Já está nas lojas a mais nova geração do Honda Civic, um carro que já conquistou vários seguidores pelo Brasil. Então, pisa na embreagem porque nada mais justo que conhecê-lo mais de perto. Vale lembrar que a Honda atrasou na “entrega” do carro, em virtude de todas as catástrofes que ocorreram no Japão, fazendo a montadora assistir de longe as suas vendas caírem, enquanto os concorrentes assumiam a direção do mercado. O new Civic chegou na disputa dos sedans sem grandes mudanças, a não ser pelo porta malas que aumentou consideravelmente. A impressão que se tem é que o carro veio mais equipado e com escasso investimento no estilo, pois nada surpreendeu quanto ao design. Além de algumas mudanças perceptíveis, com seus faróis que ficaram mais estreitos e as setas transparentes.
 

Vale ressaltar que o Civic segue a linha do produto global, ou seja, igual para todo o mundo. Entretanto, houveram algumas modificações de caráter estético no modelo brasileiro. O pára-choque dianteiro ficou bem mais esportivo e os faróis mais refinados. Já a traseira do veículo, perdeu ponto, com um refletor como extensão das lanternas, que talvez tenha deixado o veículo com um ar de conservador.
 
Internamente o carro veio bem mais equipado e inteligente, com um painel que continua grande, cheio de informações e uma tela de cinco polegadas. Nos comandos, é possível mexer no sistema de áudio, indicações do GPS, verificar o medidor de combustível e câmera de estacionamento. Todos os vidros agora seguem a linha da Toyota no sistema “um toque”, além disso, o volante recebeu comandos de satélites que comandam o sistema de entretenimento e personalização e ainda o piloto automático. Em algumas versões podemos encontrar ainda, Bluetooth, airbags laterais, controle de estabilidade aprimorado e teto solar, por exemplo.
Além de várias peças plásticas mal elaboradas, a qualidade do estofado foge de um acabamento impecável, bem como a superfície emborrachada das portas. Além disso, no painel é encontrado pouco cuidado com o visual, com um enorme espaço vazio e mostradores espalhados de forma avulsa.

Quem fizer o teste drive no ‘new’ irá perceber que o carro está bem mais leve de dirigir, silencioso, respondendo rápido aos comandos e se adequando melhor quando for preciso ativar a suspensão. Apesar da semelhança com o antigo, a Honda afirma que mais de 90% das peças foram alteradas, inclusive trazendo o sistema Econ, que poderá ser ativado com um botão deixando o controle de injeção de combustível mais econômico, já que o alto consumo foi uma das maiores criticas do modelo anterior.
 
Quanto à transmissão, poderá ser automática ou manual de cinco velocidades. Já na automática, a montadora afirmou que ela veio mais econômica, após ter realizado mudanças nos solenóides utilizados no conversor de torque. Pouco se modificou também no motor 1.8 que continua a entregar os 140 cv e 139 cv com etanol e gasolina e 17,7 kgfm e 17,5 kgfm de torque.
 
Segundo o engenheiro da Honda, Alfredo Guedes, os consumidores estavam satisfeitos com os números entregues pelo motor, mas a marca entendia que podia melhorá-los. Para isso, houve redução do atrito das partes internas do motor com aplicação de molibdênio aos pistões, alteração na geometria de admissão de ar e mudanças no i-VTEC do motor. Seus ressaltos foram modificados e os comandos tiveram sua espessura reduzida.
 
Com este lançamento a Honda pretende voltar ao topo das vendas, apesar de ter mais dificuldades com uma concorrência mais experta no mercado atual. Os preços começam em R$ 69.700, na versão LXS manual e podem chegar até R$ 85.900 na versão EXS, oferecida apenas com câmbio automático. E aí você, esperava mais do novo Civic?
Video do making of do VT:
Acompanhe a MENSCH
também pelo Twitter: @RevMensch e baixe gratuitamente pelo iPad na App
Store.