Abram alas para Dandara Mariana passar! A Bel de “Salve-se quem puder”, novela das 7 da TV Globo, vai brilhar em todas neste Carnaval. A atriz é musa do camarote Bateria Nota 10, colado ao recuo da bateria na Marquês de Sapucaí, além de grande atração surpresa da comissão de frente da Unidos de Padre Miguel, que desfila no sábado de Carnaval. E não para por ai! Dandara vem como destaque do último carro do Salgueiro, na madrugada de segunda-feira. E por fim é nossa estrela máxima desse período momesco. Haja fôlego! Levamos nossa estrela para fotografar em um que é a cara dela, o Cidade das Artes, no Rio de Janeiro. Local que transpira arte por todos os lados e já virou uma referência de cultura. Dandara, claro, se sentiu em casa e rendeu esse belo ensaio que vocês podem admirar logo abaixo. Entre no ritmo da nossa estrela e bom Carnaval!

Dandara, podemos dizer que você está no seu melhor momento? Depois do sucesso de Verão 90 e Dança dos Famosos, agora nova novela… Estou num momento realmente muito bom, feliz por estar fazendo uma novela com elenco tão bacana, me reinventando com nova personagem e, ao mesmo tempo estar vivendo intensamente o carnaval, essa festa popular que eu tanto amo.

Antes de chegar em “Salve-se Quem Puder”, como foi ter feito parte de “Verão 90”? Se divertiu muito dançando lambada? Muito! A Dandara foi um presente, um divisor de águas em minha vida. Era uma novela leve de se fazer e também com uma personagem de discurso político muito importante. É uma delícia poder atuar e dançar em um mesmo trabalho, exercitar essas duas artes de forma conjunta.

Da lambada para a “Dança dos Famosos” como uma das favoritas. Esperava por isso? Como foi ter se desafiado tanto na dança? A “Dança” foi um momento muito especial na minha carreira, enriquecedor. Aprendi onze ritmos diferentes, vivi a adrenalina de um programa ao vivo e me aproximei muito do público. Fui amorosamente recebida pelo público, vibravam comigo a cada apresentação.

Você já tinha feito dança? Parece ter uma certa intimidade com a dança. Sempre gostei de dançar, desde criança. É um hobby. Fazia aulas de dança na infância como atividade extra depois da escola. Ia pra casa da minha avó materna, Adelaide, e passava o dia me apresentando pra ela, catava os seus lenços e virava a própria odalisca (risos). Na adolescência, me lembro quando arrastava os móveis da sala e me transformava ora na Daniela Mercury, evocando O canto da cidade, ora na descolada e poderosa Mel B das Spice Girls. Mais velha, calçava minha super bota, que tinha uma ultra master plataforma, e atacava de rainha de bateria (risos). Dançava na sala, em frente a um vidro, os vizinhos assistiam a horas de desenvoltura!

Ainda dentro do universo da dança chegou a vez de ser MUSA de escola de samba. Como surgiu o convite e como anda a expectativa para desfilar na avenida? Primeiro surgiu um convite para ser musa do camarote Bateria Nota 10. E depois o de musa de uma escola! Estou ansiosíssima e muito feliz por estar vivendo o carnaval tão intensamente este ano, vendo de perto a dedicação e a realização de uma comunidade para que o carnaval aconteça, apesar das dificuldades que todas as agremiações têm enfrentado. É impactante o trabalho e o esforço de vários artistas que atuam nos bastidores para que esta festa realizada pelo povo tome as dimensões da maior manifestação cultural do mundo, já que politicamente estamos abandonados por uma gente que não valoriza a cultura.

Qual é a sua maior fantasia nesse Carnaval? O que vai realizar e tornar real? A maior fantasia será vir como destaque central em uma comissão de frente, é o sonho mais real que poderia imaginar. Virei representando a “ginga”, já que o enredo da Unidos de Padre Miguel é sobre a origem da capoeira. É um tema pouco discutido, uma história pouco conhecida em um país que ignora suas raízes e suas origens. É lindo que a escola tenha optado por este enredo.

Quando você daria nota 10 para a evolução de um homem na apoteose de uma noite romântica? Que requisitos ele precisa ter? Ele tem que ser atencioso na medida certa, ser carinhoso na medida certa, ter um papo bom… e muita química na cama (risos)!

É mais importante um homem que tem uma bela comissão de frente, um ritmo forte na bateria ou um belo carro alegórico? (risos) Muito bom (risos)! É mais importante um homem ter enredo!

Como anda o preparo para aguentar as várias horas de samba? Alguma dieta ou rotina de exercícios básicos? Intensifiquei os exercícios físicos: crossfit, musculação para fortalecer os músculos, tenho feito mais aeróbico para aguentar a pressão da Avenida. Parece, mas não é fácil ter fôlego para desfilar dançando. Dei uma reduzida nos doces. Sou chocólatra e adoro um docinho e tenho dado uma segurada.

Nas arte você tem um padrinho incrível, que é Lázaro Ramos e um pai que sempre foi uma referência. Qual a importância deles na sua vida artística? Muita importância! Fiz vestibular para Arquitetura. Aí, certa vez, um convite de Lázaro Ramos para o programa “Espelho”, do Canal Brasil, mudou meu rumo. Gostei daquilo, e resolvi fazer faculdade de Teatro. Na verdade, sempre tive clareza sobre a profissão. Via dentro de casa que uma hora você está empregado e outra não. Meu pai se preocupava. Mas, um dia, assistiu a uma peça minha e disse: ‘É, minha filha, você é atriz mesmo’.

O que te inspira na arte? O que ela te modifica? A arte vem para fazer com que a gente reflita sobre as coisas do mundo, a nossa existência, a nossa passagem por aqui, os problemas que enfrentamos diariamente dentro de uma sociedade, os nosso preconceitos e limitações. A arte vem para levantar questionamentos e para modificar o outro. Levanto a bandeira da arte nesse lugar, a arte que vem para transformar.

Inspiração e transmissão, como se dá isso em você a cada novo trabalho? Eu me inspiro nas pessoas, no dia a dia, na troca com o outro. Quando eu escrevo uma poesia, por exemplo, o ócio me inspira. A música é boa para isso também… Observar a vida é uma grande fonte de inspiração para mim.

Você parece ser uma pessoa leve, alto astral e de bem com a vida. É isso mesmo? Onde recarrega as energias? No momento só com cama, travesseiro e cobertor. Estando na horizontal para descansar, só assim para recarregar as energias. É muito cansaço por causa do ritmo intenso.

Até onde vai sua vaidade como mulher e como atriz? Pratico exercícios como já citei. Faço ashtanga yoga, crossfit, musculação, gosto de correr na praia… Sou ativa, adoro me exercitar! Sou uma mulher vaidosa na vida, gosto de me cuidar, de me arrumar. Mas tem limites. Não sou adepta a grandes modificações no corpo, apesar de não ter nada contra quem faz cirurgias. E nem digo que nunca faria. Em princípio, minha vaidade vai até onde encontra meu bem estar. E enquanto atriz, deixo a vaidade totalmente de lado pelo bem do meu papel. É necessário você aceitar o personagem como ele é, se entregar de cabeça.

E o que podemos esperar da Bel em “Salve-se Quem Puder”? A Bel vai aprontar muuuuuito. A novela só está começando. A Bel é determinada a conquistar o Zezinho (vivido por João Baldasserine), e nada vai fazer ela sossegar enquanto não conseguir alcançar seus objetivos. Ela vai armar umas ‘cositas’ para tirar a Josimara (Deborah Secco) da jogada. Aguardem e assistam aos próximos capítulos.

Para conquistar Dandara basta… Ter caráter! Mas também é bom ter alguma relação com a arte, não necessariamente uma pessoa que viva da arte, mas tem que ter um olhar artístico sobre as coisas, sobre a vida. Gosto de quem me faça rir, que seja leve. Isso é muito importante dentro de um relacionamento. Tem que gostar de viajar também, adoro viajar…

 

Fotos Márcio Farias

Produção Executiva Márcia Dornelles

Styling Carla Garan

Make Inês Barreiro

Assessoria Valmir Moratelli

Agradecimento Márcio Damasceno Agenciamentos Artísticos

Agradecimento especial a Cidade das Artes:

cidadedasartes.rio (site)

@cidadedasartes_ (instagram)

cidadedasartes (facebook)

fundcda (twitter)