Poderosa!! Essa é Day Mesquita que volta a protagonizar uma novela e que traz uma personagem intrigante e como o próprio nome diz, ela é a Poderosa. Depois de alguns meses longe do set de gravação Day retomou os trabalhos com mais garra ainda e a certeza de cada vez mais ama o que faz. “Eu amo o que eu faço e sempre fui muito abençoada com lindas personagens que me fizeram crescer na minha vida pessoal e profissional, e oportunidades como essa vão cada vez mais consolidando algo que eu sonhava em fazer desde muito nova”, comentou Day ao longo dessa entrevista exclusiva para a MENSCH. Por sinal, sua segunda capa! E essa volta trouxe uma Day ainda mais bonita e segura de si, ou melhor dizendo, mais poderosa do que nunca.

Day, como está essa retomada com a Poderosa de “Amor Sem Igual”? Passamos quase 5 meses em casa, com a pausa das gravações, e quando voltamos, conseguimos concluir com êxito os capítulos restantes da trama tendo um extenso protocolo de segurança a ser seguido. As personagens e a trama estão num momento auge, onde tudo começa a se encaminhar para as grandes descobertas e reviravoltas, e com isso muitos conflitos que deixam a história cada vez mais dinâmica e imperdível. Estou muito feliz em poder ver esse resultado de um trabalho e uma personagem que foram incríveis para mim e a retomada ao ar dos capítulos inéditos está me fazendo reviver momentos lindos que tivemos nesse trabalho.

Após 10 anos você volta a protagonizar uma novela. O que isso tem representado para você? Uma alegria enorme por continuar fazendo o meu trabalho e receber a confiança, novamente, com uma oportunidade que tem uma responsabilidade que um protagonismo traz. Uma protagonista acaba demandando uma carga maior tanto física quanto emocional, pela quantidade de cenas e por ser a personagem que conduz a trama como um todo. Eu amo o que eu faço e sempre fui muito abençoada com lindas personagens que me fizeram crescer na minha vida pessoal e profissional, e oportunidades como essa vão cada vez mais consolidando algo que eu sonhava em fazer desde muito nova. Sou muito feliz e muito grata por ter vivido uma protagonista como a Poderosa. Fui muito feliz durante todo esse trabalho!

Depois de três novelas com temas religiosos, como é encarar uma trama contemporânea? Onde está o desafio nisso? Acho que o que diferencia um pouco é só a forma, por se tratar de uma época e costumes diferentes, mas as relações humanas são atemporais. Eu tive que virar uma chavinha que estava acessada há um tempo, mas mais pela forma de interpretar que os trabalhos anteriores exigiam. “Amor Sem Igual” além de ser uma novela contemporânea, é uma novela muito leve, tem muito humor, e eu me diverti demais!

E falando em desafios, quais os maiores que você já enfrentou por conta da carreira até agora? Já passei por muitos momentos desde que comecei a minha carreira e os desafios sempre estiveram presentes. Passei alguns períodos com intervalos maiores entre um trabalho e outro que me faziam pensar mais sobre a instabilidade dessa profissão, mas acredito que isso também me fazia ter cada vez mais certeza do que eu queria, e eu tinha que ter uma força maior para persistir. Em alguns momentos questionei se estava fazendo a melhor escolha, mas tive apenas um momento em que as coisas não estavam fluindo tanto que cogitei pensar de fato em alguma outra possibilidade de profissão, mas foi um questionamento passageiro. Eu amo muito o meu ofício como atriz, é algo que me move e sempre me moveu, me sinto realizada ao estudar, pesquisar e dar vida a uma personagem, contar uma história, então qualquer desafio e maior dificuldade serviram como impulso para que eu pudesse me fortalecer cada vez mais. E além do mais, acredito que a vida acaba sempre fazendo tudo fluir quando você faz algo que move seu coração, que é feito com amor e dedicação.

O que você só teria coragem de fazer como atriz, “acobertada” por uma personagem? As personagens que vivi fizeram muitas coisas que jamais faria na vida e já vivi com elas muitas coisas que também nunca vivi e espero não viver também… Eu acho incrível isso na minha profissão, poder dar vida a pessoas com pensamentos e atitudes por muitas vezes completamente diferentes dos meus, mas muitas vezes chega a ser difícil fazer certos tipos de cena. A Amanda, personagem que é mãe da Poderosa de “Amor Sem Igual”, que eu também interpretei (em sua fase jovem), por exemplo, tinha cenas muito pesadas onde ela maltratava a filha (Poderosa criança). E mesmo “acobertada” pela personagem foram cenas muito complexas de fazerem por terem sido muito cruéis. Certos tipos de cenas são bem intensas, por muitas vezes complicadas de fazer pela crueldade que carregam.

Seja como atriz ou cidadã, já teve que batalhar seu espaço (seja no trabalho ou vida pessoal) para combater machismo? Acredito que a desconstrução do machismo é luta diária, nos deparamos com situações de desigualdade volta e meia, e que às vezes algumas pessoas apenas não percebem, isso de tanto que algumas ideias estão enraizadas no imaginário de parte da sociedade. Sonho com o dia que a gente não precise mais desenhar muita coisa, mas infelizmente ainda temos muito caminho de luta pela frente. Tento me posicionar sempre que identifico alguma atitude do tipo, mesmo que não seja necessariamente comigo, e explicar pro homem (ou pra própria mulher) o motivo daquilo ser uma atitude machista, acredito muito no poder de transformação do diálogo e da reflexão. 

Você parece ser alto astral e de bem com a vida. Onde recarregar as energias? O que te traz bem estar? Busco levar a vida com leveza, fazer o que gosto, estar em lugares que me sinto em paz e conectada. A natureza faz isso comigo e também estar na cia de minha família, meu namorado, meus amigos, pessoas que eu amo e me sinto a vontade me trazem uma força e uma energia extra. Busco sempre me reconectar com o contato deles que são minha base.

O que não dá pra suportar e o que te coloca um sorriso no rosto? Não dá para suportar injustiça e falta de respeito. Um sorriso de uma criança me coloca um sorriso no rosto.

Como foi enfrentar esse período de quarentena? Como ocupou o tempo e o que aprendeu? Desde que a quarentena começou fiz exercícios físicos diariamente e aulas de yoga, e assisti mais séries e filmes. Voltei a ler mais, fiz um curso de interpretação sobre a Técnica Chubbuck, criada por Ivana Chubbuck, autora do livro “The power of Actor”, que já teve como alunos Brad Pitt, Charlize Theron, Halle Berry, Eva Mendes e Beyoncé, voltei às aulas de inglês (tudo virtualmente) e voltei a desenhar e pintar como uma maneira de terapia. Além de todas essas atividades que sempre acrescentam no aprendizado, também foi um momento de muita reflexão, entendimento e autoconhecimento também.

Você se considera bem resolvida com o corpo? Do que não abre mão? Mudaria algo? É algo que venho me resolvendo cada vez mais. Quando mais nova também trabalhei como modelo e o padrão que era exigido me fez criar certas questões em mim que não foram muito positivas e por um tempo muitas vezes acabei vendo certos tipos de comida como algo proibido. Ao longo dos anos, através de reeducação alimentar e autoconhecimento fui entendendo mais sobre mim mesma e sobre essa relação. Hoje cada vez mais busco aceitar e amar meu corpo, independente de estar um pouco acima ou não do peso que eu considero o ideal, mas isso não anula o fato de estar buscando sempre uma melhor versão de mim mesma, mas agora com mais consciência e cuidado com minha saúde, que vai muito além da forma física, e além do mais, acredito cada vez mais que o bem estar e as aceitações e resoluções internas trazem uma resposta externa positiva. Hoje em dia não abro mão do que tenho vontade de comer, mas tenho uma alimentação bem mais saudável e nutritiva, pois não deixo de fazer as principais refeições com alimentos nutritivos, além de praticar atividade física regularmente que me traz mais energia e disposição no meu dia a dia.

Qual seu pecado favorito e por que? Acho que é a preguiça e a gula… Adoro dormir e adoro comer. rs. Se posso, me permito ficar jogada mais tempo na cama e às vezes passo um pouco do ponto com a comida e acabo exagerando um pouquinho. (risos).

Para dormir prefere… Uma roupa confortável.

Para ler, ver e ouvir qual a dica? Para ler: “Desperte seu gigante interior” – Tony Robbins – (é o que estou lendo nesse momento). Para ver: série “Breaking bad” – Netflix (uma das melhores séries que já assisti). Para ouvir: “É o que me interessa” – Lenine (acho linda essa música).

E para beber vai um… Vinho. Ultimamente estou optando mais pelo rosé ou branco.

Não resiste a um(a)… Uma sobremesa, um chocolate, um sorvete… (risos).

Para finalizar, um final de semana perfeito precisa ter o que? Uma boa cia, alto astral e um passeio em algum lugar gostoso. Praia, cinema, teatro, bar com amigos, um restaurante gostoso…

Fotos Adri Lima

Edição de moda Ale Duprat

Produção de moda Kadu Nunes

Beauty Danielle Panch

Produção executiva Márcia Dornelles

Locação Le Chateaux Joá

Day Mesquita veste: Look 1:trench coat Yves Saint Laurent para Pop Up Brands – RJ / calcinha Piraino by Ale / joias Joya Ipanema – Look 2: casaqueto Yves Saint Laurent / hot pants Piraiano by Ale / joias Joya Ipanema – Look 3:blazer Ricardo Almeida Feminino / brincos Ale Duprat / anéis Joya Ipanema – Look 4: body Rg / joias Joya Ipanema – Look 5: sutiã: Piraino by Ale / calça Yves Saint Laurent / joias Joya Ipanema – Look 6: vestido Giullier / joias Joya Ipanema