Rodrigo Simas já chegou arrebentando, literalmente, e de cara arrebatou todas as críticas e virou nosso herói. Não foi à toa que o batizamos de “Astro boy”, uma clara referência ao desenho dos quadrinhos mangá japonês de um garoto com super-robô que voa, corre, luta e ganha todas. Rodrigo em seu papel de estréia no horário nobre da Globo conquistou o público e a crítica com seu polêmico personagem Leandro que tem tido uma bela trajetória na história onde atualmente largou o “lado negro” pelo esporte, pelas lutas de MMA. Com uma exemplar e sólida base familiar, Rodrigo é filho do famoso capoeirista Beto Simas e irmão do também ator Bruno Gissoni, o que lhe dá a simplicidade de encarar tudo isso de forma simples e com talento de grandes atores. Depois de uma longa temporada morando nos EUA, Rodrigo mostra à que veio, e não está para brincadeira. Para conhecer um pouco mais desse mais novo orgulho da família Simas, conversamos com nosso “Astro Boy” e ficamos fã da simplicidade do garoto. Vida longa e próspera Rodrigo!

Em seu primeiro trabalho na Globo, logo em horário nobre, com um personagem polêmicos e de várias nuances. Podemos dizer que você começou com o pé direito. Isso te assusta? Como está repercutindo isso em você? Com certeza foi um presente que eu recebi… mas de muita responsabilidade. Quando eu passei no teste, não imaginava que a trama do personagem seria tão boa! Isso tudo não me assusta e sim me dá mais vontade de estudar e trabalhar!

Seu personagem começou a trajetória em Fina Estampa como um bad boy, mal caráter, passou a se prostituir e agora encara uma missão que pode ser sua redenção com encarar o MMA. Você acha que o esporte pode resgatar o Leandro do “lado negro” dele? Eu acho sim que o esporte pode resgatar o Leandro, resgatar essa deturpação de valores que ele tem!

Você acha que o esporte tem esse poder transformador sobre as pessoas? Que importância o esporte tem em sua vida, vindo você de uma família que sempre valorizou o esporte? Acho que tem sim esse poder. O esporte sempre esteve muito presente na minha vida… E tenho que agradecer por isso sempre, à Capoeira principalmente que me deu essa consciência física e mental, a disciplina, o respeito etc… O esporte transforma, salva e educa!

 

Voltando ao seu personagem Leandro, você acredita que os rumos de Leandro, que deixa de ser garoto de programa de homens para lutador de MMA tem a ver com o fato de ainda sermos uma sociedade hipócrita que prefere fechar os olhos ao invés de discutir em âmbito nacional os problemas de comportamento? Acredito que de certa forma sim. É difícil pro publico aceitar uma trama tão polemica. Mesmo tendo a censura de idade, o horário das nove é visto por muitos menores de 12 anos! É sim uma realidade do dia a dia que muitos fecham os olhos!

Seu irmão, Bruno Gissoni, atuará na próxima novela global Avenida Brasil, que substituirá Fina Estampa. Costumam “trocar figurinhas” sobre a arte de atuar? Costumamos sim, quando assistimos as cenas damos palpite, ou criticamos, mas sempre para o lado positivo!

Em seu segundo trabalho na TV, o sucesso do personagem Leandro e o assédio cada vez maior. Qual o lado bom e o lado ruim disso tudo? É muito bom quando a consequencia do seu trabalho é positiva! Quando as pessoas vêm nos parabenizar, quando elas dão palpite sobre a história e você vê que elas estão acreditando no seu trabalho! O Lado ruim é o cuidado que temos que ter com o que falamos ou fazemos, porque tudo pode ser revertido contra a sua imagem!

Seu pai (o ator e capoeirista Beto Simas), em entrevista à MENSCH falou que a capoeira o ensinou a ser humilde, verdadeiro, respeitador, forte, valente, sensível, romântico e lutar sempre pelos sonhos. Você também concorda com a opinião dele? A capoeira é só um esporte ou tem um significado muito mais amplo pra você? Concordo plenamente com tudo que ele disse, a Capoeira nos proporciona uma base para a vida!

Que valores sua família te passou que você levará para o resto da sua vida e que você coloca em prática? Ser verdadeiro sempre, ter respeito pelo próximo… e não fazer com o outro o que não gostaria que fizessem com você!

Desde os 6 anos você morou nos Estados Unidos (Los Angeles), do que sente falta dessa época? Dessa época eu às vezes sinto falta de ser criança, de ir pra escola… a gente sempre reclamava mas era muito bom! Ter morado nos Estados Unidos foi muito bom!

Nos EUA você chegou a fazer algum trabalho ou curso na área da dramaturgia? Na verdade eu comecei a fazer Teatro com 15 anos, tinha acabado de voltar para o Brasil! Em 2010 eu fiquei uns 8 meses em Los Angeles, fiz um curso e vários testes para filmes inclusive para o “Amanhecer” da saga Crepúsculo!

O que costuma fazer para relaxar e se divertir nas folgas das gravações? Ir à praia, teatro, cinema, estar com os amigos…etc.

Quem são seus ídolos e por quê? Os meus ídolos são as pessoas que cultivam o Bem, as pessoas solidárias por nada em troca!

Quais os planos quando a novela terminar? Por enquanto, em termos de trabalho nada em vista ainda! Pretendo sim voltar pra minha faculdade de Teatro que eu tranquei por causa das gravações!

Acompanhe a MENSCH também pelo Twitter: @RevMensch e baixe gratuitamente pelo iPad na App Store.