas de revistas e sites, fosse por conta de algum trabalho ou família. Como isso mexe com você? Não mexe comigo mais. Claro que no início de carreira, você procura ler tudo, fazer o máximo de matérias possíveis, o ego fala mais alto. Quer fazer mais e mais, mostrar para os outros, enfim, coisa da idade. Ainda bem que isso passa (bom pelo menos para mim passou).

Em algum momento já se sentiu invadido ou injustiçado? Sim claro, mas sempre soube que isso faz parte da profissão. Até porque uma notícia ruim ou uma matéria polêmica vende muito mais do que qualquer outra.

Do bonitão das novelas ao empresário de sucesso. Hoje, aos 52 anos e numa fase mais tranquila, como avalia sua trajetória até aqui? Jamais me vi como um bonitão ou empresário de sucesso. Tive durante minha vida profissional sucessos e insucessos, faz parte da trajetória.

Como se definiria hoje? Quem é o Luciano Szafir hoje? Gente, não sei… Sou um homem comum, com uma gratidão imensa pela vida que tive e pelo que vem pela frente. Tive oportunidades e vivências maravilhosas na minha vida, não posso me queixar. Claro também passei por momentos difíceis, mas aprendi que o homem só cresce e amadurece quando passa por intempéries. Um marinheiro só fica bom quando passa por tempestades, mar calmo o deixa frouxo.

O que a paternidade te acrescentou como homem? O que mudou hoje depois deles? Tudo mudou na minha vida. Quando você tem um filho, vira pai ou mãe, você deixa de olhar apenas para si, e passa a olhar primeiramente para seu filho(a). Você vivencia um amor tão grande que jamais imaginou sequer existir, é maravilhoso e amedrontador também.

Ser pai de Sasha foi e é uma responsabilidade maior por ser filha de duas pessoas muito visadas pela mídia e público? Existia uma preocupação em não mimá-la ou expô-la mais que o normal? Claro, pelo fato de ter um assedio maior, mas acredito que fizemos um bom trabalho, basta ver a mulher maravilhosa que nossa pequenina se tornou.

Vocês parecem ter uma relação muito boa de cumplicidade. Como isso foi sendo construído? Toda relação de cumplicidade e construída a base de três pilares: Amor, muita conversa e sobretudo verdade.

E ser pai de dois meninos, que desafios te trouxeram? Hoje acho que o maior desafio não só para mim, mas para todos é que vejo que o mundo se tornou muito inóspito, quero fazer deles dois homens com valores impares e junto com Luha acredito que estamos no caminho certo, mas educar nunca é fácil.

E nesse momento de pandemia, como tem lidado com isolamento social, restrições e mais tempo em casa? Claro que é difícil, mas temos que procurar coisas boas em situações adversas. No nosso caso nos aproximamos mais ainda e falando no lado pessoal estamos nos reinventando… enfim, somos gratos por estarmos todos com saúde e com muito amor.

Do trabalho como ator e apresentador, do que sente mais falta? Estava com algum projeto em andamento que teve que parar? Sinto uma falta que dói de ouvir o terceiro sinal (risos). Até sonho que estou no palco. Sem dúvida o teatro alimenta minha alma, assim que possível será a primeira coisa que quero retomar. Quanto à segunda pergunta tenho dois ou três filmes em stand-by e duas peças prontas para estrearmos.

O que o dinheiro comprou e o que não comprou ao longo da sua vida? Nem lembro. Quando você é novo (pelo menos eu) era mais consumista, queria coisas…hoje não.

Você é um cara muito consumista? A ideia de um consumo mais consciente alterou em que na hora de comprar algo? Não sou nada consumista, gosto de produtos voltados a saúde e qualidade de vida. Aprendi que precisamos de muito pouco para sermos felizes. Posso te dar um exemplo simples, quando você compra algo novo que sonhava, como um carro, no início você fica olhando, admirando, sentindo o cheiro de carro novo, mas com o tempo ele se mostra o que realmente é: um meio de locomoção, nada mais.

Qual o verdadeiro objeto de desejo hoje em dia? O que seria luxo para você hoje? Vacinas para todos (que funcionem), ah, tem outra coisa, devido a esportes radicais e exageros que fiz na juventude, sinto dores absurdas pelo corpo, (joelhos, pescoço, ombro, ciático etc…). Digo que sou a Disney dos fisioterapeutas. (risos) Então queria e vou conseguir. Afinal, estou tratando tudo para diminuir e sanar essas dores.

O que ficou da época de modelo? Tenho lembranças maravilhosas daquela época. Viajei para os lugares mais lindos do mundo, em companhia das modelos mais maravilhosas e conhecendo diversas culturas pelo planeta. Que mais um menino de 20 anos pode desejar?

Você é um homem vaidoso? Quanto a vaidade acho que tenho sim, mas nada em excesso.

Qual seu maior pecado? Não resiste a que? Essa é fácil. GULA, não escapo desse pecado capital. (risos) Amo comer tudo! Doces, salgados, tudo…

E para relaxar, o que faz sua cabeça? Leio um bom livro

Planos para um 2021 mais tranquilo? Onde e para onde? Claro que tenho, quem não tem planos não vive. Mas sou supersticioso, então vou esperar acontecer para falar…

Fotos Marcio Farias