Você conhece Leno Maycon Viana Gomes? Acreditamos que não. Mas se alguém te falar de Nego do Borel sem dúvida você já ouviu falar muito. Seja por sua música, suas divertidas polêmicas ou até mesmo suas aparições na TV. Criança criada no morro do Borel, RJ, apaixonado por música, descobriu no funk o seu universo musical. Do funk melody ao pop e o funk ostentação, Nego domina tudo. Aos 27 anos, recém completados mês passado, ele é um dos artistas mais promissores dentro do universo funk atual. Com vários sucessos no top da lista do mais ouvidos, prestes a gravar seu DVD (próximo dia 06/08) e uma namorada de causar inveja, Nego segue com sucesso e bom humor trilhando seu próprio sucesso.

Nego, como tudo começou? Como a música entrou na sua vida? Eu sempre gostei muito de música! Desde a época que frequentava a creche eu já me lembro de gostar muito de ficar cantando. E mais tarde, quando estudei no Ciep Dr. Antônio, em frente ao Borel, eu era aquele que sempre cantava dentro da sala de aula, se tivesse instrumentos eu também gostava de arriscar tocar. E nessa mesma época eu já curtia muito o funk, então eu saia escondido de casa para ir para o baile funk, e quando chegava lá ficava pedindo para cantar. E aí eu fui conhecendo algumas pessoas influentes no meio do funk, inclusive da minha idade, o que me fazia acreditar ainda mais que era possível. 

Como surgiu o Nego do Borel? (o nome e o artista) Como você foi criando isso tudo? O Nome “Nego do Borel” surgiu de um apelido dado pelos meus amigos moradores do Morro do Borel. E eu adotei como nome artístico.A música sempre foi um sonho para mim e eu sempre acreditei que conseguiria. Então eu fui em busca disso e aproveitando as oportunidades que foram chegando. 

A internet e redes sociais hoje em dia são importante para qualquer artista. Assim como foi e é ainda para você. Como você enxerga isso? As redes sociais são o espaço para nós artistas e o público, em geral, mostrar o que é de verdade. Aproxima mais as pessoas e usadas da maneira adequada, podem ser de grande valia. Só temos que tomar mais cuidado com essa onda de ódio que tomou conta da internet, porque às vezes o que parece um simples comentário pode machucar muito as pessoas, e até mudar a sua vida. Hoje, mais do que nunca tenho essa consciência.

Mas como lidar com os exageros? Existe algum limite para você? As redes socais nos deixam muito mais perto do nossos fãs e traz até uma relação mais de igual para nós. Mas acho que, assim como tudo na vida, tem que ter sim um limite. 

Hoje em dia muitos sucessos ganham fama antes mesmo da estreia por conta da internet. Como você conduz isso? Alguma estratégia? A Internet é hoje uma excelente ferramenta de complementação do trabalho de qualquer artista. E muitos trabalhos já são lançados pensando nela como campo de propagação. Ela pode ajudar tanto a favor, como contra. Então é preciso usar com cuidado e ter sim estratégias, que vão ser diferentes de acordo com cada trabalho ou objetivo. Mas eu gosto muito, principalmente pelo retorno mais rápido e direto que nos dá sobre a resposta do público. 

Qual seu maior desafio como cantor? Acho que o maior desafio é estar sempre superando a mim mesmo, para buscar levar sempre o melhor para o meu público. Os meus fãs que confiam e estão sempre acompanhando o meu trabalho. 

Já sentiu algum tipo de preconceito? Se sim, qual e como lidou com isso? Eu sou um homem negro, que veio de comunidade e canta funk. O preconceito sempre esteve presente em minha vida. Mas eu tenho consciência de que isso tudo não me define. Uso a minha arte como instrumento de transformação para mostrar o valor não só das comunidades, mas de tudo na vida e de qualquer pessoa também. Somos todos iguais. 

Você parece ser um cara vaidoso e está sempre com muito estilo. Como se definiria? Já tem um tempo que venho me preocupando mais com a minha saúde. Mudei a alimentação, estou fazendo treinos na academia… e isso tem feito com que eu renda mais até nos shows. Em relação ao figurino tenho sempre uma pessoa da produção que me ajuda a me vestir. 

Como lida com o espelho e vaidade? Eu tenho buscado cuidar cada vez mais de mim, como um todo. E isso acaba refletindo como um todo em nossa vida. Então estou num momento em que o espelho tem me ajudado bastante a refletir, não só no que diz a imagem que estou refletindo, como também que estou emitindo. 

Na hora de relaxar o que faz sua cabeça? Qual seu programa preferido? Eu adoro futebol, e sempre que tenho um tempinho vago gosto de jogar um pouco, seja o jogo físico com os amigos, ou até mesmo no vídeo game já está valendo. 

Como uma carreira cada vez mais ascendente, o que você quer mais? Onde chegaria a dizer que se sente realizado? Eu acho que não existe uma pessoa 100% realizada, mas me considero muito feliz com tudo o que já conquistei até aqui. E tenho muitos sonhos ainda para realizar. É isso o que nos move a estar sempre buscando melhorar. Alguns deles já estão sendo trabalhados, e logo, logo meus fãs também ficarão sabendo.

Para encerrar bem um encontro… O meu encontro com a música, que foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. E que faz de mim tudo o que sou hoje.

Fotos Marcio Farias @marciofariasfoto / Styling Dayana Molina @molina.ela / Beleza Suzana Marins @suzanamarins / Iluminação Mariana Salles @marianasallesfotografia / Assessoria Anderson Farias @afproducoes