Diz a lenda brasileira que o canto de Iara seduz os pescadores que correm para o rio atraídos por sua voz. A nossa Yara também, canta, encanta e seduz brasileiros e também franceses. Nossa estrela de capa, a atriz Yara Charry é puro encanto. Seja na sua forma leve de viver, sua voz encantadora ou atuando em papéis tão diversos que só mostram o talento dessa bela mulher. Filha de mãe brasileira e pai francês, Yara traz o melhor de cada cultura no seu DNA. Uma mistura que acima de tudo traz muita autenticidade. Conheça um pouco mais dessa encantadora atriz e fiquemos na torcida para em breve vê-la de volta na telinha, ou telona.  

Yara, o que essa francesinha tem que agradou tanto os brasileiros? Qual o “segredo” dessa mistura Brasil / França? Ter duas nacionalidades é pra mim um privilégio, pois tenho a oportunidade de transitar por lugares diferentes, descobrir os encantos de cada cultura, aprimorar meus gostos e, claro, viver um pouco do que ambos os lugares tem para oferecer, que afinal é uma soma da minha história. Acho que na vida o que agrada, principalmente nos dias de hoje, é sermos autênticos. Eu levo minhas crenças e ideias por onde passo, e acredito que as pessoas sentem nossa energia, ainda mais no Brasil, onde o povo é muito afetuoso. 

Se sente pertencendo aos dois países? Como cada um influenciou na pessoa que você é hoje? Sim, eu sou metade francesa e metade brasileira. Me sinto pertencendo aos dois países por eu ter uma mãe brasileira e um pai francês. Ambos me apresentaram as duas culturas. A França, sua música, o olhar apurado para as artes, contribuem muito para quem eu sou e pro que gosto. No Brasil não é tão diferente, porque sou apaixonada pelo ritmo daqui, o carnaval por exemplo é uma festa linda, que levanta debates importantes nos enredos. Além do mais, este país é o lugar que escolhi construir minha carreira, e sinto muita gratidão. 

A sua “ponte-aérea” Paris-Rio de Janeiro sempre deve ter sido agitada. O que guarda de cada cidade? Nascida e criada em Paris, amo pensar nos momentos que passei e ainda passo por lá. Acho que os momentos que nos marcam positivamente e sentimentalmente são aqueles que levamos para sempre, e isso tem a ver com minha rotina com os amigos e familiares, a cultura, culinária, o mundo da moda e, com certeza, a cidade, que sempre amei explorar. O Brasil já está na minha vida desde que eu nasci, por eu ter uma mãe brasileira que sempre dividiu comigo e com meu irmão a cultura. O trabalho me trouxe pro Brasil e pude descobrir melhor o país e a cidade do Rio de Janeiro, onde moro. Praias, culinárias, calor, ar tropical, isso tudo me encantou desde a primeira vez. 

Em que momentos você se identifica como uma típica francesa e em que momentos se identifica como uma típica brasileira? Sempre meus amigos falam comigo: ‘você é muito francesa’ no jeito de ser, talvez de pensar, agir. Mas na rotina do dia a dia, acontece que pareço bem carioca. E, também, consegui perder o sotaque que eu tinha e agora meu jeito de falar português acaba sendo o de uma carioca quase da gema, como dizem (risos). 

O grande público ficou conhecendo você graças a participação na novela “Velho Chico”, (2016). Como surgiu o convite e como foi pra você participar de uma obra tão marcante em vários aspectos? Fui convidada quando estava em Paris. Vim pro Brasil pra encontrar o diretor Luís Fernando Carvalho, que me contou que me queria para o papel de Sophie. Foi tudo muito rápido e nunca tinha estudado teatro ou ainda pensado em ser atriz nessa vida. Fiquei muito honrada em receber esse convite e aceitei com muito prazer. A experiência foi tão incrível e inesperada que me apaixonei pela atuação e foi assim que decidi seguir carreira aqui no Brasil e focar na atuação. 

Na sequência veio a Jade de “Malhação: Vidas Brasileiras” e você conquistou o público de vez. A Jade te marcou muito também? Como foi vivenciar tudo isso? Sim. Depois de “Velho Chico”, sendo iniciante no mundo da arte, decidi estudar e me aprimorar na atuação. E em seguida “Malhação” surgiu na minha vida com uma personagem incrível e que me trouxe a oportunidade de cantar, algo que faço desde nova quando cantei ópera no Coral de Paris. A novela foi linda e uma experiência incrível onde eu pude crescer ainda mais na atuação. 

Antes da estreia aqui no Brasil com “Velho Chico” você já tinha atuado antes em Paris? Como foi esse início de carreira como atriz? Nunca tinha atuado ou nem mesmo feito aula de teatro. Foi completamente novo pra mim. Esse início de carreira como atriz foi desafiador, mas também muito prazeroso. Fiquei muito feliz e grata ao poder descobrir uma paixão que é a atuação. 

Sabemos que você chegou a estudar marketing de moda em Paris. Como foi essa mudança de foco? E a moda ainda te interessa? Cheguei a estudar moda em Paris, pois sempre amei a moda e sempre estive muito presente nesse mundo. Essa mudança foi de repente, mas a moda faz parte de mim e sempre gostei. Adoro saber das novidades desse universo e, claro, vejo a moda como cultura, sentimento, pertencimento. 

E para nossa surpresa, ano passado você participou do “PopStar” e surpreendeu mais uma vez. Como foi isso? Foi incrível! Não imaginei tamanha repercussão, mas me senti grata por cada minuto que estive no palco. Canto e toco instrumentos desde muito nova, então mostrar mais o meu lado cantora foi muito especial. Cantei o que acredito e vi o público se emocionar comigo. É isso que faz tudo valer a pena.

Como a música brotou na sua vida? Alguma influência? Sempre amei escutar música desde pequena. Que seja estudando, nas minhas viajem e na vida rotineira. Quando somos pequenos temos várias influências de grandes compositores e artistas, e os que sempre curti me fizeram ainda mais amar a música, descobrindo todas os estilos musicais dos quais quero, inclusive, experimentar um dia. 

Um teatro-musical seria a realização perfeita? Adoraria atuar e cantar em uma peça de teatro musical. Seria um sonho e uma honra. 

Você tem passado esse período de quarentena em Paris. Como tem lidado com isso e o que tem feito? Assim que as fronteiras francesas abriram tive a oportunidade de voltar para casa e ver minha família. Fiquei muito feliz pois estava com muita saudades da minha família e de estar com eles nesse momento tão difícil que estamos passando. Foi um presente a companhia deles. Aproveitamos a cidade e as férias que estavam acontecendo lá. Quarentaine tinha acabado na França e pude viajar com minha família e amigos, aproveitando completamente esse momento único. Mas, ainda assim, com todo cuidado necessário para saúde de todos. 

Como foi sua rotina em Paris? Boulangerie, ville de Paris e restaurantes (risos); revi meus amigos de infância, aproveitei meus restaurantes favoritos e passei na minha cidade como sempre gostei, pois Paris não deixará de ser lindo e gostoso de passear. 

Na hora de relaxar o que faz sua cabeça? Gosto de relaxar meditando, assistir filmes/seriados, ler e curti a minha cachorra.

O que te encanta na hora da paquera? O que precisa ter e ser? Conexão, feeling, proporcionalidade. São as palavras que me vem à cabeça respondendo essa pergunta. Sou uma pessoa que ama viver e rir.

Planos para o futuro. O que vem por aí? Estou atualmente gravando um projeto de audiovisual. Estou muito empolgada e ansiosa para contar tudo pra vocês! Continuo pensando em cantar e já estou rascunhando projetos musicais. 

Para conquistar Yara basta… Me fazer sentir que a energia é verdadeira, humana.

Fotos Dessa Pires 

Edição de Moda Ale Duprat 

Produção de Moda Kadu Nunnes 

Beauty Karolina Beauty 

Locação Cliffside  Yara veste: Look 1 (capa): Iorane / Joias Joya Ipanema / Look 2 (estampado): Lily Franco