Que via Juliana Valcézia na TV nas tardes do “Domingão do Faustão” como bailarina e depois apresentadora não imagina do que ela é capaz. Ju é muito além de uma mulher bonita, uma grande bailarina e uma apresentadora dedicada, ela vai além e se coloca de frente à novos desafios. Um bom exemplo disso é o seu canal no YouTube para falar de relacionamentos sem tabus. Apaixonada por dança desde criança, foi ensinando famosos sem prática na dança a cair na pista e fazer bonito. Sem papas na língua Juliana segue sua trilha sem se importar com cantadas mas sempre se divertindo com tudo. E nas horas vagas, uma cervejinha e um bom rock para relaxar.

Você passou 6 anos no “Domingão do Faustão” atuando como bailarina e apresentadora. O que ficou dessa experiência? Ficaram só coisas boas… um grande aprendizado, amizades eternas, novas descobertas e mais confiança na vida profissional.

Como a dança entrou na sua vida? Naturalmente. Aos 12 anos saindo da escola assisti uma aula de jazz e pedi pra minha mãe me matricular. Nunca mais parei! Foi uma fase difícil de muito estudo e dedicação, mas naquele momento, aquilo era a minha maior felicidade!

Quais os maiores desafios e realizações de atuar como apresentadora? São vários desafios! Um deles é se atualizar sempre. Acho que o artista não pode se acomodar nunca… tudo agrega e engrandece! Cuidar da voz, do corpo, do espírito e se manter informado. Mas acho que o maior de todos os desafios é ter sempre algo novo pra apresentar, se reinventar… hoje em dia as informações vem e vão muito rapidamente! E o nosso trabalho é como enxugar gelo! Isso tudo faz parte da realização. Se você ama o que faz, curte cada segundo! E quando você vê que o trabalho faz diferença na vida das pessoas, aí a realização é gigantesca!

Falando em desafios, quais os maiores que você enfrentava no “Dança dos Famosos”? Era com os famosos ou com você se adaptar ao processo todo? “Dança dos Famosos” é desafio do começo ao fim! (risos) Ensinar alguém que nunca dançou em tão pouco tempo e se apresentar ao vivo é o começo do desafio. Depois vão aparecendo outros… instabilidade emocional da convivência, competição e pressão! É tudo muito intenso! Participei 4 vezes, e posso dizer que foram experiências engrandecedoras e inesquecíveis!

Algumas bailarinas e modelos sofrem preconceito quando tentam uma nova carreira. Você já passou por isso? Como aconteceu e como você lidou com a situação? Acho que o preconceito existe em todo lugar. Rola comigo sim! Algumas pessoas julgam sem saber a minha história, quem eu sou, o quanto eu estudo, o quanto eu ralo pra conquistar as minhas coisas! E com dignidade!! Alguns acham que se eu comecei como bailarina, não tenho direito e nem capacidade de fazer algo novo. Porque não? Pra mim, esse é um tipo de pensamento pequeno, de pessoas limitadas. Mas procuro não focar nisso. Acredito no bem maior, na minha consciência tranquila, na dedicação e no propósito divino. Continuo trabalhando com amor, e assim vou!

Por ser uma mulher bonita, alta e loira não tem como passar despercebida. Isso já te incomodou? Na minha adolescência eu era muito tímida. Acho que ainda sou um pouco em algumas situações. Mas quando liga a câmera eu me transformo, parece que estou protegida. Incomodar não, mas no dia-a-dia sou bem discreta.

Por conta disso também, e ser bailarina, já levou muita cantada ou sofreu assedio? Como tirar isso de letra? Cantada sempre né! (risos) acho que a maioria das pessoas recebem cantada né gente! Assédio também, mas eu costumo me impor. Já ando fechada na minha energia pra não rolar isso.

Recentemente você lançou seu canal no YouTube sem papas na língua. Fala um pouco desse projeto. O A3 com Ju Valcézia é um programa que aborda o tema “relacionamentos”. Sempre converso com 2 convidados, ou saio por aí pra saber a opinião do povo. O objetivo é esclarecer. Muitas pessoas sofrem diversos problemas por conta de relacionamentos doentios. Acho que o papo liberta, encoraja e alcança a todos por ser na internet. Eu e todos aprendemos com as experiências das pessoas.

Você vai falar de sexo, nudes, relacionamento, desencontros… Algum assunto que você ainda se sinta desconfortável? Nenhum! Falo tudo sem papas na língua. Estou livre na internet. Por isso fiz o canal, para incentivar as pessoas a deixarem a hipocrisia de lado, abrir a mente, quebrar preconceitos e tabus. Isso transforma os nossos relacionamentos e nos torna seres humanos melhores e mais felizes!

O que ensinar aos homens? E o que aprender com eles? Acho que somos todos iguais. Pra mim não existe diferença entre homem e mulher. Todos temos imperfeições e precisamos nos curar. Existem homens afetuosos, mulheres traidoras, homens mentirosos, mulheres verdadeiras e vice e versa.

Na paquera o que te seduz e que “armas” usa? Nossa estou casada há 15 anos, uso as armas com meu maridão (risos). O olhar e a energia que emano quando desejo algo (risos). A gentileza mais introspectiva me seduz.

O que te diverte? Sou uma pessoa fácil de me divertir (risos). Sou super bem-humorada! Coisas simples me divertem muito… música, papo leve e despretensioso, natureza, um jantar, viagem… muitas coisas!

Vaidosa? Até que ponto? Meio termo. Tem dias que estou toda pomposa, outros não quero tirar o pijama.

O que curte ler, ver e ouvir? Gosto muito de livros de autoajuda. Filmes e séries que toquem o meu coração. Escuto todos os tipos de música, mas gosto muito de música eletrônica, mais instrumental, rock…

E para beber vai um (a)… Cervejinha é sempre bem-vinda (risos). Mas depende da ocasião…

Não resiste a um… Um bom restaurante.