O exercício aeróbico em jejum, também conhecido como AEJ, é um método de treino utilizado por pessoas com o objetivo de emagrecimento rápido. A prática de AEJ tornou-se popular na década de 1990, através do livro Body for Life, de Bill Phillips. O livro afirmava que a atividade aeróbica feita em jejum, logo após acordar e com duração de 20 a 40 minutos, de intensidade leve à moderada aumentaria a taxa de oxidação da gordura e assim, fazendo emagrecer mais rápido. Os fisiculturistas foram os primeiros a aderir, mas logo, o AEJ popularizou-se entre os frequentadores de academia que buscavam a redução do percentual de gordura.

Mas será que é isso mesmo? Será que essa é a melhor estratégia?

O consultor fitness e personal Rodrigo Lourenço explica o princípio dessa prática. Após uma noite em jejum, os estoques de carboidratos estão comprometidos e a taxa de quebra de gordura, a lipase, está mais acentuada, em consequência de uma maior concentração de ácidos graxos circulando na nossa corrente sanguínea, embora isso não signifique que esteja havendo o processo de oxidação da gordura. Para que isso aconteça, é importante que essa gordura seja transportada para o interior das mitocôndrias pela via aeróbica, para dentro dos nossos músculos e só lá é que elas serão efetivamente oxidadas.

Outra questão, é que simplesmente oxidar mais gordura durante os exercícios, não significa maior emagrecimento. O que realmente importa são os ajustes no consumo de gordura nas horas subsequentes aos exercícios, ou seja, no pós-treino.

Vários estudos científicos que compararam o emagrecimento em AEJ ou o aeróbico alimentado não mostram diferenças nos resultados e ainda alertam que o AEJ pode levar à um desequilíbrio no organismo, como desconforto ou hipoglicemia, sem necessariamente haver emagrecimento. O emagrecimento está diretamente relacionado com a alimentação balanceada, duração e intensidade dos exercícios. O exercício aeróbico em jejum, apesar de ter potencial de aumentar a utilização de gordura para gerar energia, está mais associado à perda de massa muscular, do que de fato ao emagrecimento.

Algumas pessoas não conseguem comer antes de treinar ou se sentem melhor treinando em jejum, mas é importante saber que devem evitar o treino aeróbico em jejum todos os dias, uma vez que o corpo pode ser levado a um estado de economia de energia e, consequentemente, uma diminuição do gasto de energia durante o exercício, podendo causar alguns inconvenientes como:

  • Diminuição da performance no exercício;
  • Desequilíbrio no organismo;
  • Maior chance de desenvolvimento de doenças;
  • Enjoos;
  • Desmaios;
  • Tontura;
  • Hipoglicemia;
  • Perda de massa muscular pelo aumento da quebra de proteínas, no caso de exercícios praticados em jejum com intensidade elevada.