Nunca a atriz Carolina Oliveira imaginaria que uma certa Maria iria entrar na sua vida e mudaria o rumo das coisas. Isso tudo quando ela tinha 10 anos e foi convidada para protagonizar a série “Hoje é Dia de Maria”, em 2005. A empatia com o público foi tamanha que ela nunca mais deixou de ser vista na TV. Com voz suave e olhar expressivo, Carolina foi construindo sua própria história como atriz. Pegando dicas com atores mais experientes, fazendo cursos no exterior e se desafiando a cada novo personagem que foi surgindo. Sobre a doce Maria, Carol guarda um carinho todo especial, “Acho incrível que mais de 10 anos depois, as pessoas ainda tenham tanto carinho. E um trabalho o qual eu tenho muito orgulho, não quero que ninguém esqueça dele”, conclui ela. Mas como esquecer uma personagem tão especial. O tempo passou e a menina Maria virou uma bela morena que hoje está aqui em nossa capa em um ensaio cheio de sensualidade e o mesmo olhar que transmite mil palavras.

Desde cedo estamos acostumados te ver na TV. Você foi uma criança que marcou muito por sua participação em “Hoje é Dia de Maria”. Como foi esse início e como ele te tocou? Meu início foi meio por acaso, nunca tive um sonho de ser atriz. Não era aquela criança que fazia vários comercias. “Hoje é dia de Maria” foi realmente meu primeiro trabalho. Foi meu primeiro contato com tudo, a equipe toda teve muito cuidado comigo. Sou muito grata por isso, por ter tido esta oportunidade.

Ainda hoje as pessoas falam de Maria? É difícil se desprender dessa personagem marcante? As pessoas falam da Maria até hoje. Mas assim, não e uma coisa que eu quero me desprender, eu não quero que não se lembrem de mim como Maria. Acho incrível que mais de 10 anos depois, as pessoas ainda tenham tanto carinho. E um trabalho o qual eu tenho muito orgulho, não quero que ninguém esqueça dele.

Você começou na TV com 10 anos e hoje está com 23. Como tem amadurecido dentro do ofício de atriz? Eu comecei completamente pela minha intuição! Eu tinha uma coach no “Hoje é dia de Maria” que me ensinou muita coisa. Mas era muito na base da intuição, foi assim até “Caminho das índias” quando eu fiz a filha do Tony Ramos. Aprendi muito com ele, como me posicionar pra câmera, luz. Logo após eu comecei a fazer cursos, tanto no Brasil como fora, para aprimorar ainda mais minha atuação.

Você costuma se ver no vídeo? Gosta do que vê? Eu sempre vejo os meus trabalhos. Pra mim ainda é um pouco estranho me ver, não gosto muito, não sei explicar. A gente sempre fica procurando alguma coisa pra melhorar, às vezes pode atrapalhar um pouco. Mas eu assisto pra ver como está.

No cinema você participou de dois longas com temática de natureza e Amazônia, como foram as experiências? Minha experiência no cinema tem sido incrível. Um deles foi o “Encantados”, que realmente teve a temática da natureza, e algo que gosto muito, foi bastante diferente de tudo que já tinha feito! Foi a primeira protagonista no cinema, já estava mais velha, responsabilidade bem maior. O segundo foi o “Nirvana” já não tinha muito haver com a natureza, mas aprendi muito em ambos papeis.

Seu tipo físico ajudou a conquistar esses papéis?  Acho que meu tipo físico ajudou um pouco, mas o que pesou mais foi a minha interpretação em ambos os personagens.

Para você quais os maiores desafios como atriz? Os maiores de desafios para uma atriz e sempre fazer uma personagem bem diferente uma da outra. Mesmo que elas tenha umas coisas parecidas, elas precisam ser muito diferentes. E também de não viver a personagem fora do estúdio, fora do set de gravação. Eu gosto muito de separar a personagem da Carol, isso acaba sendo um desafio também.

Com a exposição que a TV proporciona o assédio aumenta? Como lidar com isso e de sentir “vigiada” a cada passo pela imprensa? Eu sempre mantive minha vida pessoal sempre privada. Hoje em dia com as redes socais, isto está mais difícil. O assédio aumentou um pouco, mas eu tiro de letra. Não me incomoda tanto.

Você se acha sexy assim como nós à achamos? Afinal, o que é ser sexy para você? Tem dias que me acho sexy, outros não. Depende do momento que você está vivendo. Ser sexy pra mim e estar confortável com próprio corpo, tem dias que estou outros não.

O que um homem deve fazer se quiser chamar sua atenção. E o que é um pecado em um primeiro encontro? Pra chamar minha atenção tem que ter uma energia boa! Uma coisa que não pode fazer no primeiro encontro, e chegar atrasado. Não gosto.

Cantadas, paqueras e assédios, qual o limite entre o elogio e o abuso? O limite entre cantada e assedio é sempre o outro, você tem que perceber a reação da outra pessoa. Se você recebe um elogio que não gosta você vai ter uma reação negativa, do contrário, se eu gostei do elogio eu ter uma reação positiva. Se você ver que uma pessoa não gostou você tem que parar, porque quando vira uma situação desconfortável já vira assedio.

 

Onde é mais fácil te encontrar quando está mais livre? Lugar mais fácil de me encontrar é em uma aula de ballet ou num sarau. São duas coisas que eu amo muito! Cantar e dançar. Amo fazer qualquer uma das duas quando estou livre.

Que tipo de programa faz sua cabeça? Eu sou muito caseira. Gosto muito de ficar na minha casa ou na dos meus amigos. Reunir todo mundo, fazer um som com violão, tomar um vinho, jogar um jogo de tabuleiro. Sou bem caseira! Se me chamar pra um programa desses, vou amar.

 

O quanto vaidosa você é? Como lida com o espelho? Eu sou bem vaidosa. Estou sempre me cuidando, gosto de me ver bem, cuido da minha alimentação, cuido de mim de dentro pra fora. Não sou uma pessoa que precisa estar de maquiagem pra sair de casa, eu lido muito bem com o espelho. Estou sempre confortável comigo, e isso que importa.

Para te conquistar basta… Ter uma energia boa e me respeitar.

FOTOS MARCELO FAUSTINI

EDIÇÃO DE MODA THIAGO BARCELLOS

ASSISTENTE YGOR VIEIRA 

CAROLINA VESTE: Look 01: blusa Letícia Manzan (@mazanleticia), scarpim ElevenEleven (@elevenelevenoficial); Look 02: vestido Letícia Manzan; Look 03: blusa Luisa Farani (@luisafarani), saia Leticia Manzan, bota ElevenEleven; Look 04: body Leticia Manzan, sandália Dumond (@dumondoficial)