Vamos ser francos, não é qualquer mulher que segura uma cabeça raspada sem perder a pose. Linda de qualquer jeito, Bianka Fernandes é uma mulher desprendida e afoita quando se trata de trabalho. Da sua época de modelo, onde chegou a visitar 15 países até sua transição para se revelar uma atriz com vários predicados. Também sejamos sinceros, onde uma mulher com um sorriso desse passe que não deixe seus “súditos” desnorteados?! Algo como irá acontecer com sua estreia na novela “Gênesis” onde irá interpretar AAT, uma rainha do Egito nenhum pouco confiável. O que tem de bela, terá de perigosa. E para encarar essa nova personagem a desconstrução e construção de Bianka revela muito bem a profissional competente que é.

Bianka, depois de muita espera finalmente a estreia em “Gênesis” e com um personagem super marcante na história. Como surgiu o convite, como foi o processo de criação e como está a expectativa? Esse é meu terceiro trabalho na Record TV. O convite veio da emissora e me deixou muito feliz. A personagem é maravilhosa, totalmente diferente de tudo que eu já fiz e a repercussão tem sido incrível. Me divirto com os memes comparando a personagem às cobras!!

Na trama você interpreta a rainha do Egito AAT, que já soubemos ser uma boa de uma vilã. Que desafios AAT te trouxe, fora raspar o cabelo? (risos) Fazer uma vilã é sempre um desafio porque nos tira da nossa zona de conforto. É uma personagem mais densa e que exige mais dedicação. E ao mesmo tempo é uma delícia. Raspar o cabelo foi uma parte importante desse processo pra me entregar de corpo e alma à essa personagem! Foi bem desafiador quando fiquei sabendo que teria que raspar mas foi libertador porque me despi de vários padrões e inseguranças que eu nem imaginava que eu tinha sendo apegada aos cabelos longos. Nunca me senti tão bem, tão forte e tão segura comigo mesma.

Interpretar mulheres fortes e marcantes deve ser mais instigante. Como criar um personagem assim? É muito mais desafiador, porque exige muito da minha força interna! Ela é uma personagem intensa, está sempre ligada, antenada, tramando algo pra alguém! Eu assisti muitas séries de Rainhas pra conseguir entender como elas são criadas, como elas pensam, como elas se sentem, pra eu não julgar a AAT através dos meus olhos e sim conseguir ter a Empatia de sentir o que a personagem sente, o porque ela sente aquilo e conseguir trazer a verdade dela nas cenas. Tem sido maravilhoso acessar lugares que eu nunca tinha acessado dentro de mim e saber que de alguma maneira eu tenho algo que se assemelha a AAT.

E falando em desafios, quais os maiores que você já enfrentou por conta da carreira? Com certeza raspar o cabelo foi o maior dos desafios até agora! Eu era muito apegada aos cabelos por conta de ter trabalhado muitos anos como modelo, sempre mantive o mesmo visual com cabelão. Mas morar em outros países com culturas completamente diferentes da nossa, como a China, a Índia também foi bem desafiador na minha carreira.

Transitar da vida de modelo para de atriz foi algo difícil? Como se deu? Foi super natural! Eu sempre sonhei e sempre estudei pra ser atriz! Mas ser modelo foi uma oportunidade que me surgiu quando eu tinha 15 anos e foi acontecendo! Eu vi na carreira de modelo uma maneira de ganhar dinheiro pra investir na minha carreira de atriz! Mas como modelo, em todos os países que eu morei, sempre acabava pegando trabalhos como atriz porque eu era aquela “modelo que segura texto” que significa que eu tinha facilidade e habilidade de ter falas e atuar. Então em todos os países que eu morei trabalhando como modelo eu sempre acabava pegando várias comercias com fala, participação em alguma série e até fiz filmes em Bollywood na Índia.

Você parece que não tem muito apego ao corpo quando se fala em trabalho, tanto que até raspou a cabeça. Algum limite ou tabu? Esse desapego tem sido um processo. Sempre fui muito apegada porque trabalho diretamente com a imagem. Está sendo maravilhoso me ver como uma mulher forte sem meus cabelos, por exemplo. O trabalho de ator é uma entrega, e sendo um boa personagem, não há limites e nem tabu. Me cuido muito, mas se eu precisar engordar 10 kg da noite pro dia pra viver uma personagem eu topo na hora! 

Como fica a vaidade da mulher sem o cabelão? Depois da empolgação isso te abalou de alguma forma? Foi engraçado. Eu era muito apegada ao meu cabelo e sempre associei beleza a cabelão. Quando me vi sem meu cabelo, ao invés de me sentir feia ou mal, comecei a me achar mais mulher, comecei a ver uma beleza que não via em mim. Percebi o quanto eu me escondia atrás de um “cabelão”. Eu me sinto a mulher mais poderosa do mundo sem meus cabelos!!!

É muito vaidosa? Até que ponto e do que não abre mão? Sou uma vaidosa saudável. Gosto de estar bem, mas sem piração. Eu cuido da minha pele, tenho uma alimentação super saudável, sou vegetariana, prático exercícios físicos, faço yoga e medito. É algo natural em mim! Faço por que me sinto bem, e não por ser uma obrigação.

O que é mais difícil na vida de uma atriz? Com certeza os altos e baixos. É uma carreira muito instável e ficamos muito vulneráveis. Tem que ter muita inteligência emocional pra lidar com os nãos da carreira e aprender a não desistir. Mas é tão prazeroso viver daquilo que eu amo que tudo compensa.

E como foi enfrentar essa quarentena? Como ocupou o tempo e o que aprendeu? Pra mim foi um momento maravilhoso de mergulho dentro de mim e introspecção! Eu li muito, estudei muito, treinei dentro de casa, meditei todos os dias! Tive covid sozinha em casa. Mas em nenhum momento eu fiquei mal! Fiquei tranquila, me cuidando de dentro pra fora e sinto que sai muito fortalecida. Além disso, lancei meu curso on-line de modelos e criei uma comunidade online com jovens sonhadores que querem ingressar na carreira artística.

Você sempre teve um corpão. Foi difícil manter a dieta e rotina de exercícios? No começo da quarentena, quando pensávamos que iam ser só 15 dias, eu tinha acabado de voltar do Marrocos, onde tínhamos ido gravar e não gravamos por conta de que fechou tudo. Como pensei que iam ser duas semanas em casa, aproveitei os primeiros dias pra me dar férias! Então eu assisti um monte de séries, comi o que me deu vontade, mas depois que vi que ia se estender, não poderia continuar naquele ritmo, então comecei uma rotina de alimentação saudável e comecei a fazer exercícios em casa!! Mas eu acabei engordando um poquinho na quarentena e ainda não voltei ao meu peso normal. Mas tá tudo bem! Continuo me sentindo muito bem!

Qual seu pecado favorito e por que? Eu amo doces! Eu sou dessas que pego um barra de chocolates e como de uma vez só!!! Eu não me privo! Mas também não como todos os dias! Só quando estou com muita vontade.

Nas horas vagas tem se dedicado muito à fotografia? Como ela te toca e como descobriu essa veia fotográfica? Sou apaixonada por fotografia. Sempre fui meio fotógrafa sem ter câmera. Tirava foto de todo mundo com o celular. Quando eu era pequena, meu pai, que era fotógrafo nas horas vagas, me ensinava a fotografar, ensinava sobre enquadramento, luz, etc… hoje tenho todo equipamento, faço muito conteúdo de foto e vídeo  e pretendo abrir uma produtora. 

Fora a fotografia, o que faz sua cabeça nas horas vagas? Onde recarrega as energias para o próximo trabalho? Enquanto estou entre um trabalho e outro, aproveito para estar em contato com a natureza. Amo fazer yoga ao ar livre, na praia ou na natureza. Também aproveito pra ir a Santos visitar meus pais, ir a São Paulo visitar meus sobrinhos. Me dedico bastante ao meu curso on-line de modelos,

E para te conquistar, basta… Ser verdadeiro. Sou fascinada por pessoas que não tem medo de ser quem elas são. Com suas qualidades e suas vulnerabilidades. Foi assim que meu namorado Léo me conquistou.

Fotos Camila Mendes 

Produção Executiva e Styling Márcia Dornelles 

Beleza Clarissa Vasconcelos

Bianka veste: maiô rosa Rio Summer, chapéu e bolsa Pernambucana da Gema, brincos Valentina Toda Fina e My Charm Joias, saída de praia laranja e top La Vie Moda Praia, biquíni hot paint Lia Presenti.  Agradecimento especial Hotel Pestana Rio Atlântica (locação)