Julia Gama, Miss Brasil que conquistou o segundo lugar no Miss Universo 2020 em maio do ano passado, irá estrear em dois longas-metragens chineses até o final do segundo semestre. A atriz e apresentadora, que morou por três anos na China, estará no elenco de “Daylight”, onde contracenou com Shen Teng, considerado o maior comediante chinês da atualidade, e no longa “Invisible Tatoo”, onde atuou como atriz coadjuvante ao lado de Zhao Wenzhou. Como apresentadora, Júlia já foi repórter e apresentadora da Rede Pampa, no Rio Grande Sul, e, em 2016, já morando na China, comandou a abertura dos Jogos Olímpicos para o canal Inkle. Antes de sua experiência como atriz no exterior, a atriz, já atuou em algumas produções brasileiras no cinema. Integrou o elenco de “Delírius Insurgentes”, filme de Fernando Mamari, exibido no Festival Internacional de Durban (África do Sul) e em dois longas-metragens independentes intitulados “Em Busca da Esperança” e “Irreversível”. Gaúcha, de Porto Alegre, Julia se mudou para a China em 2016 quando foi convidada para ser o rosto mundial de uma marca de cosméticos chineses. Em 2017, por sua contribuição cultural no país, ganhou o Prêmio “The Most Incredible Award 2017” e hoje, através da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro, possui o título de Embaixadora da Cultura Brasileira na China.

Qual foi a emoção de ser coroada Miss Brasil 2020? Quais foram os maiores desafios que encontrou nesse período? A emoção foi gigante. Representar o Brasil em um momento tão delicado quanto a pandemia, quando mais precisávamos de representatividade, foi uma das maiores honras da minha vida. Poder trazer esperança e uma mensagem positiva para os brasileiros foi a minha missão. E o maior desafio foi justamente, em meio à pandemia, com tantas restrições, me preparar para o Miss Universo, um dos maiores campeonatos de beleza do mundo. Mas o meu propósito com este título sempre foi muito forte e eu tive o apoio dos brasileiros ao meu lado, por isso, foi possível realizar tudo que sonhei e trazer o prêmio de Vice Miss Universo para o Brasil!

Como Miss Brasil, você conseguiu chegar ao segundo lugar no Miss Universo. Há 14 anos que o Brasil não chegava tão perto do título. Como foi isso pra você? Com certeza este título ficará imortalizado na minha história. Poder levar o nome do Brasil tão longe, representar a força, a garra e a alegria dos brasileiros para o mundo inteiro sempre será um grande orgulho para mim. Eu acredito que todo sonho é possível quando se tem disciplina, coragem e determinação.

Pela primeira vez, uma miss não passou a faixa para sua sucessora. Como lidou com isso? Como recebeu essa notícia de que não estava mais convidada para o evento? Foi um susto para mim receber esta notícia. Me pareceu um grande desrespeito comigo, com os fãs e com a história que o Miss Brasil carrega. Fiquei muito triste. Mas fui surpreendida com um super apoio popular dos fãs e resolvi converter o que seria algo triste em um dos momentos mais lindos que eu poderia ter como Miss Brasil. Fiz uma despedida on-line com a participação ativa dos fãs, das Misses de outros anos e da minha família. Acabou sendo mágico e inesquecível. Sentir o amor de todos que me apoiam e acreditam em mim vale mais do que qualquer participação em um evento.

Você morou por 3 anos na China, onde protagonizou campanhas publicitárias e atuou no cinema Chinês. Como foi essa experiência de morar em um país com uma cultura tão diferente da nossa? Foi desafiador e enriquecedor. Desde o início, busquei me colocar no papel de aprendiz frente a essa cultura de mais de 5 mil anos. A China me ensinou muito sobre trabalho, dedicação, paciência e empatia. Fico muito feliz de ter conquistado um espaço tão sólido no mercado chinês e de ter tido a oportunidade de mostrar o talento de uma brasileira para o mercado asiático! Um dos filmes que gravei lá, “Invisible Tattoo”, ao lado de grandes atores chineses, estreou nos cinemas da China agora, dia 14 de janeiro. Estou muito realizada com esta conquista. Espero, em breve, poder trazer o filme para os cinemas do Brasil.

Ainda sobre sua temporada na China, você estará no elenco de duas produções cinematográficas chinesas: em “Daylight”, e no longa “Invisible Tatoo”, onde atuou como atriz coadjuvante ao lado de Zhao Wenzhou. Como surgiu o convite para atuar nessas duas produções? Como foi essa experiência de um modo geral? Sim, foi incrível ver que todo sonho é possível de ser realizado quando estamos preparados para receber as oportunidades. Foi com muito trabalho que consegui entrar no mercado chinês, que é bastante restrito para estrangeiros. Foi uma grande honra poder atuar ao lado de grandes estrelas chinesas e receber este reconhecimento dos chineses. Lembro que eles sempre me trataram com muito respeito e admiração. E acredito que isso se deve a maneira como eu sempre os tratei também. Acredito que sempre recebemos o que entregamos às pessoas. Tenho muito orgulho de poder dizer que fui uma das primeiras atrizes brasileiras a conquistar espaço no cinema chinês e espero que, com isso, eu tenha aberto espaço para que mais talentos brasileiros sejam reconhecidos lá fora. Após as estreias nos cinemas da China quero trazer os dois filmes para os cinemas do Brasil para compartilhar isso com todos os brasileiros!

Em “Daylight” você contracenou com Shen Teng, considerado o maior comediante chinês da atualidade. Vocês atuaram em mandarim? Como foi a preparação para viver essa personagem? Sim! E é incrível como, mesmo sem falar nada, ele é capaz de te fazer rir. Ele é realmente um mito. Atuar com ele foi um grande presente. Atuei em mandarim e em inglês. Como, claramente, eu não era chinesa, eles quiseram misturar os idiomas. Foi uma preparação intensa onde, com ajuda de intérprete, eu aprendia as cenas (falo mandarim básico, então não conseguia entender tudo sozinha) e contracenava com o entendimento da cena anterior. Foi mágico e desafiador. Provou que não existem barreiras para quem tem um sonho e um propósito dentro de si!

Antes de sua experiência como atriz no exterior, você já atuou em algumas produções brasileiras. Pretende fazer mais cinema no Brasil? Quais as vantagens e desvantagens do nosso cinema comparado ao cinema chinês? Sim! Meu momento agora é de me consolidar como atriz e apresentadora no Brasil. Quero muito isso e estou trabalhando com esse propósito. Vejo a atuação no Brasil com um registro mais realista e naturalista, mais fiel à vida real. Na China, muitas vezes, usamos um registro mais lúdico, até mesmo de “overacting”, que os chineses adoram. São duas coisas completamente diferentes. Mas me sinto apta a me adaptar aos dois mercados. Estou empolgada com tudo que quero realizar no Brasil este ano!

Além de atriz, você já foi repórter e apresentadora da Rede Pampa, e, em 2016, já morando na China, comandou a abertura dos Jogos Olímpicos para o canal Inkle. Você tem algum outro projeto como apresentadora? Prefere atuar ou apresentar? Verdade. Atuar e apresentar são minhas duas grandes paixões. Vejo que elas requerem habilidades distintas, mas sinto ter ambas pulsando dentro de mim. Por isso, não quero me limitar a uma ou a outra. Acredito que, com o planejamento correto, seja possível realizar as duas coisas. É isso me fará imensamente feliz.

Em 2017, por sua contribuição cultural à China, você ganhou o Prêmio “The Most Incredible Award”. O que isso representou na sua carreira e na sua vida? Foi um marco muito importante na minha carreira na China, pois é um prêmio de muita credibilidade e me abriu muitas portas. Foi muito emocionante ser reconhecida mesmo sendo tão nova. Me senti levando o nome e o talento do Brasil para o mundo.

Qual dica daria a atual Miss Brasil? Que ela saiba usar este título tão importante para algo nobre. Que impacte vidas com a visibilidade que ela tem. Este título é dos brasileiros e deve servir aos brasileiros. A fama e as oportunidades profissionais são consequências de um reinado com propósito.

Como você enxerga o atual momento político do nosso país? Qual o Brasil dos seus sonhos? Vejo um cenário caótico. É difícil para o próprio cidadão entender o que está acontecendo. Ficamos à mercê dos impactos diários que sofremos na nossa vida cotidiana advindos do descaso e da irresponsabilidade dos nossos governantes. É triste ver um povo sem perspectivas de um futuro melhor. Acredito que somos capazes de suportar qualquer coisa quando temos esperança de dias melhores, e infelizmente, hoje, o que vejo é nosso povo cansado e desacreditado. Isso corta o coração e diminui nossa potência de contribuir para as mudanças que queremos. O que desejo é que o brasileiro volte a ter esperança, que nas próximas eleições se apresentem candidatos que renovem nossa fé em nós mesmos e no país. O Brasil tem tudo para ser gigante e próspero. Merecemos isso.

Quais os seus sonhos profissionais? Algum futuro projeto que faça parte desse sonho? Hoje o que quero é me solidificar artisticamente como atriz e apresentadora no Brasil e no restante da América Latina. Gosto muito de atuar em espanhol e quero explorar isso. Quero que os brasileiros conheçam mais meu trabalho e seguir usando minha visibilidade para impactar positivamente nosso país.

Como você se definiria em uma frase? O mundo é um reflexo meu. O trabalho de mudar e melhorar o mundo começa em mim todos os dias.

Fotos e beleza Vinícius Mochizuki

Styling Maitê Chasseraux