O sonho de virar modelo e ganhar o mundo sempre esteve presente na vida de Carol Valença, um sergipana inquieta e simpática que não ficou apenas sonhando. Aos 18 anos, Carol resolveu ir à luta, se matriculou num curso em uma agência de modelos da sua cidade, focou nas redes sociais e no trabalho paralelo ao curso de Engenharia Civil, na Universidade Federal de Sergipe. “Sempre recebi muito apoio da minha família em todas as minhas decisões da minha vida. Além disso, financeiramente também tive ajuda deles: as primeiras maquiagens e o curso minha tia que pagou, lembro que meu primeiro salto foi meu irmão mais velho que comprou.” Em 2016 participou do Miss Sergipe e na sequência se preparou para o Miss Brasil, e foi durante o concurso que Carol viu as portas internacionais se abriram, à convite da Miss Tocantins, Carol Valença embarcou para o México, rumo ao início de sua carreira lá fora. Em 2017 lá estava Carol em meio a um terremoto que atingiu sua cidade. “Fiquei com bastante medo, mas consegui superar. Foi um período de amadurecimento profissional e pessoal também, onde pude ter de fato a minha total independência e responsabilidade”, acrescenta ela. Hoje, aos 26 anos, Carol mora em São Paulo e tem construído seu nome no mercado da moda e desbravado outros negócios que ela nos conta aqui nessa entrevista que traz um belo ensaio seu produzido no México para a MENSCH.

Carol, de Sergipe para o Mundo. Se sente uma vencedora? Quais os maiores desafios e conquistas até aqui? Me sinto sim uma vencedora. Eu sou de um lugar onde as pessoas não tem muita oportunidade, e você acaba vendo o mundo de uma forma muito “impossível”, então sair de lá. E vislumbrar outros horizontes já é uma grande conquista! Os maiores desafios ainda são o preconceito por ser mulher e nordestina.

O que levou da sua terra natal para a vida? Do que sente falta? A empatia, é algo presente nas pessoas lá. Apesar das dificuldades elas estão sempre estendendo a mão umas das outras e que eu quero carregar isso comigo para onde quer que seja. Sinto falta da minha família, das comidas típicas do meu estado, meu cuscuz por exemplo (risos), e principalmente do dia a dia mais tranquilo. 

Muita gente acha que vida de modelo é só glamour. O que é mais difícil nessa profissão? Não é só glamour. Tem muita dedicação, esforço e perrengue nos bastidores. Temos que abdicar de muitas coisas, como por exemplo, ficar longe da família, essa sem dúvidas é a parte mais difícil. 

Falando nisso, o que foi mais difícil no início da carreira de modelo que você tiraria de letra hoje em dia? No início eu era muito jovem, imatura e “bobinha”, hoje me considero mais experiente e com “malicia”, para saber o que aceito, o que não vai ser bom para mim e dizer “NÃO”. Graças a Deus nunca aconteceu nada sério, mas eu acabava acatando tudo que as agências sempre impuseram e ficava calada.

Você morou no México por um bom tempo. Como foi a experiência? Soubemos que você passou até por terremoto por lá? Morei um ano no México, em 2017. Foi uma experiência incrível, onde amadureci muito, tanto profissionalmente quanto como pessoa. Passei sim pelo terremoto, foi terrível!!! Uma experiência que não quero vivenciar outra vez. 

Como é seu nível de vaidade? Como lida com o espelho? Eu me considero bastante vaidosa. Gosto de estar sempre arrumada, dentro do meu estilo, de estar sempre maquiada, mesmo usando maquiagens mais leves. Já tive problemas com aceitação, houve um tempo que não gostava do meu corpo e fazia dietas loucas, mas hoje já não sou mais assim, hoje me amo do jeito que sou e me cuido também pela estética pois trabalho com isso, mas principalmente para me manter saudável. O espelho é meu “amiguinho” inseparável (risos).

Onde é mais fácil te encontrar, numa balada à noite, na praia com os amigos ou passeios mais culturais? Eu amo as três opções!! Para mim o que importa é a companhia. Eu amo estar com meus amigos!!

Na hora da paquera, o quanto a imagem é importante para você? O que te atrai? A imagem sim me atrai, mas não é tudo. O que me atrai de fato é a maneira de conversar e me tratar, não adianta ser um homem lindo e sem conteúdo.

O que um cara precisa ter/ser para chamar sua atenção? Precisa ser atencioso, ter um bom diálogo ter foco na sua vida profissional, e sempre tento saber o que ele acha sobre ter uma mulher independente ao seu lado. Isso diz muito sobre ele, pois vivemos em uma sociedade machista e precisamos a todo instante estarmos atentas a isso. 

Não resiste a um… Sorvete (risos)

O que te diverte? Reunião em casa com meus amigos, amo!

Para dormir prefere… Sempre durmo assistindo alguma série (risos). É uma curiosidade minha. Mas no geral, uma cama confortável, um lugar silencioso já está de bom tamanho.

Para 2021 quais os planos? Consegue traçar algo? Estou com um projeto que ainda não posso revelar, e está ficando lindo. Mas no geral 2021 o maior plano é empreender.

Fotos Whagner Duarte

Make / Hair Well Dias

Stylist Luiz Plinio