Ayrton Senna nasceu em São Paulo, e desde criança foi fascinado por carros. Ganhou seu primeiro kart, feito pelo seu próprio pai, o empresário Milton, com motor de cortar grama, aos 4 anos de idade. Sua habilidade com automóveis foi ganhando proporções maiores e aos 13 anos já competia pela primeira vez. Em 1977 ganhou o segundo lugar numa competição de kart, o que só fez dar o início à sua coleção de títulos nos anos seguintes. Em 1981 competiu na Europa, ganhando seu primeiro grande título no campeonato inglês de Fórmula Ford 1600. Em 1982, foi campeão europeu e britânico de Fórmula Ford 2000, pela equipe de Dennis Rushen. Nessa época adotou o nome de solteira da mãe, Senna, pois Silva é um nome bastante comum no Brasil.

Ao longo das competições Senna foi mostrando que não era apenas mais um cara bom de direção nas pistas de competição, ele era O Cara!  Ele foi o piloto brasileiro de Fórmula 1 três vezes campeão mundial nos anos de 1988, 1990 e 1991. Mas acima de tudo, Senna foi o campeão na preferência nacional. Seu carisma e simplicidade conquistaram milhões de brasileiros e fãs ao redor do mundo. E assim transformou as transmissões de Fórmula 1 em verdadeiros espetáculos.
 Sempre discreto e atencioso Senna mostrou que era apenas um cara comum levando sua emoção para as pistas de corrida e os lares de milhões de telespectadores que o tinham como ídolo e símbolo máximo do ideal do cara que chegou lá. Senna representava todas as classes. Senna agradava do patrão ao peão. E foi no meio dessa adoração toda que o mundo ficou perplexo diante da TV ao vê-lo sofrer o grave acidente que encerrou sua carreira e silenciou uma multidão.
 
Em 1 de maio de 1994 em Ímola, o sonho do brasileiro Senna se encerrava levando junto a alegria de seus fãs. Por mais injusto que possa parecer, a Fórmula 1 nunca mais teve a emoção e a empolgação da sua época. O ronco dos motores e o tremular da bandeira quadriculada perderam a força. Em seu lugar apenas o passar do vento e o olhar perdido no horizonte na lembrança daqueles tempos de emoção.

Talvez seja essa a razão que tenha levado a Ayrton Senna ser um cara tão especial, a emoção que ele carregava. Talvez Senna nem tenha tido a real noção da emoção que ele levava consigo ao arrancar com seu carro nas competições. Ou talvez fosse essa troca de energia entre ele e o telespectador, o fã, o torcedor, que o impulsionasse a ir sempre mais longe.

Hoje faz exatos 18 anos que o ídolo de todos se foi. Mas parece que foi ontem. Senna continua vivo. Vivo aqui na minha emoção, na sua lembrança e no tremular de cada bandeirada na reta final da Formula 1 ao longo desses 18 anos. Transformando Senna eterno para todos seus fãs

Ao mestre Senna com carinho.

Siga a MENSCH no Twitter: @RevMensch, curta nossa página no
Face: Revista Mensch e baixe no iPad, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb