Robert de Niro, sem dúvida é um dos atores mais emblemáticos do cinema até hoje. E incansável! Hoje, ele está completando 77 anos e motivos para comemorar não faltam. Nascido em Nova York, com descendente de italianos e irlandeses – origens essas que tem honrado ao longo da sua carreira, estreou no cinema nos anos 70, momento no qual surgiu a sua duradoura parceria e amizade com o cineasta Martin Scorsese. Com mais de 50 anos de carreira, De Niro, já na sua década de estreia conquistava seu primeiro Oscar, no caso por “Poderoso Chefão – Parte II”. E ao longo desses anos tem nos brindado com personagens icônicos do cinema como Travis de “Taxi Driver” e Jake LaMotta de “Touro Indomável”. Mas ao longo do tempo De Niro foi mostrando uma versatilidade peculiar que o levou a personagens cômicos assim como dramáticos. Suas mais recentes participações foram nos filmes “O Irlandês” e “Jocker”, e em breve na direção de “Artemis Fowl”, ainda em finalização. Para celebrar esse dia, separamos uma lista especial com os momentos marcantes da sua carreira no cinema.

CAMINHOS PERIGOSOS (1973)

Coppola e Scorsese são os dois grandes nomes quando se trata de filmes de gangsters ou máfia. E Caminhos Perigosos é a primeira grande contribuição de Scorsese para o género, e ainda traz a participação de atores como Harvey Keitel e Robert De Niro, dupla que voltaremos que será repetida em mais produções, para os papéis principais, protagonizando respetivamente Charlie e Johnny Boy.

Por sinal, Johnny Boy, grandes personagens de De Niro, um jovem imprudente e endividado por causa do jogo. Personagem esse que lhe rendeu um prêmio da National Society of Film Critics. Quase 25 anos depois da estreia, o filme foi selecionado pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos (uma das mais antigas instituições culturais federais americanas) para conservação no National Film Registry, justificando a escolha do filme pela sua significância cultural, histórica ou estética.

O PODEROSO CHEFÃO II (1974)

Um clássico que certamente todos lembram, um dos melhores e mais influentes longas da história. A continuação da saga da família Corleone, voltando no tempo até a chegada de Vito Corleone (Robert De Niro) na América do Norte, fugindo da Sicília. Vito consegue se estabelecer com os seus negócios e o respeito que as pessoas têm por ele crescem, porém, é sempre a família que tem mais importância em sua vida. Na década de 50, seu filho Michael (Al Pacino) assume e expande o império da família. Vencedor de sete Oscars, incluindo Melhor Filme e Diretor.

No primeiro filme, a personagem ficou a cargo de Marlon Brando, enquanto De Niro interpreta uma versão mais nova do chefe de uma das mais conhecidas famílias criminosas do mundo do cinema. A atuação de De Niro enquanto Vito Corleone garantiu-lhe o seu primeiro Oscar, para Melhor Ator Coadjuvante, em 1975. Curiosamente, o papel de Vito Corleone é o único que já deu a dois atores diferentes um Oscar pelo mesmo papel (Brando venceu o de Melhor Ator em 1972).

TAXI DRIVER (1976)

Na trama De Niro é Travis Bickle, um ex-fuzileiro das Forças Armadas Americanas com visíveis traumas que trabalha como motorista de táxi de Nova York que sofre de insônia e trabalha longas horas todas as noite, na tentativa evitar que sua personalidade paranoica e solitária se torne cada vez mais instável. Cansado da decadência da cidade e após ter levado um fora da assistente de campanha do senador Charles Palatine, Betsy (Cybill Shepherd), ele decide que é hora de mudar. Todos os seus controversos sentimentos contarão para o desfecho do filme, tão violento para a altura que quase não conseguia assegurar a classificação R (restrito). Detalhe para a escolha controversa de Jodie Foster, com apenas 13 anos de idade, para representar Iris, uma prostituta pela qual Travis ganha interesse no decorrer da ação.

TOURO INDOMÁVEL (1980)

Essa é mais uma obra de arte de Martin Scorsese e Robert De Niro. O icônico filme que traz uma das falas mais marcantes do ator. Na trama, De Niro é Jake La Motta, um boxeador cuja complexidade psicológica e sexual explode em violência dentro e fora do ringue. Seu irmão (Joe Pesci) se torna vítima de sua crescente paranoia e ciúme enquanto ele consegue seu troféu mais precioso: uma garota de quinze anos (Cathy Moriarty). A brilhante atuação de Robert De Niro que lhe rendeu o merecido Oscar de Melhor Ator. Curiosamente, a ideia de fazer o filme veio de De Niro, que leu a autobiografia do desportista enquanto trabalhava em outro filme. Terá sido o ator a sugerir a Scorsese que pegasse no projeto – que o fez, embora com algumas reticências. Uma curiosidade neste filme é que De Niro teve de ganhar cerca de 30 quilos. Aclamado pela crítica, “Touro Indomável” é considerado a magnum opus de Scorsese, e que contém uma das melhores atuações de sempre, a cargo de De Niro.

OS INTOCÁVEIS (1987)

Robert De Niro interpreta Al Capone, um dos maiores mafiosos da história. E Kevin Costner luta para prendê-lo a todo custo. Aliás, o filme lançou Kevin Costner ao estrelado, vivendo o incorruptível policial Eliott Ness. Na trama ambientada em Chicago de 1930, vigora a Lei Seca, e Ness organiza um grupo de policiais (que se denominam “intocáveis”) e parte para combater Al Capone (Robert De Niro) e sua quadrilha de gângsteres. O filme tem o toque da câmera muito móvel e inquieta de Brian De Palma, mestre em provocar emoções e conduzir o espectador para onde ele desejar

OS BONS COMPANHEIROS (1990)

É um dos melhores filmes de máfia já feitos e uma das melhores atuações do ator. Na trama De Niro rouba a cena do começo ao fim, mesmo como coadjuvante. Baseado num livro de não-ficção, tem um tom biográfico, inspirado em pessoas reais: Henry Hill, um ítalo-americano, pertencente à família mafiosa Lucchese (uma das cinco famílias envolvidas no crime organizado em Nova Iorque). O filme conta a trajetória do mafioso Henry Hill (Ray Liotta). Ainda garoto, ele une-se à máfia e passa a crescer na organização. Trabalha para o chefão do bairro e se torna amigo dos “bons companheiros” Jimmy Conway (Robert De Niro) e Tommy DeVito (Joe Pesci), que lhe apresentam ao mundo dos mafiosos. O longa-metragem valeu a Scorsese várias indicações (e vitórias) a prémios como o Oscare os BAFTA. E “Goodfellas” também está no arquivo do National Film Registry.

FOGO CONTRA FOGO (1995)

Mais uma vez a parceria e a dinâmica entre Robert De Niro e Al Pacino são o grande destaque desse filme. Na trama, Neil McCauley (Robert De Niro) é um ladrão especialista em grandes e arriscados roubos. Ele atribui parte de seu sucesso a uma decisão: não criar laços afetivos que não possa abandonar de uma hora pra outra. Do outro lado está Vincent Hanna (Al Pacino), um policial determinado a pegar McCauley e que vê sua vida pessoal afundar em problemas por se dedicar demais ao trabalho. Os dois são mais que inimigos: o trabalho de um desafia o trabalho do outro, faz com que ajam com mais cautela e com mais coragem, que tracem planos mais elaborados e inteligentes. O resultado é um filme de ação e suspense como poucos, no qual a presença de Al Pacino e Robert De Niro é apenas parte do espetáculo.

O IRLANDÊS (2019)

Um dos trabalhos mais recente de De Niro (outro destaque recente é sua participação em “Joker”), digno dos clássicos de De Niro por sua performance no papel de Frank Sheeran, que protagonizou ao lado dos seus amigos de longa data, Al Pacino e Joe Pesci – respectivamente Jimmy Hoffa e Russel Bufalino no filme -, num filme para a Netflix realizado, como seria de esperar, por Scorsese. Sem fugir ao gênero que os tornou célebres, “The Irishman” é um retorno e uma homenagem aos gangster movies, também biográfico, baseada na história real do assassinato do líder sindical Jimmy Hoffa, confessado pelo também sindicalista Frank Sheeran, momentos antes da sua morte em 2003.