As Olimpíadas remontam os tempos antigos onde os deuses do Olimpo eram bastante presentes nas coisas terrenas e saudados por seus adoradores. Os jogos surgiram na Grécia por volta do ano de 2500 aC com o intuito de a cada 04 anos saudar o grande deus Zeus, o pai de todos os deuses. Foi em 776 a.C  que várias cidades-estados começaram a participar enviando seus atletas e as Olimpíadas passaram a ser não só um momento voltado para os esportes, mas também uma confraternização, um momento de paz, mesmo entre localidades que travavam guerras. Com o advento do Cristianismo em 392 d.C os jogos entre outras manifestações politeístas foram proibidas pelo então imperador romano Teodósio I. Somente em 1986 os jogos são retomados na cidade de Atenas e desde então Olímpicos fazem parte do calendário das nações do mundo e são o sonho de todo atleta.DEUSES DA MODERNIDADE

Os atletas das antigas olimpíadas competiam nus e só era autorizada a participação de cidadãos que nunca tivessem cometido nenhum delito ou ato ilícito. Isso eleva a condição do atleta e nos remete ao que acontece na era moderna, afinal, nossos atletas, apesar de não competirem nus, exibem em seus uniformes corpos esculturais e são compelidos a levar uma vida regrada para manter a saúde do corpo e da mente. E para evitar fraudes são realizados exames antidoping.

 

THE BODY ISSUEE como atletas e corpos perfeitos andam juntos e promovem admiração e contemplação a revista ESPN americana promove a “The Body Issue”, uma edição especial com o ensaio fotográfico mais esperado ano a ano onde exibe ensaios fotográficos com atletas nus em poses associadas aos esportes que praticam. Na edição 2012, chamada de “Bodies we want” (os corpos que queremos) traz, entre vários atletas, a brasileira Maya Gabeira, surfista de ondas gigantes. Participam ainda da edição o zagueiro Carlos Bocanegra, da seleção de futebol dos Estados Unidos; o pivô Tyson Chandler, do New York Knicks; a atacante Abby Wambach, da equipe americana de futebol; a tenista Daniela Hantuchova; e o time americano de vôlei.

ADMIRAR E SE ESPELHAR

Segundo os atletas que participam da edição a proposta não é somente de exibir os corpos, mas mostrar, que outras pessoas, atletas ou não, podem ter uma boa forma e serem saudáveis também. Basta querer. E para incentivar você algumas fotos dos ensaios e trechos das entrevistas:

 

Por que você decidiu posar para o Body Issue? TC: Eu acho que dá às pessoas uma oportunidade de dar uma olhada nos corpos dos atletas e entender por que somos capazes de fazer as coisas que fazemos. Eu acho que um monte de pessoas estão curiosas sobre isso.
O que você diz a si mesmo quando você sente que não consegue treinar ainda mais? TC: Eu penso na competição. Imagino um treinamento, e que existem pessoas, lá fora agora, fazendo mais do que eu, e se eu sair, eu estou dando a eles uma vantagem. Eu penso sobre as médias superiores no campeonato, e as equipes que estão no topo e eu estaria indo contra isso. Quando estou fazendo um trabalho de velocidade, eu penso sobre alguns dos grandes atletas em nossa liga que eu vou ter que jogar contra uma defesa que vem para mim a toda velocidade.  Eu sou a âncora defensiva no meu time, e sei que para ser uma âncora defensiva, você tem que estar em ótimo estado. Então, eu vou fazer o que for preciso. Vou treinar até cair antes de eu sair.

 

Quais os desafios que você enfrenta com seu corpo?  JB: Manter meu peso, porque eu tenho um metabolismo rápido. Com os exercícios que fazemos, tendemos a perder peso com rapidez durante a temporada. Todo ano, eu venho para o treinamento de primavera com cerca de 97,50 quilos, e eu desço a 95 uma vez que a temporada começa. No final do ano eu estou provavelmente com 90 quilos, de modo que ao longo do ano perco cerca de 5 quilos. A dieta é também uma parte enorme para manter minha performance. Eu tento alimentar meu corpo com os alimentos certos nos momentos certos para que eu tenha muita energia e resistência quando estou jogando. Se eu não comer e manter a minha formação, eu vou perder peso, e se você perder peso, você acaba perdendo sua resistência e seu poder, então eu definitivamente não quero fazer isso. Eu tenho que me forçar a comer um pouco mais do que o normal durante toda a temporada. Eu como muita proteína e grãos. Carboidratos são bons para os atletas, pois estamos ativos. Eu gosto de comer um monte de bife e sanduíches. Eu tenho que me forçar a comer mais peixe, eu acabei gostando um pouco dele. É um bom equilíbrio.

 

Veja o making of dos ensaios de capa:
Acompanhe a MENSCH
no Twitter: @RevMensch, curta nossa página no Face:
RevMensch e baixe no iPad, é grátis:
http://goo.gl/Ta1Qb