A cada personagem Mateus Solano parece estar estreando, tamanha repercussão que seus personagens sempre causam, não só pelo perfil deles como também e muito pela sua atuação magistral. Mateus, como ele próprio diz, leva muita humanidade aos seus personagens e talvez por isso eles sejam tão ricos, tão encantadores, como heróis ou vilões. Para quem procura um personagem no outro, não vai encontrar. Cada um é tão próprio que a gente “esquece” que Mateus interpretou Mundinho Falcão, por exemplo, hoje interpreta o Félix e tempos atrás fez gêmeos… Sobre a vida pessoal Mateus é reservado e cuidadoso, afinal, já se tem muito o que falar de sua atuação e de seus papéis nas telas ou nos palcos.

Nascer em Brasília, morar em Washington e Lisboa e crescer no Rio formou que tipo de cidadão? Eu gosto de conhecer pessoas diferentes, lugares diferentes isso para o ator é muito enriquecedor, traz muita humanidade para os personagens. Como ser humano isso traz uma visão mais aberta das coisas e das pessoas, um entendimento maior.

 

Assim como grandes atores você começou no teatro e fez muito sucesso e depois seguiu para a televisão. Quais as dificuldades para quem vem do teatro e vai para a TV? E quais as facilidades? Bom, na verdade eu não saí do teatro, eu continuo no teatro, isso é uma observação importante.  Não vejo dificuldades, vejo desafios, são meios diferentes. Na televisão não temos que falar mais alto pra velhinha no fim da fila ouvir (como se diz no teatro), mas existe a geografia das câmeras, as limitações de quadro, precisamos estar atentos a isso. É muito comum logo nas primeiras participações a gente vê atuações mais teatrais na TV até que depois fica mais natural ao meio. Estava sem fazer teatro há uns 3 anos e senti muita falta com o Mundinho Falcão. Fiquei pensando que se estivesse em alguma produção de teatro ele teria sido mais rico em composição. O teatro é a casa do ator.

Maysa foi um divisor de águas na sua carreira do ponto de vista do conhecimento e reconhecimento do grande público? Ah sim, sem dúvida, por esse ponto de vista sim. Foi um marco. O grande público pode me conhecer e reconhecer, outros trabalhos surgiram, tanto na TV quanto no cinema. Então foi um marco sim.

 

Depois de viver Ronaldo Bôscoli, vieram os gêmeos Jorge e Miguel. Como interpretar ao mesmo tempo personagens tão diferentes que inclusive contracenam entre sí? Ah é sempre um grande desafio viver personagens tão diferentes. Pra mim é sempre um prazer. O grande barato dos personagens são essas diferenças. Trazer tanta humanidade pra eles. Os gêmeos foram uma delícia, eram personagens muito diferentes, mas que se ajudavam, e essas diferenças só reforçavam a beleza do trabalho. E o meu dublê, também ator, foi muito importante, sempre batia uma bola comigo.

Curte fazer comerciais? Sim. A gente faz publicidade pelo ganho financeiro mesmo, não tenho problemas em fazer, é bacana, sou tranquilo em relação a isso, mas meu grande barato mesmo são os personagens.

 

Conhecemos muito dos seus personagens, mas você faz a linha mais low profile, é de fato preservado ou também é uma forma de se proteger? É uma coisa minha mesmo. Sempre separei muito bem minha profissão da vida privada.  Não me vejo como uma pessoa pública. Meu trabalho é um trabalho como outro qualquer, por mais que as pessoas vejam isso de forma diferente. Eu não gosto de fazer da minha vida pessoal uma segunda novela. Claro que as pessoas têm curiosidades, mas não sou de ficar falando da minha vida pessoal e é importante se preservar.

Qual o lado bom e ruim da fama? Bom, a fama em si não tem lado bom não. O legal é o reconhecimento do seu trabalho. Ser famoso não é bom, você perde a sua individualidade. A minha vida é um constante laboratório, e com a fama eu deixo de observar para ser observado. Eu termino perdendo um pouco da naturalidade, mas isso faz parte. É uma grande encenação da vida pública.

Como está sendo a experiência de trabalhar ao lado da sua esposa em Amor à Vida e também no teatro? Vocês levam trabalho para casa? Tem sido muito bacana. Ela é uma ótima colega de trabalho também. E claro, levamos trabalho para casa. Não tem como não. Sempre perguntando o que o outro achou de determinada cena, como foi o dia de gravação…

 

Mundinho Falcão despertou ou mudou algo em você em relação a política brasileira ou foi somente mais um personagem bem feito? Os personagens são sempre personagens. Eles trazem a experiência deles, mas não me influenciam. Não é assim que funciona, no campo profissional. Eu muitas vezes fico feliz de estar dando minha contribuição através do meu trabalho, de um personagem. No caso de Mundinho Falcão, você observa que no final ele estava se tornando mais um coronel daquela cidade. Muda o discurso, mas o poder continua mandando. Eu lembro que na época de Mundinho eu fiz uma foto no lixão (na época até estava passando Avenida Brasil ainda) vestido como o personagem e coloquei a legenda “Com vocês o Progresso!” (risos) Mas é isso, fico muito feliz de viver esse momento político agora no Brasil. Não pude participar das passeatas por conta do ritmo louco de gravação, mas vibrei, publiquei imagens no meu instagram. O próprio Felix mesmo tem questionado coisas importantes como poder, caráter e a sexualidade.

Por falar em Félix, você esperava esse sucesso todo do personagem? Afinal ele é polêmico, traz muito humor, é um vilão e ainda leva ao questionamento sobre a homossexualidade. O Walcyr Carrasco foi muito esperto, ele não deixa de pensar no público. O Félix tem muitas questões, a maldade, os traumas, a ambição e a homossexualidade. Se ele tirasse o humor e deixasse aquele personagem escuro, mau, trancado no armário, o público não compraria a ideia.  Ele colocou tudo dentro do caldeirão. Já foi escrito para ser um sucesso! Tão certo como ele deu eu não imaginava. Até porque no início eu estava muito inseguro com o tom certo para o personagem. Eu lembro que no dia do primeiro capítulo, eu estava com falta de ar e muito tenso, mas logo em seguida eu percebi o tom certo para ele e me senti mais seguro.

 

Drama, comédia, suspense, onde se sente mais à vontade para atuar? Eu adoooro fazer comédia. Gosto muito de suspense. Adoro um drama. Ou seja, com o Félix eu estou podendo atuar de todas essas formas. O Félix está me surpreendendo. Estou muito satisfeito, mas continuo atento. Não posso me acomodar. Coloquei uma terceira e sigo em frente.

Você se sente realizado por conta desses personagens? Pode-se dizer que você é um ator realizado? Ainda não. Realização profissional eu tenho quando vejo atores tarimbados como Fúlvio, Tony Ramos outro dia no Faustão… No dia em que me sentir realizado eu parei. Minha satisfação é gerúndio.

Qual seu sonho de consumo material? E não material? Sonho? Estou sempre “realizando”… Vou realizando o que escolhi para minha vida. Um sonho material? Viajar! Conhecendo o mundo, as pessoas, as diferentes culturas.

Observando a família do personagem Félix onde os valores são questionáveis. Qual o valor da família pra você? É um lugar estrutural. Ainda mais agora com minha filha. É conforto, pouso. Um lugar onde podemos recarregar as energias.

E passada a novela, o que vem por aí? Filmes e a peça. A peça que eu já estou em cartaz no Espaço Tom Jobim, “Do Tamanho do Mundo”, que fica em cartaz no Rio até início de agosto e após a novela vamos estrear em São Paulo e excursionar pelo país. E tem dois filmes que devem ser lançados no próximo ano que são: “Confia em Mim” de Michel Tikhomiroff, ao lado de Fernanda Machado, e “O Menino no Espelho” de Guilherme Fiúza.

 

+ FOTOS INÉDITAS NA EDIÇÃO IMPRESSA

STYLIST ALE DUPRAT (AbÁ MGT) PRODUÇÃO DE MODA RENATO TELLES HAIR & MAKE UP ANDRÉ VELOSO (CAPA MGT) PARA NARS E L´OREAL PROFESSIONAL