Determinação e talento para diversificar a informação adquirida faz de Rafael Peixoto um profissional fora da curva. Formato em Tecnologia da Informação e mestrado em Marketing, Rafael aceitou um novo desafio, ser apresentador de TV. Passando para o público um pouco do que aprendeu ao longo de sua trajetória. Não é à toa que o nome do seu programa, ‘A Mente Que Aprende’, diz muito de quem é o apresentador (e nosso entrevistado).

Rafael você é Bacharel em TI (Tecnologia da Informação) com Pós em Gestão de Projetos, MBA e Mestrado Internacional em Marketing, entre especializações de peso no Currículo, como aconteceu esse mais novo papel de apresentador de TV? Certa vez, fui convidado pela apresentadora Luciana Peixoto, do programa Perfil na TVPetrópolis, para criar um quadro que pudesse passar informações para a sua audiência sobre Saúde Mental e Qualidade de Vida. Para este projeto, dei o nome de A MENTE POR TRÁS DO PERFIL e foi o maior sucesso. Com o tempo, Luciana se tornou uma grande amiga e, um certo dia, durante um café, me perguntou “Rafa, acho que você leva muito jeito pra coisa. Que tal encarar o desafio de ter o seu próprio programa”? Até então, nunca havia pensado nessa possibilidade, mas resolvi fazer uma temporada de teste e criei o programaA MENTE QUE APRENDE. O projeto foi ganhando força e, hoje, faz o maior sucesso.

Você é visto como um profissional multidisciplinar, quais são as suas principais atividades, no momento, e como consegue conciliar tudo isso? Profissionalmente, divido meu tempo em 3 grandes pilares: Primeiro, desenvolvo Palestras e Treinamentos voltados para o desenvolvimento e engajamento de profissionais dentro de médias e grandes empresas. Em segundo lugar, atuo como Hipnoterapeuta Clínico, onde realizo atendimentos voltados para o tratamento de doenças psicossomáticas, ou seja, aquelas que não possuem um diagnóstico claro e preciso por parte dos médicos. E por último, o mais recente projeto – estou nas telinhas como apresentador do programa A MENTE QUE APRENDE, toda segunda-feira às 21h, ao vivo, na emissora TV Petrópolis, onde levo convidados-especialistas para debater sobre importantes assuntos relacionados à Qualidade de Vida, Saúde Mental, Empreendedorismo, Educação, Gestão e Liderança. Como tenho formação na área de projetos e trabalhei muito tempo com a gestão de projetos, acredito que possuo facilidade em organizar, planejar e executar as coisas. Acredito, sinceramente, que trata-se de uma disciplina que deveria ser obrigatória em qualquer formação universitária, pois a vida é um grande projeto!

Atualmente, você usa seus conhecimentos e experiências, para a construção de palestras e treinamentos, como funciona esse trabalho? Durante muito tempo, eu pensava que o fato de possuir o conhecimento já era motivo para me orgulhar, mas essa visão foi mudando ao longo da minha trajetória e, hoje, percebo que ele, o conhecimento, só tem valor quando sai da nossa “cabeça” e passa a fazer parte do repertório de outra pessoa, ajudando-a na construção de algo. Para elaboração do conteúdo, faço uso da bagagem que carrego, ao longo de mais de 26 anos de experiência profissional, em companhias de vários tamanhos e diversos setores. Também, não posso deixar de citar que utilizo grande parte do que experiencio durante os atendimentos no consultório clínico para refletir sobre as principais dificuldades psíquicas do ser humano. No final, o objetivo principal é gerar autorreflexão nos participantes, fazê-los pensar de verdade, a fim de, gerar ações automotivadas para o crescimento do negócio, bem como para suas próprias vidas.

Qual a virada de chave de sua vida que você usa como fator motivacional para inspirar o seu público? Muitos não sabem, mas trabalho desde os 13 anos de idade e tive a minha carteira de trabalho assinada aos 14. Lembro que trabalhava muito, mas com pouco resultado e foi por volta dos 17 anos que conheci um senhor, chamado Gerhard Wimmer que, depois de algum tempo, se tornou um verdadeiro amigo e mentor, causando uma verdadeira revolução na minha maneira de pensar e encarar a vida. Combinamos que aos finais de semana, eu lhe daria aulas de informática e, receberia, em troca, seus conselhos e experiências, de uma história de vida fenomenal. Também, não posso negar que amava o cafezinho que a sua esposa, Maria José, preparava carinhosamente. A partir de nossas conversas, comecei a perceber que nada na vida é por acaso. Tudo advém de nossas escolhas, decisões e, principalmente, de nossas atitudes. Hoje, só tenho a presença do meu mentor em minhas memórias, mas em contrapartida, ainda tenho a sua esposa que, carinhosamente, a chamo de mãe carioca. Lembro que ele sempre dizia “A vida não tem segredo, pena que só descobrimos isso quando estamos bem “velhos”, ou seja, se você fizer o certo, terá uma grande chance de dar certo, mas se optar por fazer o “errado”, o risco é eminente!”

De todas as etapas para chegar até aqui, quais foram os maiores desafios? Sempre tive desafios e sou grato por isso, mas, recentemente, enfrentei alguns que me colocaram à prova. Em 2020, comecei a sentir dores insuportáveis na parte de trás do pescoço e no braço esquerdo. Busquei ajuda de especialistas médicos e fui diagnosticado com 3 hérnias de disco na região da cervical, quando os especialistas disseram que eu teria que passar por uma cirurgia de emergência e implantar oito parafusos para fixar duas placas entre as vértebras. Ao final, eu perderia alguns movimentos, o que comprometeria a realização de alguns exercícios físicos e a prática de esportes. Graças a minha perseverança, exercícios de osteopatia e muita auto hipnose, suportei as dores e tudo deu certo.

Em 2021, todos da minha família contraíram o COVID 19. Fiquei internado por 12 dias, e, no meio da internação, recebi duas notícias. A primeira, muito boa, pois meu pai havia tido alta do hospital e poderia voltar para casa, mas, em contrapartida, minha mãe acabara de falecer e com a notícia, o meu quadro começou a piorar. Os medicamentos não estavam fazendo o efeito esperado e tive que utilizar a máscara NVI para ajudar na recuperação, pois os pulmões chegaram à estar com mais de 75% de comprometimento. Foi então que os médicos, diante da minha piora, autorizaram a entrada da minha esposa, Fernanda Schanuel, já vacinada, para me fazer companhia na área isolada do COVID. Todos os dias, quando acordava, olhava para ela e percebia que ainda havia um grupo de pessoas que significavam muito pra mim e que eu deveria lutar com todas as minhas forças para continuar ao lado delas. O resultado disso é que você está lendo esta matéria, agora. 🙂

Hoje, em seu mais novo papel, como apresentador de TV. No programa A MENTE QUE APRENDE, você consegue ajudar outras pessoas? Sim! Fico muito feliz por responder, positivamente, a esta pergunta. Mesmo já utilizando as redes sociais, o programa de TV me deu a oportunidade de ampliar a minha audiência e atingir um novo público, ou seja, pessoas que eu não alcançava, até então. Sou muito grato à emissora, TV Petrópolis, por abrir essa porta e me conceder a liberdade para escolher os assuntos, bem como conduzir o programa de forma autônoma.

O que de fato inspira o Rafael Peixoto a encarar novos desafios? Naturalmente, extraio de cada pessoa que conheço uma inspiração. Nossa vida é muito curta e, acredito, que não devemos subutilizar a nossa existência. A humanidade evoluiu até aqui através de grandes revoluções e conquistas, que implicaram em desafios e superação. Acredito que todos nós possuímos nossas próprias revoluções, sendo assim, devemos olhar para frente e perceber que é possível mudar o curso da nossa vida, à todo instante.

Como você se sente neste início de 2022? É difícil descrever a sensação, pois muita coisa aconteceu nos últimos anos. No entanto, percebo que a minha experiência de vida me deu muita energia e, principalmente, segurança para enfrentar novos desafios e crescer durante a jornada. Quando olho para meus sentimentos, posso afirmar que estou muito inspirado e entusiasmado com as frentes que venho conduzindo.

Como você se vê daqui a dois anos? Essa, talvez, seja a pergunta mais difícil de ser respondida, pois vivemos num mundo cada vez mais acelerado, dinâmico, onde a única constância é a própria mudança. Gosto de me imaginar numa posição que me possibilite alcançar ainda mais pessoas, quem sabe apresentando um programa numa grande emissora de TV ou, até mesmo, palestrando em eventos maiores. No final, penso que o mais importante é exercer um papel que me permita contribuir para a construção de um mundo melhor, mesmo que seja através do universo subjetivo de uma única pessoa.

O que você gosta de fazer nas horas de lazer? Além de estar com a minha família, os entes mais próximos, sou apaixonado pela leitura de qualquer natureza, só o fato de tomar conhecimento de algo novo, já me fascina. Como um grande aventureiro, também, amo viajar para lugares exóticos, experimentar a culinária local e me aprofundar na cultura através das novas amizades, é claro. Ah! Não posso deixar de dizer que meu evento favorito é fazer um churrasco com a presença da família e amigos.

Deixe uma mensagem para os leitores da MENSCH. Gostaria de lhe agradecer por seu tempo em tomar conhecimento de uma pequena parte da minha história e desejo tudo de melhor para todos. Também, desejo que nunca subutilize a sua existência, seja o ser humano fantástico que você nasceu pra ser! Lembre-se: Existe uma linha tênue que separa o sucesso e o fracasso e se chama PERSISTÊNCIA, ou seja, quando tudo parecer perdido, persista por mais um instante! Por fim, caso, eu não tenha utilizado as melhores palavras, fique apenas com a minha mais pura intenção, que foi a melhor possível. Até a próxima leitura!

Fotos Anael Rocha 

Produção executiva Marcia Dornelles 

Looks Mr Hugo

Agradecimentos Bossa Nova Ipanema Hotel (@bossanova)