Delicada e ao mesmo tempo sexy e forte, talentosa e segura de si. Carolina Kasting é um alento para nossos olhos nos dias de hoje. Cada vez mais bela e segura da sua beleza e de quem ela, só tem tornado a atriz ainda mais bela com o tempo. Atualmente interpretando a personagem Agnes e “Salve-se Quem Puder”, Carolina tem encontrado nos desafios da sua personagem um aprendizado diário e assim segue em sua evolução como atriz e como pessoa. Depois de passar um bom período morando em Portugal, Carolina volta para a TV e para nossa capa. Assim fica difícil resistir.

Carolina, hoje em dia para o que você gritaria “salve-se quem puder!”? (risos) Em tom de comédia, gritaria aos hipócritas que acham que são diferentes e merecem privilégios, em detrimento de outros. Jogaria todos ao mar e gritaria “Salve-se quem puder!!!!!!!!!” Em tom de tragédia eu diria, chorando, ao povo brasileiro, que nasceu em um dos mais ricos e diversos países do mundo e vive uma vida miserável, sem dignidade, sem cidadania, por causa desta “elite” hipócrita, mas é, justamente, este povo aguerrido, que, na verdade, sustenta esse país.

A novela é leve mas sua personagem enfrenta alguns dramas familiares pesados. Como equilibrar isso na hora de interpretar? Sim, me detive muito nesta questão quando gravei as primeiras cenas, ela não é trágica nem pesada, a tragédia é que passa por ela e sua bondade e sabedoria fazem-na manter-se leve diante disso tudo.

Agnes é uma mulher madura, mãe de três filhos adultos… como está sendo o desafio de interpretar uma personagem mais velha e com esses dramas todos? (risos) Ela não é mais velha do que eu, ela tem quarenta e quatro anos e toda a jovialidade que eu tenho. Ela passou por três grandes tragédias na vida, a morte do marido, a suposta perda da filha mais velha e a doença cardíaca da mais nova e mesmo assim permanece leve e doce diante da vida. Tenho aprendido muito com a Agnes e fico feliz que o público já a veja como um anjo.

Falando disso de idade, você com 44 aparenta ter no mínimo 10 anos a menos. Como isso te toca? Algum segredo que possa revelar? (risos) Acho que aparento ser mais jovem porque não estou presa a um padrão, valorizo as minhas diferenças, não quero ser igual aos outros. Valorizo o que tenho de único e o tempo passou a ser meu amigo, ele me ensina coisas incríveis, por exemplo, que sou muito mais bonita hoje porque aprendi a me amar, a aceitar as minhas dificuldades e qualidades.

Por sinal você tem falado muito sobre envelhecimento saudável. O que você coloca em prática que serve de dica para o público? Fazer atividade física, ter uma alimentação saudável, sem farinha, gordura saturada e açúcar, ou consumir o menos possível. Beber muita água, comer comidinhas da natureza, como frutas, legumes e grãos. Cuidar da saúde mental, não conviver com pessoas tóxicas, pedir ajuda quando algo está maior do que a sua capacidade de resolver. Tirar um tempo para você, ter prazer, ser sustentável consigo e com o planeta. Nossa, são muitas dicas (risos).

Seu trabalho anterior foi na novela portuguesa “Valor da Vida”. Como foi a experiência e aceitação em Portugal? Foi uma delícia sentir de perto o reconhecimento pela minha trajetória na televisão. Eu sabia que as novelas da Globo eram conhecidas mundialmente, já fui reconhecida em outros países mas conviver com pessoas que cresceram me vendo na telinha dentro de suas casas foi muito gratificante. Fui chamada para este trabalho por causa do protagonismo das novelas brasileiras e da solidez da minha imagem e carreira.

Aliás, como foi morar em Portugal? A adaptação foi fácil? Foi maravilhoso. Uma experiência profunda para todos nós. O deslocamento físico, para um outro país, numa distância de um oceano, como é o caso de Portugal, exige um deslocamento interno e todos nós tivemos que fazê-lo. As crianças, Tom, Cora e Rafael e eu e Maurício. Isto nos uniu ainda mais. Amadurecemos. Somos outras pessoas depois desta experiência. Todos deveriam um dia, ter a oportunidade de conhecer outro país, quando nos distanciamos do nosso próprio país, conseguimos enxerga-lo melhor e ter maior discernimento.

Neste ensaio você está elegante como sempre. Porém um pouco mais ousada e sensual. Como foi, e é, trabalhar esses dois lados? A sensualidade tem aparecido cada vez mais em mim, com o passar dos anos. Acho que foi porque fiz as pazes comigo mesma. Não tento mais ser alguém que não sou, para agradar ou conquistar as coisas. O que é para mim, já é, já está em mim. Portanto, o grande propósito da minha vida é ser quem sou, e tenho sido cada vez mais genuína, esta é uma característica que seduz muito as pessoas. Auto aceitação é muito sexy.

Quando quer ousar mais que “armas” usa? A intuição. Costumo dizer que tenho uma inteligência intuitiva. Quando confio na minha intuição, sou fiel ao meu potencial. Por isso trabalho com arte, acho que esta é a minha missão. Mudar a vida das pessoas mostrando a elas algo que nunca viram antes.

Esse poderia ser um dos segredos de um casamento de 20 anos? O que mais merece atenção para uma relação duradoura? Você tem que estar disposto a amar. Amar não é uma via de mão única. É um compromisso mútuo de respeito e compaixão, de cumplicidade e dedicação. É preciso regar o amor todos os dias e abdicar de coisas que você só poderia ter se estivesse sozinho.

Onde existe uma cumplicidade e uma troca maior entre vocês? Em tudo, não saberia viver sem o Maurício. Temos afinidade profissional, artística, compartilhamos muitos dos mesmos sonhos um do outro, temos afinidade de alma.

Como a vaidade te toca? Até que ponto ela vai na Carolina como mulher e como atriz? A vaidade está em todos nós, todos temos a necessidade de ser amado de forma narcísica. O equilíbrio consiste em enxergar seu narcisismo a ponto de compreendê-lo e travar um embate com ele, de igual pra igual, impondo a alteridade como uma condição. Uma batalha árdua, pois se colocar no lugar do outro é uma das coisas mais difíceis da vida, justamente porque somos todos narcísicos. Até mesmo o amor deve ter cuidado para não ficar prisioneiro da vaidade.

O que te coloca um sorriso no rosto? As crianças, me enchem de alegria, sempre, são como deveríamos ter permanecido, amo as crianças.

E o que não dá pra suportar? Qualquer tipo de injustiça, me tira do sério, principalmente com quem não pode se defender, como as crianças e os animais.

Nas horas vagas o que faz sua cabeça? Gosto de namorar, ver um filme, ler, ir ao teatro e as vezes gosto de caminhar, sem nenhum compromisso, sou um pouco andarilha, medito caminhando.

Tirando Portugal, que outro lugar você moraria fácil e por que? Na Itália, porque meu marido tem cidadania italiana e na Itália existem cidades que não são tão grandes mas são muito dinâmicas culturalmente, como Bolonha.

Para conquistar Carolina basta… Ser sincero.

Fotos Dêssa Pires

Styling Samantha Szczerb

Beleza Yago Maia

Agradecimentos Duloren, Eduardo Guinle, Maracujá, Manufact, J’Adore Luxe

Locação Hotel Grand Mercure Rio Centro